Segura Insegurança

Meditação do dia: 04/12/2019

 “Ele porém disse: Não descerá meu filho convosco; porquanto o seu irmão é morto, e só ele ficou. Se lhe suceder algum desastre no caminho por onde fordes, fareis descer minhas cãs com tristeza à sepultura.” (Gn 42.38)

Segura Insegurança – O pregadores evangelistas, costumam desafiar os seus ouvintes sobre o risco que correm quando se estribam em sua sinceridade religiosa e ou de autoconfiança. Ser sincero, mas estar errado, não ajuda em nada. Nesse caso, estar sinceramente errado é tão perigoso quanto estar errado por ignorância ou rebeldia mesmo. Jacó vinha trabalhando a muitos anos em seus processos mentais e emocionais sobre uma base totalmente falsa sobre seu filho José. Os demais filhos o convenceram pro A + B que José “certamente” fora despedaçado por alguma fera, dando-lhe a capa suja de sangue como prova. Então para qualquer efeito, José estava morto. O luto fora cumprido e o pesar nunca saiu do seu coração. Mas nós sabemos que não era verdade e os filhos de Jacó também sabiam que não era. Provavelmente, devido aos maus tratos para com os escravos, a possibilidade de um deles morrer com pouco tempo de serviço, era muito grande; assim é possível que eles contassem com essa situação, que passaria a ser revertida e para eles impossível de saber do paradeiro do irmão, com isso se confirmaria a farsa. Imaginando as reações emocionais de pessoas quanto confrontadas com a verdade contra uma mentira bem arquitetada, não deve ter sido nada fácil para os dez filhos de Jacó terem viajado para o Egito para comprar comida. É muito possível que nas conversas pelo caminho, José deve ter sido lembrado e alguém até perguntado sobre o que fariam se o encontrassem. Se José não morrera e viesse a alcançar meios de se libertar e voltar para casa? Como eles tinham culpa no cartório, andavam com um fantasma os perseguindo e o temor de que em algum momento a verdade aparecesse e eles teriam que se explicarem. Pensando especificamente em Jacó, ele volta a se assegurar de que não deveria permitir a ida de Benjamim ao Egito, ainda que isso poderia ser a libertação de Simeão que lá ficara detido. A lógica dele era de que perder dois filhos era preferível a perder três. Uma pergunta que me assolou por muitos anos ao ler essa história, e com o passar dos tempos, e as meditações foram me ajudando a ligar os pontos, pois o caráter de Deus fica exposto o tempo todo, já que há uma aliança entre ele e Abraão, confirmada com Isaque e ratificada com Jacó, abrangendo todos os seus filhos. A pergunta é: porque o silencio de Deus para com Jacó, não lhe revelando a verdade sobre José? Jacó era uma pessoa de oração, de comunhão verdadeira com Deus e havia intimidade no relacionamento entre Deus e ele. Por que? Sei que não sou o único e nem o primeiro a pensar sobre isso. Para meu aprendizado, nunca fui perguntar a nenhum pastor ou obreiro e nem fazer pesquisas sobre algum escrito sobre isso; porque gostaria de encontrar alguma resposta na própria palavra de Deus e no conhecimento experimental da comunhão. Hoje, já me sinto mais à vontade e vou até falar sobre o que me satisfaz sobre minhas inquietações. Primeiro tem o aspecto do projeto eterno de Deus ser maior e mais importante do que a dor e a perda de Jacó, que também seria revertida mais tarde, de uma forma tão compensadora que Jacó teria mais alegria com o desfecho do que se tudo tivesse corrido normal, do jeito dele. Segundo, um pai cuidadoso e amoroso como Jacó, em relação a José e com vastos recursos financeiros e até capital político e de influencia, se ele viesse a saber que José nunca morrera, mas fora traído e vendido como escravo para o Egito, certamente ele empreenderia uma expedição em busca do filho e o resgataria, trazendo de volta para casa. Então, ele atrapalharia o treinamento que Deus estava dando a José para chegar a ser o Primeiro Ministro do Egito e ser o salvador deles próprios na grande crise que viria. Estão vendo? Nem toda desgraça é de fato uma desgraça e destrutivo como estamos vendo só do nosso lado e com nossas limitações. Podendo ver o todo, como vemos, damos razão a Deus em ter feito como fez, por foi o melhor para todos. Será diferente hoje em dia, quando acontece alguma coisa fora dos planos ou desproporcional em relação ao que consideramos ideal? Não! Deus ainda está no controlo e por mais difícil que seja, haverá proveito, se pudermos crer e cooperar. Tem certas coisas e situações que se Deus nos revelar e antecipar, a gente estraga tudo, de fato e de direito. Para evitar sofrimento e prejuízo emocional, fazemos qualquer coisa; salvo, se houver uma maturidade espiritual profunda, senão a acusação do Diabo como no caso de Jó, se tornará verdadeira. E disse o Senhor a Satanás: Observaste o meu servo Jó? Porque ninguém há na terra semelhante a ele, homem íntegro e reto, temente a Deus e que se desvia do mal, e que ainda retém a sua sinceridade, havendo-me tu incitado contra ele, para o consumir sem causa. Então Satanás respondeu ao Senhor, e disse: Pele por pele, e tudo quanto o homem tem dará pela sua vida. Porém estende a tua mão, e toca-lhe nos ossos, e na carne, e verás se não blasfema contra ti na tua face! (Jó 2.3-5). O inimigo aposta que todo homem tem um preço! Qualquer um trairá a Deus e o negará, se houver a pressão no lugar certo e no momento certo. Ele trabalha com o conceito de que as pessoas só servem a Deus por interesses, principalmente materiais, toma lá, dá cá! Deus acredita no homem e deposita sua esperança na conversão e no poder da comunhão e do conhecimento de quem Ele é, para que o homem o ame e o sirva por escolha própria em resposta ao seu amor. Porque o amor de Cristo nos constrange, julgando nós assim: que, se um morreu por todos, logo todos morreram. E ele morreu por todos, para que os que vivem não vivam mais para si, mas para aquele que por eles morreu e ressuscitou (2 Co 5.14,15)

Senhor, graças te damos por nos amor verdadeiramente e acreditar no teu projeto, que alcança e redime os mais vis pecadores, transformando em homens de fé e poderosos em Deus para testemunhar a tua graça e bondade. Reconhecemos as nossas falhas e fraquezas, mas também reconhecemos a tua força e grandeza, que tens um plano perfeito e completo. Assim, podemos confiar em ti e descansar sobre as tuas intenções sobre nós. aprendemos que não podes ser tentado pelo mal e a ninguém tentas, antes provê livramento e vitórias nas lutas e tribulações. Obrigado pelo seu amor, na pessoa de Jesus, o nosso Senhor; em nome de quem oramos, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s