Isaque Já Nasceria Grande

Meditação do dia 09/11/2018

 “E far-te-ei uma grande nação, e abençoar-te-ei e engrandecerei o teu nome; e tu serás uma bênção.  (Gn 12.2)

 Isaque já nasceria grande – Esse também é um título que mais de marketing, do que verdade verdadeira literal, é claro. Estou lançando mão de um título espalhafatoso de propósito para chamar mesmo a atenção dos meus dois leitores dessas meditações. É um fato bíblico que as coisas surgem, ou iniciam muito antes de aparecerem fisicamente aqui em nossa presença, até mesmo as pessoas. Os cristãos acreditam que o sábio Criador planejou todas as coisas desde a eternidade e eles já existiam em sua mente, em seus planos e no devido tempo elas vão se manifestando; há escolas de pensamento que contestam isso ou apresentam outras linhas de pensamento, mas isso é assunto para teologia e doutrinas, que não são nosso foco aqui. Escrevendo aos romanos, Paulo afirma sobre Deus no relacionando com Abrão seguinte: (Como está escrito: Por pai de muitas nações te constituí) perante aquele no qual creu, a saber, Deus, o qual vivifica os mortos, e chama as coisas que não são como se já fossem (Rm 4.17). Através da fé Abrão se tornou por antecipação de fé, o pai de Isaque e de muitas nações; ali Deus estava chamando à existência algo que ainda não existia no plano físico e material. Para Abraão, ter um filho significava ver um bebê em gestação e depois nascendo e crescendo ao seu lado. Para Deus, Isaque já existia com nome e sobrenome e tudo o que Abraão chamaria de futuro, no realidade da fé, já era presente e bem presente. Assim Isaque já viria a esse mundo como alguém grande e trazendo sobre seus ombros grandes responsabilidades, pois seria a sequencia da vida e ministério de Abraão, um grande amigo de Deus e com quem o Senhor firmara alianças, que Isaque já teria que confirmar e estabelecer também as suas. Como já sabemos, nossa vida cristã é recheada de experiências que só podem ser vivenciadas com uma plenitude espiritual de vida e comunhão com Deus. Todas as promessas de Deus foram feitas literalmente a alguém específico, ou genericamente a um corpo coletivo de pessoas comprometidas com ele em fé e obediência, seja uma família, um grupo de pessoas, uma comunidade, uma nação ou a igreja, quer na sua expressão local ou universal. Todas as promessas de Deus tem o potencial de acontecerem, de se cumprirem, pois são na verdade, palavras de Deus. Mas já sabemos que sem fé é impossível agradar ao nosso Deus e sem obediência também ele não se agrada. Equilíbrio é uma boa palavra ou atitude a ser cultivada na vida. Deus não é chefe de religião e nem se liga muito nisso; se os rituais são meras formalidades, não atraem a sua atenção e muito menos o seu favor; o que estou dizendo é que nem tudo o que acontece num templo é de fato culto; nem tudo o que se passa numa reunião de oração é de fato oração a Deus; nem tudo o que acontece numa religião ou denominação é de fato serviço a Deus e a seu reino. Vamos meditar por uns dias na vida e história de Isaque, um ícone que sintetiza viver a esperança de uma promessa se cumprir. Abraão, seu pai é o “pai da fé” e teve que crescer e batalhar muito para gerar essa promessa. Ficar reclamando e murmurando porque algo está demorando acontecer não ajuda muito e talvez precisemos mudar de atitude e trabalhar ao lado de Deus para fazer acontecer aquilo que só uma fé forte e vibrante será capaz de produzir; então não fique passivo demais e nem fabrique resultados; CREIA!!!

 

Senhor Deus, criador e sustentador de todas as coisas; obrigado por me permitir participar teus planos e propósitos eternos. Posso não entender tudo ou muito, mas posso crer e confiar em tua infinita sabedoria e capacidade de trazer à realidade aquilo que foi projetado no teu coração desde a eternidade. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

O Filho da Escrava Não Tem Herança

Meditação do dia 08/11/2018

 “Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre.”  (Gl 4.30)

