Master Chef

Meditação do dia 22/03/2019 

 Agora, pois, filho meu, ouve a minha voz naquilo que eu te mando:”  (Gn 27.8)

 Master Chef – Para os meus três leitores mais assíduos destas meditações do dia, eu gostaria de dizer que como muitos outros leitores da Bíblia e especialmente os amantes da boa mesa, como um amigo nosso de Cuiabá, todos os textos que falam de comida são de fato fascinantes. Todos os cristãos possuem um apelo muito especial pela comida, pois ela se tornou mais que alimento nos ensinos e convivência de Jesus Cristo nos seus dias aqui na terra. Frequentemente o vemos nos textos sagrados com seus discípulos comendo alguma coisa e outras tantas, ele ensinou e ilustrou ensinos com banquetes reais e até prometeu preparar um para nós ao chegarmos lá nas mansões celestiais. Nossas reuniões e confraternizações de aniversário, células e até mesmo reunião de líderes, sempre termina em comes e bebes, mas comes é claro! Nosso texto de hoje, se trata de uma experiência interessante, pois o contexto dessa família mostra Jacó mais caseiro do que Esaú e muito próximo de sua mãe e Esaú ao contrário era homem do campo, caçador e parça do pai. Mas o que não sabíamos era que Esaú era bom em fazer pratos de carne de caça, tanto é que ele e o pai tinham um gosto em comum sobre isso e foi isso que Isaque pediu para ele fazer e depois receber a bênção. Rebeca ouviu a conversa e chamou Jacó de lado e contudo tudo e disse que tinha uma carta na manga (figura de linguagem), que se a concorrência era para forno e fogão, então ela era uma boa candidata e e não iria fazer feio, porque além de saber cozinhar, também ela conhecia o prato preferido do marido e conseguiria substituir caça por cabrito e ele comeria tudinho e não perceberia a diferença! Vamos tirar o chapéu para Rebeca, pois foi “dito e feito!” ela garantira para Jacó, se para ele conseguir a bênção dependesse só do prato especial, então “você já está abençoado.” Estamos meditando aqui no uso dos dotes especiais ou talentos que as pessoas tem, que lhes foram dados por Deus para cumprirem um papel relevantes aqui nas suas vidas e Rebeca, lançou mão de uma de suas especialidades, mesmo a meio contragosto de Jacó, para legitimar o que para ela seria um direito natural de Jacó e não de Esaú. Do outro lado da ponta está Isaque, traído pelo apetite e bom gosto de comer, e ao fazer a escolha do prato principal do banquete de cerimonia da bênção paternal ao filho, permitiu que Rebeca replicasse o prato, ainda que por um genérico, mas muito parecido com o original e assim que Esaú chegou com o menu pedido pelo pai, este já se encontrava satisfeito por antecipação e só então percebeu que caíra em dois golpes ou dois contos de uma só vez. Fica o meu estímulo aos amados, que continuem a boa obra de utilização de seus dotes e talentos naturais e incluindo os culinários, mas façam um uso mais construtivo de relacionamentos e que as bênçãos venham pela amizade e comunhão produzida, nunca pelo engano e ou omissão da verdade sobre o que de fato comeram ou provaram. Como irmãos, não vale passar gato por lebre, essa já é velha!

 

Pai, obrigado por nos presentear com dons e talentos, que expressam a tua graciosidade e permite que irmãos expressem coisas boas e gerem amizade e comunhão à roda da mesa. Que valorizemos o bem e o correto, como fontes exprimir o caráter do Pai que está em nós, em Cristo Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s