Uma Serpente Traiçoeira

Meditação do dia: 31/01/2020

 “Dã julgará o seu povo, como uma das tribos de Israel. Dã será serpente junto ao caminho, uma víbora junto à vereda, que morde os calcanhares do cavalo, e faz cair o seu cavaleiro por detrás.” (Gn 49.16,17)

Uma Serpente Traiçoeira – Quando escrevemos as meditações sobre o nascimento dos filhos de Jacó, destacamos a intensa competição das esposas Lia e Raquel pela afeição e atenção do marido; a cada nascimento era celebrado como se um round de uma luta fosse vencido. As crianças ia recebendo nomes seguindo as demandas das lutas emocionais das mães e assim parece que um quadro está se formando e não irá se conectar a outros acontecimentos importantes; mas não é isso que acontece. Embora as esposas tivessem suas lutas particulares, e tentam escrever suas histórias, mas as coisas ainda estavam nas mãos de Deus e as peças se conformavam a propósitos maiores que o futuro revelaria. Olhando os versículos que nos servem de base hoje, vemos o pai falando ao seu filho Dã, sobre algumas de suas características, e voltando nossos olhares para quando a história desse filho começou, encontramos um paralelo muito forte: E concebeu Bila, e deu a Jacó um filho. Então disse Raquel: Julgou-me Deus, e também ouviu a minha voz, e me deu um filho; por isso chamou-lhe Dã (Gn 30.5,6). Dã significa “Juiz” ou “Ele julgou.” Na hora da bênção profética, o pai ressalta a tarefa daquela tribo, como responsável por promover a justiça na nação e fazer os julgamentos. Se Judá teria o governo, Levi o sacerdócio, para Dã  seria a justiça. Deveria servir de mediador entre os irmãos, em questões de conflitos de interesses, o que fatalmente aconteceria. Um pai sempre observa e vê as características e qualidades entre os filhos e tem capacidade de afirmar quem deve exercer certas prerrogativas na família. Se isso é altamente positivo, Israel faz em seguida algumas afirmações que nos leva a pensar em prevenções a serem tomadas quanto ao ministério dessa tribo. A serpente recebe em muitas culturas o símbolo de sabedoria e prudência, sendo até mesmo citada por Jesus como tal. Sede, pois, prudentes como as serpentes, mas simples como as pombas (Mt 10.16). Não vou vaticinar que Israel estava sendo irônico, mas certamente ele frisava detalhes da convivência entre família e atitudes desse rapaz que levava os demais a ficarem espertos com ele. A postura de ficar postado junto ao caminho e veredas, pronto para dar botes e surpreender transeuntes desavisados, mostra que era alguém oportunista, que se valia da fragilidade ou desatenção dos outros para tirar vantagens. Alguém ligado à justiça, ao direito, com capacidade de oportunidade de julgar e lidar com tais atividades, conhece “o caminho” que as vítimas terão que passar e ali estará esperando tranquilamente para atacar. Se valer da fragilidades e ignorancia alheia em momentos críticos quando estão indefesos e vulneráveis, é ruim e pecaminoso. Fazer justiça e ajudar os necessitados é dom de Deus, e precisam ser exercitados com piedade, clemencia, justiça e retidão. O cristão não pode agir com a atitude de que não importa quem esteja por baixo, desde que seja ele quem esteja por cima. Privilégios vem acompanhados por responsabilidades! Trabalhemos para evitar um dia ouvir um certo tipo de juízo: E, vendo ele muitos dos fariseus e dos saduceus, que vinham ao seu batismo, dizia-lhes: Raça de víboras, quem vos ensinou a fugir da ira futura? Produzi, pois, frutos dignos de arrependimento; e não presumais, de vós mesmos, dizendo: Temos por pai a Abraão; porque eu vos digo que, mesmo destas pedras, Deus pode suscitar filhos a Abraão (Mt 3.7-9).

Pai amado, celebramos a tua grandeza e a tua capacidade de fazer juízo e justiça. Todas as tuas ações são verdadeiras e legítimas, dando a cada um aquilo que de fato precisa e serve de ações educativas para formação do caráter de Cristo em cada um dos teus filhos. Precisamos de discernimento e sabedoria para fazermos bom uso dos nossos dons e talentos para abençoar e enriquecer o Reino e não para sobrecarregar os já cansados e oprimidos. Te peço, que nesse dia, nossos sentidos de justiça e equilíbrio sejam aguçados para que a verdade prevaleça e assim nosso papel seja relevante. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s