 Filho da Escrava não Tem Herança – A santificação é uma obra da graça divina, baseada no sacrifício de Cristo na cruz do Calvário. Nela é extirpada a pecaminosidade interior pela crucificação e morte do velho homem com Cristo e a consequente ressurreição para uma nova vida. O velho homem, é escravo, escravizável e escravizado pelo pecado, só podendo ser liberto pela redenção que há em Cristo Jesus. O velho homem, a velha natureza corrupta não tem remendos, não tem conserto e nem maquiagem ou reforma, ela tem que morrer. Romanos 6 deixa isso mais claro do que a luz do dia. Para começo de conversa, E agora digo isto, irmãos: que a carne e o sangue não podem herdar o reino de Deus, nem a corrupção herdar a incorrupção (I Co 15.50). A vida cristã em plenitude, só pode ser experimentada pela fé, que é uma atividade do espírito, sendo assim incompatível com uma vida carnal, sem conversão. O homem é um ser que foi criado para viver em estreita relação de amizade e comunhão com Deus, o seu criador, a vida de um emana do outro, sem uma ligação próxima e continuada, o ser humano vai se degenerando, perdendo mais e mais a semelhança daquele a quem está submisso. A inteira liberdade do ser humano foi lhe dada para vive-la em submissão a Deus; fora disso é escravidão na certa, ou a si mesmo ou ao pecado, que na prática é só um instrumento do diabo. Assim o Apóstolo Paulo afirma que fazemos as escolhas de quem queremos servir: Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça? (Rm 6.16). Jesus foi um tanto quanto cirúrgico na sua declaração sobre a opção de servidão que o homem escolhe: Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar um e amar o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Não podeis servir a Deus e a Mamom (Mt 6.24). Sabemos que a carne, controlada pelo pecado, jamais vai se submeter a Deus e suas leis. É impossível submissão espiritual sem ser espiritual, sem nascer de novo e ao nascer de novo, o velho morre. Não tem Isaque herdar com Ismael à tira-colo. Não há aliança com Deus e com o pecado ao mesmo tempo. O filho da escrava não pode e não deve herdar, pois não é do mesmo reino, da mesma natureza, ainda que quisesse. Porque os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas os que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus. Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele (Rm 8.5-9). A aplicação do simbolismo feita por Paulo é acertadíssima – Para alcançar as promessas de Deus e viver no poder do Espírito e em vitória sobre o pecado, o diabo e o mundo, Ismael tem que ser botado pra fora! O filho da escrava de modo algum pode herdar com o filho da livre. Uma pergunta maldosa: Você tem certeza que sabe de quem é filho?

Senhor, obrigado por nos chamar para a liberdade, e colocaste a nossa disposição tudo o que precisamos para viver isso em plenitude. Pelo novo nascimento sabemos que somos filhos da liberdade, da santidade, da justiça pela fé em Cristo Jesus. Em nome dele é que oramos pedimos ajuda, graça e misericórdia, todos os dias para vivermos de modo agradável a ti. Amém.

 

Pr Jason

O Que Diz a Escritura?

Meditação do dia 07/11/2018

 “Mas que diz a Escritura? Lança fora a escrava e seu filho, porque de modo algum o filho da escrava herdará com o filho da livre.”  (Gl 4.30)

