Hebrom & Siquém

Meditação do dia: 26/06/2020

 “E ele lhe disse: Ora vai, vê como estão teus irmãos, e como está o rebanho, e traze-me resposta. Assim o enviou do vale de Hebrom, e foi a Siquém.” (Gn 37.14)

Hebrom & Siquém – Qual a sua primeira grande viagem sozinho? Me lembro muito bem da minha primeira experiencia solo. O nervosismo da viagem, a responsabilidade do que ia fazer e a expectativa se apresentar sozinho, embora eu deveria ter treze anos. Agora dando uma olhadas nos modernos recursos, a minha jornada era de aproximadamente cem quilômetros e a de José era de aproximadamente oitenta quilômetros e ele com quatro anos à mais que eu. Separando-nos ainda uns quatro mil anos e nem levando em conta que iria eu ônibus e ele à pé. Os riscos dos dois eram imensamente diferentes, sendo que ele teria que enfrentar paradas para se alimentar, descansar e dormir pelo menos duas noites até chegar. Não estou falando dos perigos de feras selvagens, como leões, raposas, logos e até ursos; se Davi anos mais tarde matou um urso que atacou seu rebanho, significa que eles existiam naquele território. Comparações inúteis à parte, vamos observar que para cumprir uma ordem de seu pai e trazer notícias dos irmãos e dos rebanhos, José teria que literalmente empreender uma jornada, com todos os ingredientes que ela oferece. Como a vida de José pode ser observada por nós, como um modelo de aprendizado, obediência e vocação, seguir os seus passos também vai nos levar a ponderar as decisões que temos que tomar e que todas elas trazem consequências e ou resultados. Quero focar minha atenção nos valores da obediência solícita desse jovem, que desejava agradar ao pai e a obediência ainda que lhe viesse a custar alguma coisa, era a melhor decisão e ele nem mesmo cogitou questionar. Israel confiou uma tarefa grande ao filho; José acolheu aquela oportunidade como sua vez de ser realmente útil e comprovar que estava amadurecendo e seria confiável para missões maiores após cumprir aquela. Não sou engenheiro de obra pronta, para dizer que Israel estava expondo o filho a um perigo desnecessário e no mínimo deveria ter providenciado uma companhia de viagem, um servo ou adulto de confiança; sabemos que todos os pais já vestiram a pele de Israel, depois do resultado quando os outros filhos voltaram para casa e não José e sobrara apenas uns trapos da túnica colorida do filho. Ele deve ter pensado e repensado centenas de vezes e se culpado ou orado pedindo orientação e confirmação divina no seu coração sobre o que de fato acontecera. O que pode acontecer entre dois vales e setenta e sete quilômetros de distancia? José morava no vale de Hebrom e os irmãos estavam trabalhando com o gado no vale de Siquém. Figuradamente na jornada de fé, vales são lugares de aprendizado, humilhação e recomeços. Quem está no vale, para duas direções terá que subir até alcançar uma nova vista e se orientar. Em outras duas, provavelmente continuará no vale, subindo ou descendo, mas ainda no vale. Também se entende que vale é um lugar de serviço. É o correspondente ao avental; entre os montes das visões, sempre há o vale do serviço. Existe o banquete dominical, mas também o avental do serviço semanal. Fazem parte da vida do peregrino e do discípulo. Para José o roteiro original era de vale a vale, ida e volta. O intinerário foi alterado para cumprir propósitos maiores, que só a sabedoria e a providencia divina sabiam. Sabemos quando partimos e para onde, mas será uma jornada onde a fé será o elemento predominante e sem ela, não podemos agradar a Deus. “Ora, sem fé é impossível agradar-lhe; porque é necessário que aquele que se aproxima de Deus creia que ele existe, e que é galardoador dos que o buscam” (Hb 11.6).

Obrigado Senhor, Deus e Pai; graças te damos e reconhecemos que a nossa jornada precisa ter início, meio e fim, sendo que tens autoridade e direito de interferir no trajeto e nos fatos da caminhada. Nossa experiencia indica que és fiel em todo tempo e nada irá interferir nos propósitos santos e eternos que tens para com as nossas vidas. Como pais ou filhos, enviamos e somos enviados; delegamos tarefas e somos agraciados com oportunidades de servir e em todas elas, precisamos sermos fiéis e estarmos prontos para os desafios. Nosso coração confiará na tua capacidade de cuidar e proteger os que foram enviados e estão em jornadas que oferecem riscos e perigos; mas as vidas que serão ajudadas e abençoadas precisam desse cuidado e serviço. Envia, Senhor, mais servidores e caminhantes para essa jornada. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s