Macpela

Meditação do dia 04/07/2018

 “Que ele me dê a cova de Macpela, que ele tem no fim do seu campo; que ma dê pelo devido preço em herança de sepulcro no meio de vós.”  (Gn 23.9)

Macpela – A Wikipédia trás o seguinte comentário sobre esse lugar: “O Túmulo dos Patriarcas é considerado como o centro espiritual da antiga cidade de Hebron, que se situa no sudoeste da Cisjordânia, no coração da antiga Judeia. O lugar é chamado Me-arat Hamachpelah, que significa «o túmulo das duplas sepulturas.” Relembrando um dos pilares desses escritos diários que fazemos e que chamamos de Meditação do dia; nossa idéia é meditar e tirar alimento espiritual e lições para serem aplicadas em nossas vidas, no sentido prático. Não temos como prioridade estudar teologia, arqueologia ou outras ciências; mas também temos o compromisso de não fugir das boas práticas de interpretação e coerência doutrinária da Palavra de Deus. Alimento atrativo mas contaminado, faz mal para a saúde. O que falar então em torno de uma sepultura no meio de um campo comprado por Abraão para herança de sepultura para sus familiares e descendentes? Eu gosto muito de pensar nesse capítulo vinte e três de Gênesis, como de profunda espiritualidade para a experiência de Abraão, naquele processo de crescimento e tratamento de caráter que ele vinha tendo com Deus. Se formos resumir a totalidade do texto, diremos que se trata de uma negociação imobiliária. Uma transação de compra e venda, com demonstração de interesse, proposta de doação que foi recusada, contraproposta, determinação de valor e negócio fechado com testemunhas e tudo mais. Há uma história de uma jovem, empregada doméstica, que se converteu a Cristo e no dia da profissão de fé par ao batismo (os mais antigos sabem o que é isso); como não havia pessoas que a conheciam bem, o pastor pediu que ela mesmo falasse algo que atestasse a sua conversão a Cristo. Ele disse: “Depois que me converti, nunca mais varri o lixo para debaixo do tapete!” ao que o pastor disse que era suficiente. Todos nós lembramos que Abraão no passado, mesmo sendo rico, próspero e abençoado e já andando com Deus, por mais de uma vez, disse meias verdades sobre seu relacionamento com Sara e atraiu vantagens financeiras para si e Deus teve que intervir para libertar Sara. Mas agora, vemos um ancião experiente, em luto, emocionalmente em momento delicado e sendo tentado a receber de graça, um terreno valioso, que lhe interessava e era seu desejo comprá-lo e os nativos estavam facilitando as coisas. Ele se curvou diante deles em respeito, mas permaneceu erguido diante de Deus, com integridade e um testemunho de quem tinha sido curado de um mal que o havia acompanhado a vida toda e que até fazia parte da cultura e tradição de seus ancestrais. No tempo de Moisés, ao relembrar os compromissos de serem fiéis a Deus e suas alianças, Deus disse algo, no mínimo engraçado, sobre Jacó/Israel que confirma isso: Então, protestarás perante o SENHOR, teu Deus, e dirás: Siro miserável foi meu pai, e desceu ao Egito, e ali peregrinou com pouca gente; porém ali cresceu até vir a ser nação grande, poderosa e numerosa” (Dt 26.5 ARC). Em outra versão a expressão é: “Arameu, prestes a perecer…” isso alude a condição de vida em que vivia Jacó em Canaã, quando José, primeiro ministro do Egito mandou buscá-lo com toda a sua prole. Então sempre que leio Gn 23, vejo em Macpela, mais do que um campo com uma caverna-sepultura; ali vejo Abraão sepultando os últimos traços de uma vida carnal e materialista, ainda antes mesmo de sepultar Sara. Um dia, mais dia, menos dias, todos nós temos que nos defrontar com nossa Macpela. Não dá para viver a vida toda e partir para a outra com aspectos não resolvidos, dúvidas e segredos de caráter que só nós mesmos sabemos. Sepultura é um lugar emblemático: Quem vai lá, vai para nunca mais voltar, ou quem foi levar alguém, ao voltar deixa lá alguma coisa que nunca mais terá em sua vida. É um lugar terrível, mas não há nada tão transformador.

Senhor meu Deus, em Cristo, o Senhor já passou por isso, pois foi profetizado, aconteceu e Jesus entrou e saiu no terceiro dia, e também voltou transformado e transformador. Ele venceu a morte, tomou as chaves da morte e é a ressurreição e a vida para todos que nele creem. Para servi-lo de fato, é preciso cada dia levarmos a nossa cruz e sermos com ele crucificados, mortos e ressuscitados para viver em novidade de vida, para glória daquele que é, que era e que há de vir! Ajude-nos, Espirito Santo, nessa arte de morrer, para viver em plenitude para Deus. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s