 O que diz a Escritura? Porque tudo o que dantes foi escrito, para nosso ensino foi escrito, para que pela paciência e consolação das Escrituras tenhamos esperança (Rm 15.4). Estamos meditando na vida de Ismael e ele foi uma pessoa de carne e osso como nós, que viveu aqui na terra, numa sociedade, numa família e num contexto que apresentava os mesmos dilemas que todos os humanos experimentam; por isso ele serve de inspiração e exemplo para mim e para muitos. Ele cultivava uma fé; ele adorava a Deus, o mesmo que eu; ele tinha sonhos e enfrentava dificuldades, preconceitos e teve que lutar para viver; venceu porque lutou; está a Bíblia porque sua história se interpõe com a de outras pessoas da linhagem da redenção. Agora, nessas últimas meditações estamos vendo as aplicações que autores bíblicos inspirados pelo Espírito Santo escreveram sobre como aquela história tinha contextos simbólicos da vida cristã e o que simbolicamente experimentamos no nosso dia a dia enquanto Ismael foi uma prova viva, algo figurado para nós, foi real na experiência dele. Como é figurado para nós, podemos aprender, desfrutar e decidir pelo certo, vendo Ismael como elemento figurado e não culpa-lo ou atribuir-lhe condenação ou demérito. Sabemos que o Evangelho nos apresenta a verdade que Deus ama profundamente todas as pessoas, todos os pecadores, ao mesmo tempo que não tolera o pecado em qualquer de suas formas e manifestações. Também amamos os pecadores ao nosso redor e trabalhamos por ve-las se convertendo e abraçando a fé, sem contudo aprovarmos suas práticas e condutas. Amamos o pecador mas rejeitamos o seu pecado. Amamos Ismael, mas rejeitamos o que simboliza sua vida e conduta em termos espirituais. A vida cristã e para ser vivida no poder do Espírito Santo, em Santidade, justiça e verdade; temos um compromisso, uma aliança com Deus e portanto tudo o que contraria ou contradiz a isso, devemos rejeitar e afastar de nossa presença. Nesse sentido, de aliança com Deus, de andar pela fé e apropriar das promessas, a presença de Agar e Ismael se opunha ao princípio espiritual da revelação de Deus. Foi para ilustrar essa verdade eterna que se fez necessário a expulsão de Agar e Ismael da vida de Isaque. Qualquer coisa que concorra com a promessa e a revelação de Deus precisa ser eliminado da vida do cristão. Estou falando de pecados de estimação; coisas, atitudes do coração, posturas, práticas e confissões que são erradas, pecaminosas, condenadas na Palavra de Deus, mas que são socialmente aceitas, culturalmente incorporadas na vida, na família e até nas práticas eclesiásticas. Uma expressão do Novo Testamento para isso é: Amados, peço-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências carnais, que combatem contra a alma(I Pe 2.11). Combatem contra nossa alma! É um escravo, ainda que nascido em casa, ainda com o consentimento dos demais; com boa intenção, está sob controle, é bonzinho, ajuda muito em…. O que diz a Escritura? Bota fora a escrava e seu filho; não só o pecado, mas a fonte que gera esse pecado em nossa vida, os dois devem ser botados para fora. Pensando em pessoas, como foi com Ismael e Agar, nosso senso de direitos humanos, justiça social e etc. apela para clemencia, e achar outra saída menos traumática. Veja, que naquela situação até Abraão ficou dividido e sem saber o que fazer e só quando Deus falou com ele e disse para fazer o que Sara exigia, que tudo iria dar certo, foi que ele vez. Humanamente falando é difícil, há muitas implicações. Mas espiritualmente deixar o pecado e hábitos que minam a nossa resistência espiritual e nos dificulta alcançar as promessas de Deus, precisam ser expulsas sumariamente. Ter dó do pecado é uma cilada contra nossa alma. Lembra da fábula do escorpião que pediu carona ao sapo para atravessar o lago? Ele sempre vai picar e matar; é da natureza dele. Não existe pecado bonzinho, sociável, de estimação! A natureza dele é destruir, e fará isso quando mais precisaremos da bênção e da força espiritual. Voce cultiva pecados de estimação? Práticas que tá ruim mas tá bom assim mesmo? Todo mundo tem fraquezas!!! Muita gente faz pior que eu!!! Hoje isso é normal e aceito! Minha consciência não me acusa!!! Meus amados, O que diz a Escritura? É isso que devemos fazer; as Escrituras são nossa regra de fé e prática!

 

Senhor, obrigado por ter vencido o pecado e tudo que ele representa, lá na cruz e isso custou a tua vida! Então isso é caro, isso tem peso e isso é ruim. Acredito que o Senhor morreu lá no meu lugar, para me salvar, me salvar porque estava perdido e condenado, por isso que posso estar querendo manter no meu coração ou dar-lhe uma chance de coexistir com a verdade e com a promessa. Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará; revele essa verdade a nós de forma que nos incomode tanto até sentirmos nojo pelo pecado e clamarmos por socorro e misericórdia. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Segundo a Carne & Segundo o Espírito

Meditação do dia 06/11/2018

 “Mas, como então aquele que era gerado segundo a carne perseguia o que o era segundo o Espírito, assim é também agora.”  (Gl 4.29)

