Jumento de Fortes Ossos

Meditação do dia: 30/01/2020

 “Issacar é jumento de fortes ossos, deitado entre dois fardos. E viu ele que o descanso era bom, e que a terra era deliciosa e abaixou seu ombro para acarretar, e serviu debaixo de tributo.” (Gn 49.14,15)

Jumento de Fortes Ossos – Valendo-se do linguajar oriental, há certos elogios que em nossa cultura mais parece um xingamento disfarçado. Mas a nossa cultura também lança mão de figuras do mundo zoo e pet para ilustrar qualidades de pessoas ou situações nas quais elas se expressam. Há uma musica sertaneja antiga, que canta um drama romântico e no final a pessoa declara que ela é como “um puro sangue, que não deita com arreio, prefiro morrer de pé do que viver de joelho!” Certamente quando Israel proferiu essas palavras, elas foram acolhidas como elogiosas e também preventivas, para que seu filho pudesse reagir. Particularmente, eu costumo instruir as pessoas que me procuram diante de um prenuncio que obtiveram, seja em sonho, seja em outro modo de percepção espiritual, ou mesmo profecias e palavras de conhecimento, digo-lhes que devem orar por sabedoria e discernimento para compreensão e ação, pois se nos foram revelados antecipadamente, aquilo está por acontecer; sendo assim podemos cooperar para que de fato aconteça, ou sendo algo negativo, para que não aconteça ou que tenha o menor impacto possível. É assim também que meu coração se apropria das lições daquilo que Israel disse para Issacar. Vamos por partes: Inicialmente é uma palavra positiva e elogiosa sobre a condição e capacidade de trabalho e suportar cargas e pesos da vida. Alguém de fato resistente, de boa saúde e capacidade de serviço. Mas logo em seguida, a citação induz ao pensamento de uma submissão forçada por fragilidade de caráter ou indolência. Um jumento de ossos fortes não deveria ficar deitado entre dois fardos. Quais são esses dois fardos? Jesus falou um dia sobre fardos que os humanos precisam carregar e parece que pode até ser trocado, o nosso pelo dele: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve (Mt 11.28-30). Um fardo já é cansativo e desgastante, imagina dois, que te faz arriar?! Estou pensando aqui em nossas responsabilidades e acrescentado a isso, se envolver com questões que não precisamos carregar, porque não são nossas, ou estamos atraindo, permitindo que nos sobrecarreguem com cuidados alheios. Numa terceira citação ele fala de coisas boas que se tornam perniciosas pela conduta; descanso é bom, mas descanso existe para nos preparar para mais e novas atividades; quando o descanso se torna o objetivo e a finalidade, se torna ruim. O mesmo é perceber que a terra era deliciosa e não se cuidou, e se tornou uma espécie de escravo voluntário. São as situações que aparecem na vida e são até boas demais para serem verdades e no começo tudo são flores, mas toda aquela bondade pode se tornar um fardo que consome. Oportunidades que Deus abre portas e a pessoa entra com alegria e gratidão e depois se envolve tanto e passa a negligenciar a fé, o amor a Deus, sua devoção, a família e quanto mais consegue, mais quer e quanto mais tem, mais precisa se esforçar para manter o que conseguiu e o vira um ciclo vicioso e pernicioso. Pessoas que se convertem a Cristo e não tem nada, estão no fundo do poço e Deus os restaura e abençoa de forma extraordinária à medida que vão se comprometendo com a fé e serviço fiel; mas aos poucos não tem mais tempo para Deus ou para a igreja e comunhão e começam a idolatrar coisas adquiridas. Issacar abaixou o ombro para carregar coisas e acabou chantageado e escravizado e obrigado a pagar tributos. Ser escravo no seu próprio trabalho, viver para pagar tributos a quem quer explora a negligencia alheia! Aqui até daria para ajudar pessoas que tem uma péssima mordomia cristã por administrar mal suas finanças e recursos e não faz nem o suficiente para pagar juros e dar lucros aos bancos e financeiras, quando Deus lhe deu condições de serem livres e abençoadores. Fecho cm a citação de Salomão: O que é negligente na sua obra é também irmão do desperdiçador (Pv 18.9).

Deus de amor e bondade, graças te rendemos por seus grandes feitos e tuas obras poderosas. O teu olhar sobre nossa maneira de dirigir nossas vidas e responsabilidades, nos quer ajudar a sermos mais produtivos, construtivos e utilizar bem os recursos disponíveis, que são abundantes e suficientes. Permita que reflitamos sobre a importância de nos mantermos longe da escravidão e servidão aos exploradores que se valem da negligencia e indolência das pessoas para tirarem vantagens e empobrecerem o teu povo. Foi para a liberdade que Cristo que nos libertou e não devemos nos meter em jugos de escravidão novamente. O Senhor é o nosso provedor e o faz com generosidade, assim podemos ser mais cautelosos e previdentes cuidando daquilo que é nosso, do reino, como bons mordomos. Em nome de Jesus, oramos, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s