O Ofício Profético

Meditação do dia 27/05/2018

Abraão, porém, repreendeu a Abimeleque por causa de um poço de água, que os servos de Abimeleque haviam tomado à força.”  (Gn 21.25)

O ofício profético “Honrai a todos. Amai a fraternidade. Temei a Deus. Honrai ao rei.” (I Pe 2.17). Embora como brasileiros e republicanos, gostamos muito da idéia de rei, desde claro, que ele não seja de verdade e explore a gente com aquele conceito de que o rei pode tudo. Temos o rei do futebol, da música popular, e entre todos até o rei da cocada preta, que é aquela figura que “está se achando” e quer ser mais do que todo mundo. Historicamente admiramos aquela pompa, o cerimonial e o respeito que lhe são atribuídos, e talvez muito disso baseado no que vemos na monarquia britânica moderna. Mas nem todo rei é assim tão poderoso ou tinha tanto domínio; no que vemos nas páginas da Bíblia, alguns denominados reis, nada mais eram do que um líder tribal, ou de uma cidade-estado, sem muita força e poder até mesmo para evitar ataques e saques de outros reis mais belicosos. Abraão vivia na terra de Canaã e havia diversos reis por ali e alguns interagiam com ele e eles o tinham em grande estima e respeito, de forma que vinham tratar pessoalmente com ele e fazer acordos e tratados de assuntos de interesses comuns. Todos, tinha conhecimento de que Abraão praticava uma fé diferente de todos eles e dos povos ao seu redor. Ele servia e adorava um Deus único, e que não tinha uma representação física, como estátua ou forma. Abraão lhe atribuía o conceito de Deus Altíssimo, o Todo-Poderoso, o Criador e o Possuidor dos céus e da terra. A aliança entre essa divindade e esse patriarca, de certa forma era reconhecida e respeitada e assim eles o tinham como um sacerdote ou profeta desse Deus poderoso. Alguma disso, é o que chamamos de ministério, ou serviço à Deus, sendo suas testemunhas no meio de um mundo perdido e em trevas. A autoridade espiritual é uma realidade, conferida por Deus legitimamente à igreja como Corpo de Cristo, que atua como uma embaixada do Reino de Deus aqui na terra. Os ministros de Deus, são autoridades espirituais, autoridade delegada é bom que se diga; isto é, este tipo de autoridade vem de outro poder maior e acima, ela não emana de nós mesmos ou da igreja em sim. Cristo é o Cabeça de um corpo místico, mas real e militante na terra, até que ele venha buscar essa igreja. “Que manifestou em Cristo, ressuscitando-o dentre os mortos, e pondo-o à sua direita nos céus, acima de todo o principado, e poder, e potestade, e domínio, e de todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro; e sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.” (Ef 1.20-23). Observe os grifos que fiz… Assim a igreja tem um papel ou ministério profético, que pode colocar em condições de confrontar outras autoridades e pessoas que estão em confronto com Deus e à sua vontade. “Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta” (Jr 1.5). As ações e intervenções divinas na história dos povos e nações está diretamente ligada ao interesse no cumprimento do plano eterno de redenção. A igreja deve servir e quanto necessário exercer o ofício de profeta e concitar as autoridades e os povos a mudaram seus rumos, para o bem deles e evitarem um juízo. A história e a vida espiritual mostram que Deus se revela mais tolerante com pessoas do que com povos e nações, como instituições. Isso está associado ao fato de pessoas, como indivíduos, podem prestar contas de seus atos, agora, aqui em vida ou na eternidade, eles não escaparão impunes. Instituições e coletividades como povos e nações, só tem uma existência, a terrena e assim não há juízo vindouro para eles, tudo acontece nesta existência. Assim, muitas nações e reinos foram varridos do mapa e nunca mais se levantarão por juízo divino. Isso confere com as verdades da redenção, como: “O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se” (2 Pe 3.9).

Pai, renova em tua igreja nos dias de hoje a visão profética de autoridade para confrontar o pecado dos povos e nações, assim como fazem com as pessoas individualmente, convidando-as a se converterem a Cristo e serem perdoadas e salvas. Levanta homens e pessoas corajosas no poder do teu Espírito Santo, para ser ministros do reino em tempo oportuno. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s