 Segundo a Carne & Segundo o Espírito – Ler nas entrelinhas é uma arte sofisticada, que pode ser desenvolvida conhecendo-se bem as verdades completas, ainda que espalhadas através de pequenas porções por toda a Escritura Sagrada. Firmados numa fé que afirma a veracidade e inspiração da Palavra de Deus, como infalível, eterna e sendo a verdadeira revelação de Deus a humanidade, então se pode descansar nas evidencias de que nela não contém erros ou contradições; assim podemos extrair ensinamentos completos lançar mão da multiforme sabedoria de Deus, que distribuiu preciosas fragmentações da verdade por toda a extensão dos registros sagrados. Algo escrito lá no início da Bíblia pode ser validado por uma fagulha bem pequena descrita muitos anos depois e por alguém inteiramente diferente, mas igualmente inspirado e dotado de autoridade divina para produzir um texto sagrado. Nada na Bíblia é dito de uma só vez e nem mesmo de uma vez por todas. Suas preciosidades não serão descobertas e desfrutadas por leitores descuidados e impacientes, ávidos por soluções instantâneas. Verdadeiramente a Bíblia não é um livro para ser lido, mas degustado saborosamente na calma e no recolhimento de um espírito sereno diante de Deus. Ao olhar suavemente e com humildade, com espirito desarmado, podemos ver que o Apóstolo Paulo, que era um sábio e culto mestre judeu, zeloso das tradições e revelações escriturísticas, veio também a ser a pessoa humana, que provavelmente excetuando o próprio Senhor Jesus Cristo, é a pessoa mais alcançou conhecimento das verdades eternas dos planos de
Deus. Não bastasse o seu enorme acervo de conhecimento e estudos acadêmicos, após a sua conversão ele se recolheu nos desertos da Arábia para meditação e contemplação e ali recebeu revelações do próprio Senhor Jesus, sobre o Evangelho e a obra da redenção. Metade de todo o volume do nosso Novo Testamento é de sua autoria e a sistematização dos ensinos e doutrinas  cristãs são dele, distribuídas por suas epístolas, fora aquilo que não ficou registrado, pois ele pregou e ministrou por longos anos e escreveu cartas para diversas igrejas, que não compõem o nosso cânon sagrado. Aqui ele alude a um fato de que Ismael perseguia Isaque – claro que não se tratava de violência doméstica, ou ódio expresso pelo caçula de Abraão. Ele trata de assuntos espirituais, embutidos em pequenas ações e atitudes que só por discernimento do Espírito Santo é possível perceber e lidar. Lembremos que na festa dada por Abraão e Sara, celebrando o dia em que Isaque foi desmamado, Sara flagrou algum incidente da parte de Ismael em relação à Isaque que a tirou do sério à ponto de acabar com a festa e botar Abraão contra a parede exigindo a imediata expulsão de Agar e o filho para eliminar definitivamente aquela ameaça que só ela percebeu e não houve registro do fato em si. Mas pela reação intempestiva dela, algo de fato aconteceu. Já tínhamos visto que Agar era habilidosa em implicância e provocava deliberadamente sua senhora desde o início de sua gravidez de Ismael. Será que ela não incitava ele a reivindicar de modo infantil e velado o direito de ser o primogênito de Abraão e como tal o legítimo herdeiro? (Os árabes e islâmicos até o dia de hoje, mantem o registro inverso do que cremos, para eles, Agar é a esposa legítima de Abraão e Sara a escrava e Ismael o filho legítimo e Isaque o meio irmão que reivindica direitos e privilégios iguais ao prometido); de onde eles herdaram isso? Paulo faz uma alusão figurada sobre a luta da carne contra o espírito e ambos disputando o controle da pessoa verdadeira e de sua herança espiritual. Sabemos que a pessoa verdadeira é o espirito, que possui uma alma e ambos moram num corpo. Não somos um corpo, mas moramos num corpo físico. A pessoa verdadeira continuará existindo mesmo após a morte do corpo físico. A imagem e semelhança de Deus na pessoa, não diz respeito ao físico e material, mas sim ao homem interior, a parte espiritual. Assim sendo, ainda que de menor peso e significação em termos de essência, a carne persegue e batalha ferrenhamente por dominar a pessoa e mantê-la subjugada ao domínio físico e carnal. Digo, porém: Andai em Espírito, e não cumprireis a concupiscência da carne. Porque a carne cobiça contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes opõem-se um ao outro, para que não façais o que quereis. E os que são de Cristo crucificaram a carne com as suas paixões e concupiscências (Gl 5.16,17,24). O único antídoto contra uma vida controlada pela carne é uma vida controlada pelo Espírito. A carne não tem conserto, ela não se converte, não se rende; ela precisa ser mantida sob controle, ainda que forçada por disciplinas espirituais. Antes subjugo o meu corpo, e o reduzo à servidão, para que, pregando aos outros, eu mesmo não venha de alguma maneira a ficar reprovado (I Co 9.27). A carne é um excelente servo e cumpre funções muito importantes, mas é um péssimo senhor, quem se deixar dominar por ela, terá grandes problemas.

