Dízimos Pré-Pagos

Meditação do dia 31/07/2018

 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos.”  (Hb 7.9)

 Dízimos Pré-Pagos – Fé e finanças sempre produziram pérolas nas discussões e alguns até arrastam a teologia para provar seus pontos de vistas. Certamente defender aquilo que se acredita é um direito legítimo de qualquer pessoa. A Bíblia indica os caminhos do arbítrio pessoal e o direito de crer e descrer, embora isso não venha a anular as verdades eternas. O fato de alguém não crer na existência de Deus, do céu, do inferno, da salvação ou condenação eterna, isso não anula a veracidade dos fatos; só acho que ele vai levar um baita susto quando chegar do outro lado. Os cristãos via de regra faz uso do termo “entregar os dízimos,” e não é muito usual “pagar os dízimos,” mas não problema neles e nem ferem os princípios. O entendimento dos povos antigos, mesmo antes de Abraão, era que se devia tributar honra e culto a Deus (ou deuses) e isso era feito com bens em espécies e muitos sacrifícios de animais e um dedicação  propriedades que se tornavam sagrados. Dessa idéia de pagar tributo, vem a idéia de pagar os dízimos. Muitos faziam tais práticas e Abraão ao tributar a Deus, entregando os dízimos à Melquisedeque não estava inventando uma prática ou ritual. Desde os tempos de Adão e Eva já se fazia isso e até foi numa dessas oferendas que surgiu a diferença entre Abel e Caim. Costumo dizer que o Deus da nosso teologia, pode ser bem diferente daquele que servimos e adoramos. Crê-se em verdades bíblicas teológicas ortodoxas maravilhosas, mas a prática do dia a dia mostra uma insegurança e desconfiança na capacidade desse Deus cuidar e prover o necessário, o que leva a pessoa a se tornar materialista e correr atrás dos lucros e inventar meios de aumentar as receitas e acumular bastante, afinal quem cuida dele é ele mesmo. Sou plenamente favorável ao trabalho e boa mordomia, administrando bem cada recurso disponibilizado em nossas vidas, como um bem pertencente a Deus, mas com permissão de uso para seus filhos. Os litígios para legitimar ou não a entrega de dízimos, está sem dúvida alicerçada na avareza e na ganancia; pois o egoísta, ao olhar a proporção de 90/10% e sendo que Deus é muito rico, poderoso e tem tudo, então para que dar mais essa parte, sendo que os cem por cento já lhe parecem pouco. Dizimar não tem a ver com quantia, lei, mandamento, evitar praga ou dar lugar o devorador! Dizimar é culto a Deus! É tributar louvores, gratidão, reconhecimento de quem sou quais as minhas possibilidades. diante de um Deus grande, soberano, generoso, doador que supre tudo em todo tempo, para aprazimento dos seus filhos e daqueles que nele confiam. É reconhecer que tudo pertence a Deus e que estamos lhe devolvendo uma pequena parcela em gratidão e louvor. Não estamos pagando nada, pois a nossa condição de adorador está baseado na graça, onde ele doou seu filho que deu sua vida para sermos salvos, perdoados, libertos e adotados legitimamente, nos tornando herdeiros de todas as coisas que o Pai criou. Como pagar tamanha dívida, caso Deus assim o exigisse? Dizimar tem tudo a ver com o amor a Deus, amor à obra de Deus, tanto a nível local como além através de missões e serviços de assistências que o Corpo de Cristo tem condições de servir. Servir a Deus, é servir as pessoas que são objetos do amor de Deus. Servir é diaconia e nesse caso, toda a igreja deve exercer sua diaconia, nas mais diversas formas. Vemos nas páginas sagradas, os sistemas criados por Deus para manutenção da vida e de tudo o que ele criou. A fauna, a flora, a biodiversidade, o próprio cosmos tem suas formas de abastecimento e reposição. Há meios legítimos para manutenção do estado, da sociedade organizada, da igreja e de missões. Toda obra de Deus feita da maneira de Deus, sempre terá o sustento de Deus. Na legislação dada aos hebreus, ficou sistematizado o cuidado e a proteção com garantias eternas para o sustento do trabalhador, que pessoa, quer animal, que instituição organizada, incluindo o culto a Deus e o sacerdócio. Havendo desvio de conduta, o certo é corrigir e reparar os erros e tomar medidas que inibam tais práticas. Anular uma verdade eterna porque houve uma exceção errônea ou má gestão de um servidor, não justifica. Abraão tributou à deus e foi próspero e não teve falta de nada; anos mais tarde, o tributar dízimos e ofertas a Deus foi regulamentado em Lei pelo próprio Deus, através de Moisés e não se trata de algo próprio só para os hebreus – aquilo regulamentava o culto a Deus e em Cristo somos os herdeiros espirituais das promessas e das bênçãos prometidas e cumpridas à Abraão. Dizimar é bíblico, é santo, é sagrado, é agradável é espiritual e abençoador. É uma forma de vencer as amarras do materialismo e avareza que o pecado impôs no coração humano. Eu diria, que dizimar é para os fracos; os fortes dão generosamente, boa medida, transbordante sacudida e da mesma forma recebem de Deus Dai, e ser-vos-á dado; boa medida, recalcada, sacudida e transbordando, vos deitarão no vosso regaço; porque com a mesma medida com que medirdes também vos medirão de novo (Lc 6.38). Quero fechar essa meditação, grifando no texto de Paulo aos Corintios, verdades claras e simples que nem precisa de interpretação para saber o caminho a seguir para ser próspero e generoso, abençoando e sendo abençoado. Preste atenção nas partes sublinhadas que destaco: E digo isto: Que o que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia em abundância, em abundância ceifará. Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria. E Deus é poderoso para fazer abundar em vós toda a graça, a fim de que tendo sempre, em tudo, toda a suficiência, abundeis em toda a boa obra (2 Co 9.6-8). É suficiente ou faço um desejo animado?

 

Senhor, obrigado por seu que tu és e de fato mereces todo o nosso louvou e adoração, quer em palavras, atitudes, testemunhos, em tempo, bens, serviços, dinheiro e até a nossa vida. Tudo é teu e para tua glória. Rejeito terminantemente as idéias e conceitos da avareza e mesquinhez tanto para minha vida quanto para tua obra. O Senhor é o Deus grande, o Altíssimo, o possuidor dos céus e da terra e para ti, sempre daremos o melhor, com alegria e satisfação. Quando recebemos de ti, sempre vem o melhor, em abundancia e é justo tributarmos o nosso melhor como gratidão e reconhecimento do Deus a quem servimos. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s