 

Senhor, graças te damos por acreditarmos que fomos criados por ti através de um projeto perfeito e tudo que o Senhor faz é bom e maravilhoso; foi o pecado que corrompeu a obra prima que criaste e produziu a rebelião e a independência que gerou a morte e a falência da comunhão do homem contigo. Obrigado por nos amar a ponto de enviar Jesus para viver em carne e na carne vencer o poder do pecado se tornar um redentor de todos nós. Ele venceu e nos venceremos, porque por ele podemos todas as coisas, pois ele nos fortalece. Ele vivificou-nos estando mortos em delitos e pecados vivendo sob as paixões e domínios da carne. Agora somos novas criaturas, gerados pela Palavra que é viva e permanece para sempre, amém.

 

Pr Jason

Os Anos da Vida de Ismael

Meditação do dia 03/11/2018

 “E estes são os anos da vida de Ismael, cento e trinta e sete anos, e ele expirou e, morrendo, foi congregado ao seu povo.”  (Gn 25.17)

 Os anos da vida de Ismael – Como uma pessoa nasce é muito importante; mas como ela morre pode significar tudo sobre como ela viveu e como realmente foi. Não é em vão que sábias palavras das Escrituras Sagradas, destacam o fim da vida de uma pessoa como algo significativo. Melhor é ir à casa onde há luto do que ir à casa onde há banquete, porque naquela está o fim de todos os homens, e os vivos o aplicam ao seu coração (Ec 7.2). seguindo aquele exercício de ficção que iniciamos sobre a idade de Ismael quando saiu de casa com sua mãe e quase morreu naquele deserto, se não houvera a intervenção divina, supomos que ele deveria ter ali uns dezessete anos de idade, aproximadamente; partindo da bênção de que ali ele ganhou uma nova vida e uma confirmação de promessas do Senhor, então ele ainda desfrutou de cento e vinte anos, para perfazer o total de cento e trinta e sete anos. As palavras do Sl 103 me parece muito apropriadas para ele e para nós, para mim especialmente: Bendize, ó minha alma, ao Senhor, e não te esqueças de nenhum de seus benefícios. Ele é o que perdoa todas as tuas iniqüidades, que sara todas as tuas enfermidades, que redime a tua vida da perdição; que te coroa de benignidade e de misericórdia, que farta a tua boca de bens, de sorte que a tua mocidade se renova como a da águia. O Senhor faz justiça e juízo a todos os oprimidos (Sl 103.2-6). Desde a minha juventude, como líder de jovens ou professor de EBD, e depois como seminarista e também na vida pastoral, muitas oportunidades de falar em aniversários de irmãos, um dos meus texto favoritos sempre foi esse. Aqui se apresenta uma conversa de mim para comigo mesmo; um papo muito íntimo, entre a pessoa e sua própria alma, para que jamais esqueça de bendizer ao Senhor por todos os benefícios que dele recebemos, e são muitos. Como poucos, Ismael sabia o que significava ser redimido da perdição e ser coroado de bondade e misericórdia. Da situação de oprimido e desprezado, para vir a ser um patriarca respeitado e ser a origem de uma linhagem de nobres e quando chega o dia de ser recolhido, ele tinha um povo a quem sem congregado. Havia pessoas para as quais ele fora importante e servira de modelo e exemplo. Nossa teologia prega que nossa vida continua aqui na terra através das obras e influencias de uma mordomia bem vivida e praticada. A pessoa vai, mas seu legado permanece vivo e de preferencia influenciando mais ainda, do que em sua presença física. Assim, é importante ter uma causa pela qual vivamos, e pela qual estejamos dispostos a morrer, do contrário, não valeu a pena ter vivido. Embora ninguém deva viver com pensamentos mórbidos, mas também não pode viver como se a vida não tivesse esse processo de interrupção aqui; mas sempre se deve exercitar as avaliações e balanços de como estamos fazendo uso da nossa existência, para que possamos corrigir e fazer valer nosso tempo e passagem aqui. Uma forma de fazer isso é perguntar a si mesmo: “O que escreverão na minha lápide?” Por quais feitos serei lembrado? Ser fiel à missão a nós confiada é muito importante; então precisa-se saber qual é essa missão, para o que fomos colocados aqui. Se viver com dignidade é uma busca, então morrer no tempo e no modo digno do que vivemos é uma necessidade.

Senhor, autor da vida e Senhor absoluto da nossa existência. Obrigado por nos criar com um propósito específico e defino e um espaço de tempo para realizar tudo isso. Sou grato pela minha salvação e por ter alcançado misericórdia e vivido em tua presença de modo que minha alma pode bendizer ao Senhor em todo tempo. Obrigado por me chamar para participar de uma santa vocação de alargar as tendas do teu Reino e por me dar oportunidades maravilhosas de servir a ti e ao teu corpo aqui na terra, a igreja. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Doze Príncipes

Meditação do dia 02/11/2018

 “Estes são os filhos de Ismael, e estes são os seus nomes pelas suas vilas e pelos seus castelos; doze príncipes segundo as suas famílias”  (Gn 25.16)

 Doze Príncipes – Quando lemos no Novo Testamento sobre principados e potestades, de cara associamos à demônios, espíritos das trevas e batalha espiritual. Alguns não fazem a menos idéia do que se trata e até tem aqueles que nesse sentido consideram a ignorância uma bênção. Mas paixões vocacionais à parte, o todo da vida faz parte da vida toda e quer acreditemos ou não, já estamos numa jornada e numa batalha que ou para se proteger ou para conquistar, a realidade existe e serve para todos. Mas desejo fazer uso das verdades citadas acima, como descrita em Ef 6.12 que está sim falando do “lado sombrio, ou o lado negro da força como diriam os amantes de Star Wars;  Porque não temos que lutar contra a carne e o sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais.  Mas também encontramos outras citações sobre o mesmo tema, que não tem esse mesmo peso sombrio, como o que encontramos em Cl 1.15,16 O qual é imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; porque nele foram criadas todas as coisas que há nos céus e na terra, visíveis e invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades. Tudo foi criado por ele e para ele. Aqui se refere ao poder criador de Deus em Cristo, de onde emanou toda a criação, quer física, material, biológica, forças visíveis e invisíveis e autoridades em gruas e hierarquias diferentes. A nossa fé cristã, criacionista e bíblica atribui que tudo que existe foi criado por Deus; fora disso ou é metamorfose ou envolve escolha moral. Quando as trevas se personificaram, claro, copiaram os modelos de Deus, assim aparecendo a versão má de coisas que opõem a Deus e à tudo que ele ama. Voltando ao nosso personagem bíblico, Ismael, que um dia se viu quase exterminado e liquidado, mas foi alcançado pela misericórdia de Deus e confirmou o valor de uma aliança estabelecida com o pai dele, Abraão e uma promessa feita à sua mãe, que foi uma pessoa de fé e obediência aquilo que recebera como instrução de Deus. Ninguém que se submete à vontade do Senhor e anda em seus caminhos, deixa de ser recompensado. Por mais que sejamos tendenciosos e bairristas, vendo a vida pela lentes das nossas parcas percepções e preconceitos, Deus, o criador não é assim e ele não embarca na nossa onda. Deus é Deus e está muito acima de tudo e de todos e seu compromisso irrevogável é com sua palavra, só  e somente. Aquele garoto fadado a morrer de sede debaixo de um arbusto, viveu e lutou por sua vida e pelas promessas que ele também alcançou por sua fé e vida de oração. Foi abençoado com uma família, gerou doze filhos, que se tornaram homens de bem, e vieram a se tornar príncipes em suas vilas, segundo suas famílias. Príncipes são autoridades sobre um território e um espaço de sob sua autoridade, e todos os homens se alegram em ver a prosperidade de sua linhagem e saber que haverá continuidade e mais do que isso, a verdade de Deus sendo vista materializada em pessoas e povos, que tem a oportunidade de conhecer as suas raízes e valorizar suas origens. Num mundo de tradição oral, como era aquele, com toda certeza, Ismael e Agar, preservaram suas histórias e fizeram questão de valorizar seus feitos para serem perpetuados de geração em geração. Como encontramos os registros e a perpetuação da linhagem da redenção em Isaque e na nação de Israel e fazemos questão de aprendermos com aquilo e transferir para o lado espiritual toda a herança que nos cabe por promessa de Deus através de Abraão. Ismael teve sua linhagem física, mas também levou elementos da fé de Abraão, promessas do Altíssimo que o protegeu e amparou em momentos críticos e importantes de sua vida e lhe deu a oportunidade de ver muitos filhos e muitas pessoas, tudo fruto da bênção e da promessa que ele recebeu, apropriou e cultivou. Ele era um só, e exausto, quase à morte, agora via gente, muita gente, príncipes e povos e ele sabia a origem de tudo aquilo.

 

Senhor, sou grato por tuas promessas, pois todas elas no seu tempo se hão de cumprir e o teu nome será lembrado e honrado. O Senhor é o meu Deus, fui criado, sustentado e prevaleci até aqui, por graça e misericórdia, reconheço e tributo a ti, todo o louvor e toda a minha gratidão, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Os Filhos de Ismael

Meditação do dia 1º/11/2018

 “E estes são os nomes dos filhos de Ismael, pelos seus nomes, segundo as suas gerações: O primogênito de Ismael era Nebaiote, depois Quedar, Adbeel e Mibsão, Misma, Dumá, Massá, Hadade, Tema, Jetur, Nafis e Quedemá.”  (Gn 25.13-15)

 Os Filhos de Ismael – É bem interessante o fato de que a Palavra de Deus é muito preciosa, importante e reveladora. Com tudo o que ela tem para mostrar a nós, e o potencial dos seus conteúdos, é de admirar como foi reservado espaços preciosos para descrever assuntos e fatos, que a maioria de nós, julgamos de pouca relevância e até desnecessário. Temos também críticas mais ácidas, até sobre determinados livros que para alguns, não deveriam fazer parte do cânon sagrado. Como sei que Deus é infinitamente mais sábio do que eu e que sabe administrar perfeitamente bem sua obra, já abri mão desse direito de criticar a sua Palavra. Sempre que me deparo com um texto, uma narrativa ou registro, que não me faz muito sentido, agora me ponho a admirar e revisar aquilo em leituras mais cuidadosas e prestar atenção para encontrar uma conexão com outras verdades e ensinos, Deus não desperdiçaria espaço precioso no registro de sua Palavra, com algo que não tem utilidade. Hoje, estou observando a lista de nomes dos filhos de Ismael e embora não me faça muito sentido, mas por trás de cada nome daqueles ali, tem uma pessoa e uma história. Eles fazem parte de um conjunto de verdades que incluem as promessas de Deus a seu pai Ismael. Se essa história não me é conhecida ou familiar, isso não significa que ela não o seja para outras pessoas. Mas ver que Ismael sobreviveu, como Deus lhe prometera; se casou e constituiu família e veio a ser pai de doze filhos, nomeados nominalmente. Eles não são números, são pessoas. Escreveram suas histórias, foram líderes entre suas tribos e governaram e construíram. Posso ser um ilustre desconhecido para muitas pessoas, e sou; mas isso não torna a minha vida e a minha história menos importante e menos relevante. Nem todos são famosos e nem por ser famosa uma pessoa de fato realiza grandes coisas. Com toda certeza, a maioria dos grandes feitos e do que realmente importa em todo lugar é feito diariamente por anônimos e desconhecidos da maioria de todos nós. Cada um daqueles filhos de Ismael teve seu nome registrado no livro de Deus. Sempre que Deus chama ou vocaciona alguém, ele o faz chamando-o por nome. Ele até trocou nomes de pessoas para que melhor se encaixasse nos seus planos. Nosso nome nos diferencia, não apenas para efeito de chamada e reconhecimento entre nossos pares. Nosso nome nos representa, afirma nossa identidade e nosso valor dentro de um projeto maior de Deus. Dentre as grandes promessas de Deus para seus filhos, tem algumas muito importantes, e estão ligadas ao nosso nome: Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: Ao que vencer darei eu a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe (Ap 2.17). também: O vencedor será igualmente vestido de branco. Jamais apagarei o seu nome do livro da vida, mas o reconhecerei diante do meu Pai e dos seus anjos” (Ap 3.5). Para ter o nome escrito em algum memorial desses, o primeiro requisito é ter um nome, eu tenho, você tem e isso é muito importante.

Senhor, obrigado, por ter me dado a oportunidade de existir e ser importante nos teus planos e assim, poderei ser chamado pelo nome diante do Senhor. Obrigado por dar a cada um de seus filhos um novo nome que reflete a tua imagem e o caráter da obra de Jesus em cada um de todos nós. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason