Uma Nova Oportunidade

Meditação do dia 21/07/2017

Jn 3.3 – E levantou-se Jonas, e foi a Nínive, segundo a palavra do Senhor. Ora, Nínive era uma cidade muito grande, de três dias de caminho.

 Uma Nova Oportunidade – “Porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal” (Pv 24:16). “Levantou-se Jonas” se torna uma palavra muito bonita para se iniciar uma meditação. Quem nunca precisou de mais uma oportunidade? Quem nunca pisou na bola e estragou uma chance de realizar algo bom e proveitoso? Quem nunca passou os pós pelas mãos? Cair é ruim! Muito ruim, mas é humano, e reconhece a queda e estudar suas causas e tirar lições dela é sábio e prudente. Mesmo grandes homens, com vasta experiência e munidos de boas informações, tomam decisões equivocadas e cometem erros. Isso não é desconhecido e nem desqualifica alguém para continuar servindo. As únicas pessoas que nunca erraram são aquelas que nunca fizeram nada. Só um jogador que cobra um Pênalti, pode errar! Só um goleiro jogando pode tomar “um frango.” Êxito e risco são coexistem proporcionalmente. Por mais que minhas analogias sejam desportivas demais, mas na verdade, na vida e no ministério, as coisas acontecem igualmente. Se formos procurar alguém na bíblia ou na história, absolutamente perfeito, só iremos encontrar Jesus; mesmo assim, para os cristãos devotos e piedosos que põem nele a sua fé. Pois existem “cristãos” mequetrefes, até pregadores e mestres que contradizem-nos, mostrando falhas na vida e no ministério de Jesus. Jonas, depois da experiência submarina e até se tornar um tipo de alguém que ficou sepultado por tres dias e ressurgiu… “Pois, como Jonas esteve três dias e três noites no ventre da baleia, assim estará o Filho do homem três dias e três noites no seio da terra. Os ninivitas ressurgirão no juízo com esta geração, e a condenarão, porque se arrependeram com a pregação de Jonas. E eis que está aqui quem é maior do que Jonas” (Mt 12.40,41). Jonas se levantou, se pôs de pé, saiu do estado de prostração, saiu da inércia, se pôs em movimento, Jonas agiu! Ele foi à Nínive, ao lugar onde Deus o havia mandado originalmente, agora ele tomou o caminho certo, assumiu encarar o seu desafio e cumprir o ministério para o qual fora chamado diretamente por Deus. Uma coisa é estar em um lugar ou condição e se propor fazer algo em termos de ministério, como evangelizar, plantar uma igreja, começar uma projeto humanitário ou social e não obter sucesso. Outra bem diferente é ouvir clara e distintamente uma ordem de Deus para ir a tal lugar e fazer tal coisa em tanto tempo; tudo muito específico e não se dispor aí, pois existe risco de não dar certo, não ser aceito, não ser bem interpretado ou não é “meu estilo.” É absolutamente “normal” que as missões e tarefas que o Senhor Deus nos propõe sejam absurdamente maiores que nossas capacidades e limitações. Afinal, é obra de Deus, não nossa. Será que Noé, era carpinteiro profissional, especializado em construção naval? E Abraão? Com uma esposa estéril, ser progenitor de multidões de nações como as estrelas do céu? Moisés com dificuldades de dicção; Josué nunca havia comandado nada; Davi, de pastor de ovelhas à rei segundo o coração de Deus; Jeremias sem querer profetizar. De Pedro, passando por Paulo, os pais da igreja, podemos apontar defeitos fraquezas e falhas e todos eles foram chamados por Deus, capacitados por Deus e cumpriram suas tarefas e estão lá torcendo por mim e por nós, segundo a carta aos Hebreus. “E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados. Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus” (Hb 11.39,40; 12.1,2). Jonas pregou em Nínive, justamente o que o Senhor lhe falara e o resultado foi conversão em massa; do rei ao plebeu, e o rei nem deu chance para democracia e fazer uma assembleia e decidir se acatariam a mensagem ou se ela era autentica ou não. Ninguém discutiu, só acataram e se submeteram e foram salvos. Mensagem autentica, pregação genuína e desafio para que os pecadores se convertam; Deus mandou, o pregador prega. Embaixador não tem mensagem própria, ele representa os interesses do seu governo. Irmãos, temos que encarar nossos desafios dados legitimamente por Deus. Se não foi chamado, não foi enviado, não se meta! Deus tem compromisso com a sua Palavra, só com a sua Palavra.

Senhor, que chama, prepara, capacita e envia, tu és o Senhor da seara e os ceifeiros são enviados por ti em resposta às nossas orações. Permita que ouçamos o teu chamado e nos coloquemos a disposição para sermos capacitados e enviados no tempo certo. Oramos por motivação verdadeira e compromisso com a excelência do ministério que nos foi confiado. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

Importante é Orar

Meditação do dia 20/07/2017

Jn 2.1 – E orou Jonas ao SENHOR, seu Deus, das entranhas do peixe.

 Importante é orar – Quem gosta de se divertir às custas dos apertos dos outros, dizem que sufoco faz milagres; na hora do aperto, até mesmo ateus clamam por ajuda divina. Talvez até seja por isso que existem tantas crises e dificuldades na vida, pois elas funcionam como combustível para impulsionar muitas pessoas. Mergulhando na história bíblica e também secular, fica muito fácil constatar que dificuldades catalisam desenvolvimentos, progressos, invenções, criatividade e muito mais. O dilúvio apressou a indústria naval e a primeira ação de preservação animal no planeta. Nos dias dos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, as constantes secas e crises climáticas obrigaram-nos a peregrinar e testemunhar a outros povos sobre a fé monoteísta deles e permitiu que reis e povos provasse do poder de Deus. Lá no Egito, o alto índice de crescimento populacional hebreu intimidou faraó e estimulou a criatividade de pais e mães para preservarem seus recém-nascidos, o que salvou a vida de Moisés. Podemos sair das paginas bíblicas e adentrar para a história da humanidade e mostrar como as guerras, conquistas e calamidades geraram iniciativas com benefícios em curto espaço de tempo. Na igreja, sempre que uma acomodação perigosa atentava contra os projetos do reino de Deus, vindo uma crise aqui, uma perseguição ali, uma pressão de outro lado, já se mostrava suficiente. A Igreja Meserete Kristos (Cristo é o Fundamento), na Etiópia, sofreu com a ascenção do governo comunista ao poder, com a prisão de todos os pastores e líderes de suas igrejas no pais, tendo na época, cerca de cinco mil membros no país; isso durou dez anos, sem, templos, pastores, líderes ou reuniões públicas; quando o governo caiu, no primeiro nas primeiras reuniões livres, ela contava com cinquenta mil membros. Voce pode ver isso no documentário “Contra todas as Adversidades.” Então, ventos contrários também levam o barco para frente, é só saber manejar as velas. Quando a igreja se mostra indolente, impura e muito misturada, para Deus dar uma balançada na figueira, não é nada difícil. Uma pressão forte é suficiente para depurar dos “crentes agentes secretos” e mercadores da fé. Jonas tentou fugir dos propósitos divinos, tomando decisões por conta própria e tentando decidir o destino eterno de vidas que não lhe pertenciam, agindo como se fosse senhor da situação. Em pouco tempo Deus colocou tudo no devido lugar, apenas com ventos e marés, nada que uma pequena tempestade não possa produzir. A oração é a coisa mais universal que existe e pode ser feita por qualquer um, de qualquer lugar, sem regras e sem rituais formais. Jonas foi o pioneiro em oração subaquática! Ninguém nunca tinha ido tão fundo (literal e figuradamente) em quebrantamento, arrependimento, conversão e consagração. Também não se tem registros de lugar mais exótico para um retiro de oração, mas o importante, é que funcionou! Isso mesmo, os dois lados foram bem sucedidos: Deus teve a obediência e mudança de atitude de Jonas e ele teve o livramento e a oportunidade de fazer o que fora chamado a fazer e tentou escapar. Nem todos que desobedecem e tomam atitudes rebeldes conseguem voltar e recomeçar. Então, se você esteve, está ou planeja ficar fora dos planos de Deus por pura rebeldia, omissão ou falta de fé, e ainda está vivo para ler essa meditação, então talvez ainda haja tempo de mudança de atitude. Um peixe grande foi a solução para Jonas; O que te está engolindo vivo? Os negócios? A depressão? A culpa? A medo? A insegurança? A ambição de lucros? Cuidado, uma tempestade pode se formar rapidamente!

 

Senhor, que bom que para aprendermos contigo não é preciso apanhar, perder ou ser pressionado; a obediência é sempre o melhor caminho. Oramos pelos teus filhos que tem uma tarefa a realizar, mas estão na dúvida ou divididos com ofertas tentadoras; rogamos a graça do Senhor sobre eles e sobre nós, para não nos afastarmos da margem de segurança que há na proteção do centro da tua vontade. Guia-nos pelos caminhos eternos, com ações e atitudes legítimas de fé e consagração. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

“Descendo” Para Baixo

Meditação do dia 19/07/2017

Jn 1.3 – Porém, Jonas se levantou para fugir da presença do Senhor para Társis. E descendo a Jope, achou um navio que ia para Társis; pagou, pois, a sua passagem, e desceu para dentro dele, para ir com eles para Társis, para longe da presença do Senhor.

 “Descendo” para Baixo – Há muita coisa boa para se aprender com Jonas e sua experiência de vida. No seu tempo Nínive era uma grande cidade-estado, com um povo belicoso e um exército conquistador e extremamente perverso no trato com cativos e conquistados. Por várias vezes, Israel sofreu investidas deles ou de outros povos vizinhos, aliados com assírios ou com soldados alugados, tipo mercenários. Devido a sus crueldades não certamente bem vistos ou queridos por muita gente, incluindo Jonas. Ao receber a ordem divina para entregar uma mensagem urgente, e notifica-los que teriam não muito mais que quarenta dias até serem exterminados; Jonas leu mais as entrelinhas da mensagem do que a mensagem em si, pois ele se deu o direito de interpretar a seu bel-prazer e baseado nisso decidiu o que iria fazer com sua vida, com seu ministério e com a vida de milhares de pessoas que agora Deus havia colocado o destino delas nas suas mãos. Gente, quanto maior o privilégio, maior também a responsabilidade! Nas palavras de Jesus, “a quem muito é dado, muito lhe é requerido” (lc 12.48). Ao escolher o seu próprio caminho, escolheu descer da posição de honra e confiança que lhe fora dado e quando no coração uma decisão errada é assumida, os resultados subsequentes vão revelando a verdade interior. A tragédia de Jonas não começou na tempestade ou no ventre do peixe, mas no seu próprio interior, quando decidiu fazer a vontade de Deus do seu próprio jeito. Dos altos de Zebulom, na sua cidade natal de Gate-hefer, o profeta Jonas, tomou a direção oposta a indicada por Deus, DESCENDO para o nível do mar, na cidade Jope (hoje Tel Aviv); foi ao porto e encontrou um navio partindo para Társis (provável Espanha); pagou uma passagem e DESCEU mais um pouco para o navio e lá, não satisfeito, DESCEU mais ainda até o porão, onde foi dormir o sono da desobediência e da negligencia. Dali, ele só saiu à contragosto, para confessar sua rebeldia e fuga. Tem horas que só falar a verdade não basta! Jonas falou aos marinheiros desesperados, que mesmo em suas ignorâncias e paganismos, já haviam discernido que aquela tempestade não tinha nada de efeitos climáticos, correntes de vento e ou fenômenos atmosféricos; era coisa espiritual e alguém ali era o responsável. Jonas conta a eles quem ele era, a quem ele servia e que tipo de Deus era o seu e eles ficaram ainda mais apavorados; Como é que alguém que tem estreita relação e comunhão com O DEUS Todo-Poderoso, que sabe tudo, pode tudo, vê tudo e tem tudo sob seu poder, recebe uma ordem clara e simples, e escolher não fazer e ainda fugir da presença desse Deus? E ainda consegue dormir pesadamente em meio ao caos que provocou na vida dos outros? Todas as vezes que alguém toma decisões de desobediência a Deus em coloca outras pessoas inocentes em perigo sem necessidade. Foi então, que Jonas DESCEU mais ainda ao ser jogado ao mar pelos marinheiros, para ser engolido pelo grande peixe e DESCER mais ainda até as profundezas dos mares por três dias. Parece-me que não é bem verdade, que “para baixo, todo santo ajuda!” Jonas egoisticamente via a possibilidade de se esconder por uns quarenta dias e depois era só ler nos jornais sobre a tragédia acontecida em Nínive. Na cabeça dele, a justiça divina se cumpriria, porque Deus mesmo dissera que só teriam esse prazo para se arrependerem e caso eles não fossem alertados, pereceriam sem misericórdia e Jonas teria sua vingança contra aqueles invasores cruéis. Tiago nos aconselha a deixar a vingança para Deus, que sabe executar juízo e justiça sem deixar a retidão e sem faltar com a misericórdia; somos imperfeitos e nossa capacidade de avaliar e julgar é sempre prejudicada pelas nossas emoções carregadas de egoísmo e justiça própria. Descer é bom, quando se trata de humildade e quebrantamento; quando tem relação com serviço de amor ao próximo e descer do salto alto para solidariedade e comunhão. Já percebeu, que nas árvores frutíferas, os galhos que mais produzem, são os que mais se curvam? Quando começa a chover, as partes mais baixas são as primeiras a acumular as águas que escorrem?

Senhor de toda glória e honra, é também o Senhor manso e humilde de coração! Queremos que hoje seja um dia de aprender e submeter a tua vontade. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Ensaio Sobre a Soberba

Meditação do dia 18/07/2017

Ob 1.3 – A soberba do teu coração te enganou, como o que habita nas fendas das rochas, na sua alta morada, que diz no seu coração: Quem me derrubará em terra?

 Ensaio sobre a Soberba – Ficar ou ser soberbo não é uma coisa boa e todo mundo sabe disso, incluo-me nisso e a todos os meus colegas pastores e obreiros cristãos. Saber isso é uma fato, mas evitar que esse inseto nos pique, já é uma história um pouco mais complexa, mas nem por isso devemos desistir de erradica-la de nossas vidas e relações de comunhão e serviço. Uma das razões para não gostarmos dessa persona e nem querer dar margens a sua influencia é que Deus também não gosta dela. Portanto diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes (Tg 4.6). Desde quando eu vou querer ter a pessoa de Deus me resistindo? Quais as chances de eu conseguir prevalecer em alguma demanda contra ele? Quando oramos o “Pai nosso,” afirmamos o desejo de fazer a vontade de Deus e trabalhar para vê-la sendo feita em qualquer dos mundos e então cultivar uma atitude que me coloca em conflito direto com a minha confissão de fé e com aquilo que trabalho para construir, não é nada inteligente, produtivo ou espiritual. Outra razão bem simples para um servo de Deus não andar por esse caminho é que a soberba é a preliminar de algo ruim e contrário ao propósito de Deus para nossas vidas, conforme a sabedoria de Provérbios: A soberba precede a ruína, e a altivez do espírito precede a queda. Melhor é ser humilde de espírito com os mansos, do que repartir o despojo com os soberbos” (Pv 16.18,19). Assim como as nuvens escuras e carregadas precedem as chuvas, assim também a soberba precede a ruína! Você pode imaginar o que isso significa? Que tipo de pessoa temente a Deus quer ter ruína em sua vida, família, ministério, trabalho? Na linguagem militar antiga e bíblica, repartir ou conquistar despojos, era sinônimo de bênção, pois se tratava de ter conseguido vencer inimigos e os despojos era um direito legítimo dos guerreiros e conquistadores. Para nós, significaria superar as fraquezas e vícios e todos os obstáculos que se opunham a uma vida de vitórias e abundancia conforme promessas de Deus para nós. Mas ser humilde de espírito e andar com pessoas mansas é muito superior a vencer e levar despojos, mas com a atitude errada. O texto de Obadias, alude a uma nação irmã de Israel, Edom, ou Esaú, o irmão de Jacó, que perdera a bênção da primogenitura, por sua vida relapsa e profana e passou a existir na penumbra da bênção do povo de Deus, mas sempre cultivando rivalidade e até ódio com desejos de ver o mal de Israel e quando viram a desgraça se abatendo sobre os hebreus, eles se aliaram aos inimigos e aumentaram as atrocidades e se divertiram com o mal alheio. A mensagem do profeta era de que eles estavam errados, pois se gloriavam de vantagens que não tinham. Agiam como um presunçoso que tinha uma casa supostamente bem construída sobre bons fundamentos de tal forma que nada o atingiria. A soberba engana a pessoa pelo coração, no seu íntimo, exatamente o lugar onde deve abrigar a certeza e a segurança verdadeiras. O soberbo e tal mal por acreditar que é tão bom e correto no que faz, que ele não pode ser atingido e tem o direito de atingir a qualquer um. Definitivamente, isso não combina nem com a fé e nem com servir a Deus e a Cristo um rei muito humilde. “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve” (Mt 11.28-30).

 

Pai, obrigado por tua misericórdia estendida a nós, todos os dias em Cristo Jesus. Espírito Santo, obrigado por habitar em nós e nos guiar a toda a verdade que Jesus nos ensinou e é seu desejo que vivamos nelas. Perdoa-nos por descuidar-nos e correr o risco de agirmos de forma a afrontar a tua santidade e justiça. Nos conceda a graça de nesse dia, aceitarmos a humildade como o melhor caminho. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

É Hipérbole ou Deus Fala Sério?

Meditação do dia 17/07/2017

Am 9.2 – Ainda que cavem até ao inferno, a minha mão os tirará dali; e, se subirem ao céu, dali os farei descer.

 É Hipérbole ou Deus fala sério? – A Bíblia é a mensagem de Deus em linguagem humana, escrita para homens de forma que eles possam compreender exatamente a intenção do autor. Toda literatura humana, tem suas regras e estilos, e a Bíblia não é diferente, embora com o diferencial da inspiração exercida sobre a autoria humana, preservando a essência divina sem prejuízo para inteligência humana. Podemos resumir da seguinte forma: “O ouro era de Deus, mas a forma, era humana!” Até que ponto devemos levar as palavras da Bíblia à sério? Não sei você, mas eu creio na inspiração e autoridade plena da Escrituras como PALAVRA DE DEUS do início ao fim. Para mim, ela É a Palavra de Deus, e não apenas CONTÉM. Então devemos levar muito e bem a sério todas as palavras nela escrita. Sempre se deu bem, quem obedeceu e guardou as instruções recebidas, pois a obediência é uma bênção e é segurança para os fiéis. Os pecados da nação estavam em proporções alarmantes e nem os líderes religiosos, responsáveis pela preservação da fé e da reta conduta e os meios de reconciliação escaparam da grassa corrupção e dos pecados grosseiros que assolaram toda a sociedade dos seus dias. Por mais que Deus advertia e enviava seus mensageiros e aplicava disciplina, eles não se emendavam e criavam novas formas de interpretar a revelação divina e assim continuarem em rota de colisão com o juízo divino. Aqui, o profeta Amós, trouxe uma pesada sentença, e estou de bom humor e por isso, estou suavizando a situação, perguntando se Deus está mesmo bravo ou só exagerando na dose, para meter medo nas pessoas? Certamente Deus não blefa, não mente e não exagera, pode acreditar. Também ele não se sente ameaçado pela pressão do humanismo, que tenta culpa-lo por tudo, já que é Ele o Todo-Poderoso. Se tem alguém justo, santo, reto e honesto nesta história, é Deus. Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa; porventura diria ele, e não o faria? Ou falaria, e não o confirmaria? (Nm 23.19). O Novo Testamento também confirma esse aspecto do caráter de Deus, conforme escreveu Paulo na sua carta à Tito: Em esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos dos séculos (Tt 1.2). E o autor aos Hebreus, não deixa por menos: Para que por duas coisas imutáveis, nas quais é impossível que Deus minta, tenhamos a firme consolação, nós, os que pomos o nosso refúgio em reter a esperança proposta (Hb 6.18). A hipérbole do texto está na forma intensa da expressão do que Deus quer e vai fazer, com eles, para não lhes dar ou eles saberem que não escaparão do juízo. Na teologia dos judeus e na cristã, o inferno é um lugar de condenação eterna, quem chega lá é com visto só de entrada, mas nesse caso, Deus disse que ainda que eles escolhessem entrar no inferno, ele os arrancaria de lá para lhes dar uma palmadas e sabemos que ninguém vai ao céu, senão através de Jesus, claro, pela conversão – mas se eles conseguissem um jeito de chegar lá, para se esconder de Deus, eles ainda assim, teriam uma bela surpresa, pois eles seriam expulsos de lá e pagariam o preço. Para fechar, com ou sem humor, é bom lembrar dessas palavras de Paulo aos Gálatas: Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna. (Gl 6.6.7).

 

Nossa oração hoje, não poderia ser outra senão o Salmo 139: Para onde me irei do teu espírito, ou para onde fugirei da tua face? Se subir ao céu, lá tu estás; se fizer no inferno a minha cama, eis que tu ali estás também. Se tomar as asas da alva, se habitar nas extremidades do mar, Até ali a tua mão me guiará e a tua destra me susterá. Se disser: Decerto que as trevas me encobrirão; então a noite será luz à roda de mim. Nem ainda as trevas me encobrem de ti; mas a noite resplandece como o dia; as trevas e a luz são para ti a mesma coisa; Amém.

 

Pr Jason

O Tempo da Fome e da Sede

Meditação do dia 16/07/2017

Am 8.11 – Eis que vêm dias, diz o Senhor DEUS, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do SENHOR.

 O tempo da fome e da sede – Ouvi certo dia alguém falar sobre a “síndrome do padeiro,” e aquela história tomou significado importante para mim. Se tratava de um padeiro, que estabeleceu uma pequena padaria e fazia um pão de ótima qualidade, que rapidamente atraiu muitos fregueses. Quanto mais ele aumentava a fabricação, mais aumentava a demanda, de tal forma que ele não se dedicou tanto a fazer mais e mais pães e nem mais sobrava tempo para outras atividades, até ele adoecer. Na consulta e nos exames, o médico constatou que ele estava com inanição, por falta de alimento! Um padeiro, passando fome em meio a fartura de pão. Trazendo isso para o campo espiritual, trata-se de pessoas ligadas ao ministério da Palavra de Deus, chamados para pregar, ensinar, pesquisar e extrair conteúdos de qualidade para alimentar o povo de Deus e eles se dedicam tanto a isso, que não mais se alimentam devocionalmente da Palavra de Deus. Não é raro, os pastores e pregadores, abrirem a Bíblia tão somente para produzirem sermões e estudos e não para degustação pessoal e prazerosa dela. Nas reuniões de liderança, entre os pastores, qualquer palavra que alguém trás para edificação no momento devocional, a pastorada toda está aflita anotando cada palavra, cada pensamento, cada conceito e cada ilustração, porque aquilo irá render-lhe muitos sermões e estudos; eles até já sabem como e onde irão utilizar o novo material. Hábitos ou ossos do ofício. É bom lembrar, que além de ministros e vocacionados para a transmissão das verdades eternas, somos primariamente adoradores, salvos em Cristo Jesus e ovelhas do rebanho do supremo Pastor. O que somos é infinitamente mais importante do que o que fazemos. Estamos na verdade, vivendo uma época de tanta variedade e tantas opções de acesso aos textos bíblicos, que tamanha diversidade, leva as pessoas a encherem as prateleiras de versões e mais versões de Bíblias e não desfrutarem de nada daquilo. De vez em quando alguém me pergunta: “Quero comprar uma Bíblia nova, qual a melhor delas?” Quem me conhece, já até imagina a resposta! Isso mesmo, a melhor Bíblia é aquela que você ler! O que vale aquelas ilustrações, mapas, comentários, tabelas, referencias cruzadas, guias de estudos e etc. se a pessoa não se debruça sobre o texto sagrado e o devora? N Bíblia, sagrado, é só o texto inspirado, o resto é palha! O que Amós disse, está acontecendo por todo lado, em todas as denominações e grupos, onde se tem esquemas e mais esquemas, estratégias e dinâmicas, organogramas e marketing, camping e lazer aos montes e Bíblia de menos. Os famintos passam a peregrinar de igreja em igreja, de conferencia em conferencia e de seminário e seminário, vivendo de eventos e movimentos, que mais servem para entreter ou prender os fiéis, do que propriamente cuidar e pastorear. Uma verdade universal: Ovelhas com fome, não deitam, não dormem e não sossegam! E claro, mais problemas para o “pastor.”

 

Senhor, dá-nos o pão nosso de cada dia, pois o homem não vive só de pão, mas de toda a Palavra que procede da boca de Deus e só ela pode alimentar, santificar, libertar e dar paz a alma e fazer com que as ovelhas descansem confiantemente. Em nome de Jesus, oramos por um mover da tua Palavra na igreja do Senhor, em nossos dias, hoje. Amém.

 

Pr Jason

O Muro e o Prumo

Meditação do dia 15/07/2017

Am 7.7 – Mostrou-me também assim: e eis que o Senhor estava sobre um muro, levantado a prumo; e tinha um prumo na sua mão.

 O Muro e o Prumo – Um prumo é um instrumento de trabalho da construção civil; trata-se de um pêndulo sustentado por um fio ou cordão, que é capaz de medir com precisão a verticalidade do que se está construindo ou levantando. Se observar um pedreiro levantando uma parece, verá que constantemente ele confere, porque um pequeno afastamento, pode comprometer todo o trabalho. Interessante é Deus fazer uso da mesma figura para revelar sua intenção com um povo, o seu povo. Amós teve uma visão na qual Deus aparecia sobre um muro levantado à prumo. Como já lhes disse em outras ocasiões, sempre que Deus nos faz uma pergunta, necessariamente ele não espera uma resposta, mas uma atitude; por que Deus nos perguntaria alguma coisa, se ele sabe todas as coisas, até as intenções? Então, não se trata dele, mas de nós, Ele espera produzir alguma reação criativa ou de aprendizado. Desta vez ele perguntou a Amos, sobre o que ele via, e ele foi enfático: Via um prumo, colocado no muro, por Deus. Sabemos que entre o que Deus propõe e o que na prática os homens veem, podem ser coisas bem diferentes. Me ponho em divagação, em outro exemplo, no Novo Testamento, quando o Senhor Jesus pergunta ao cego, na entrada de Jericó, sobre o que ele queria; ao que ele disse: “Que eu veja!” Não é óbvio que todo cego quer ver, todo aleijado queira andar, surdo ouvir, mudo falar etc e tal? Isso seria o óbvio, o racional, o natural. Mas quem disse que as pessoas funcional no automático? Quantas pessoas nos nossos dias, estão fazendo campanha de oração e unção, fazendo votos e propósitos, subindo montes e abstendo de um punhado de coisas, mas que não tem nada a ver com consagração, humilhação, buscar a vontade de Deus e ou mesmo ser curado, liberto ou encontrar um emprego… alguns, se for curado, perde os benefícios da previdência e terá que voltar ao trabalho… se conseguir um trabalho, perde a bolsa…. se for liberto, perde a oportunidade de viver na dependência de outros e …. a coisa é feia, meu irmão! O muro visto por Amós fora construído à prumo, isto é, estava certo, bem feito e aprumado, perfeito. Mas o povo de Deus estava inclinado para um lado, e certamente não era o lado bom, o lado justo, o lado correto e piedoso. Quando se constrói algo, na base do “olhômentro,” tudo parece certinho e bem feito, mas se utilizar um instrumento fiel de aferição, pode ser constatado que está tudo errado, perigoso e em via de desabar. Quando a sociedade se afasta de Deus e traça seus próprios parâmetros de retidão e modo de fazer as coisas, tudo vai indo bem até que problemas começam a surgir e agora se lança mão de algum instrumento de medir e as conclusões nem sempre ou nunca são boas. Deus disse que colocaria o seu prumo no meio do seu povo – isso é suficiente para entendermos que Deus já sabia do estado de miséria em que se encontravam, mas eles é que precisam ver por mesmos, e decidir o que fazer. Deus colocando seu prumo em nossas vidas, famílias, ministérios, igrejas… qual será o resultado constatado?

 

Senhor, Eis-nos aqui, para sermos visitados por ti, para disciplina e crescimento. Queremos ver a vida do teu ponto de vista e reconhecer o teu direito de senhorio em tudo e em todos, em todo tempo. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Inconsistencias

Meditação do dia 14/07/2017

 Am 6.12 – Porventura correrão cavalos sobre rocha? Lavrar-se-á nela com bois? Mas vós haveis tornado o juízo em fel, e o fruto da justiça em alosna;

 Inconsistencias – Cada coisa no seu lugar e cada lugar para sua coisa! Até parece lema de oficina mecânica, para lembrar os novatos sobre a importância da ordem e de deixar cada ferramenta nos seu devido lugar. Mas organização e propriedade, é bem vinda em qualquer situação da vida. Saber o que fazer, quando e onde fazer, pode tornar mais produtivo o trabalho. Deus faz perguntas intrigantes, por meio de Amós, e o propósito é levar aquelas pessoas a pensarem sobre os resultados de suas ações; pois muitos deles, viam apenas o seu lado e o bem estar pessoal, como se não fizesse parte de um povo e uma nação em estado de ruína e com todos os sistemas corrompidos e prestes a cair. Meditando nas perguntas, precisamos pensar bem: “Cavalos correm sobre a rocha?” Não, deve ser a resposta óbvia! As patas dos cavalos, ainda que os cascos sejam duros, não são apropriadas para “correr” sobre rochas. Isso pega melhor para coelhos, cabritos e alguns répteis, mas não para cavalos. Estamos pensando em cavalos como meio de transporte, para montaria, ou para puxarem carruagem ou algo parecido. O tipo de solo e o tipo de animal, ambos estão em desacordo e o final disso pode ser acidentes com vítimas e muitos prejuízos. A segunda pergunta: “Lavrar-se á a rocha com bois?” A resposta também é não! Bois também não tem um bom desempenho para andarem sobre rochas e muito menos é possível arar uma rocha para torna-la cultivável. Trabalhar num solo cheio de pedras é uma coisa e cultivar sobre rochas é outra! Rochas não é solo arável; não se fofa uma rocha. Para ambas as indagações o bom senso, até de quem não entende nada de transporte animal ou cultura agrícola, dirá taxativamente que isso não é viável. Pois bem, então vem a aplicação do profeta, em nome do Senhor. Semelhantemente, duas outras coisas impossíveis de se fazer, essa nação está fazendo com relativo sucesso; estão se tornando especialistas e fazer o impossível. Juízo, no sentido de fazer o que é certo, dar as destinações corretas e proporcionar segurança jurídica e fazer justiça, que não é nada complicado, exceto em caso de corrupção e desvio de conduta; contudo Israel torna o juízo em gosto de fel e a justiça em amargura terrível, como essa plantinha, alosna. É o equivalente ao testemunho de nossas vidas diante do mundo em que vivemos; é esperado sermos sal e luz, sal de mais ou de menos não é bom e ainda estraga; luz demais ou de menos atrapalha. Tiago fala de uma mesma fonte produzir dois tipos de água, uma que abençoa e uma que amaldiçoa. Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus. De uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim. Porventura deita alguma fonte de um mesmo manancial água doce e água amargosa? Meus irmãos, pode também a figueira produzir azeitonas, ou a videira figos? Assim tampouco pode uma fonte dar água salgada e doce (Tg 3.9-12). Essa parece uma daquelas inconsistências da vida humana, que “até Deus admira” como conseguimos fazer tais coisas!

 

Senhor, permita que as nossas vidas e o nosso testemunho não seja inconsistente e produza aquilo que seja improvável e o inverso do esperado. Te amamos e queremos aprender contigo em como nos portarmos dignamente e de forma estável, para que as nossas vidas produzam frutos que abençoam as outras vidas e a nossa nação, para salvação e libertação verdadeiras, em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Quem Fez Isso?

Meditação do dia 13/07/2017

 Am 5.8 – Procurai o que faz o sete-estrêlo e o órion e torna a sombra da noite em manhã, e faz escurecer o dia como a noite, que chama as águas do mar, e as derrama sobre a terra; o Senhor é o seu nome.

 Quem será que fez isso? – A maturidade nos permite ter uma visão mais privilegiada e realista do universo ao nosso redor. As perspectivas vão se alterando à medida que crescemos e alargamos nossos horizontes. Pense por uns instantes sobre quando você era criança e como você imaginava ser algumas coisas? O tamanho delas parecia gigantesco, coisas eram improváveis e outras inalteráveis, pois o universo naquele tempo era muito limitado ao nosso redor. Esses conceitos também podem ser ajustados para a experiência espiritual e os muitos relacionamentos que a vida cristã possibilita. A vida cristã começa com o nascimento espiritual, o novo nascimento e logo em seguida vem os passos similares ao do nascimento físico de uma pessoa: Depois de nascer, o bebê precisa se alimentar, aprender a andar, crescer e ser adulto. Também não há possibilidade de escolher qual dessas etapas fazer ou em que ordem segui-las; elas são naturais e respeitar suas dinâmicas só faz bem e uma complementa e prepara o caminho para as próximas; então uma queima de etapa ou subestima-la trará prejuízos futuros. Somos privilegiados de vivemos nessa época da história e do desenvolvimento humano, pois temos muitas respostas para perguntas e questionamentos da humanidade, que por anos não sabiam as razões e na ausência de comprovação, dava-se crédito a lendas, crendices e superstições, quando não espiritualizava demais ou de menos. Quando lemos sobre como os antigos acreditavam que eram certas coisas, achamos engraçado e até ridículas, afinal, agora temos uma visão muito mais pormenorizada das coisas. Veja, a visão que eles tinham da forma da terra e como ela se sustentava! Hoje temos satélites e objetos espaciais, naves e etc que fotografam em tempo real e com lentes que aumentam em centenas e milhares de vezes uma imagem. A não muito tempo, eu estudei e fiz provas de ciências, em que se afirmavam cientificamente, sem dúvida alguma que o átomo era a menor partícula da matéria e indivisível! Hoje, a ciência fatia o átomo, como fatiamos pão! No nosso ambiente cristão, discute-se muito a veracidade da revelação divina na atualidade e as manifestações carismáticas ou dos dons espirituais; e afirmar algo que seja novo, incorre-se em risco de problemas sérios – isso não foi o mesmo que acontecia com Da Vinci e outros ilustres pensadores e cientistas que contrariavam a idéia em voga? Me ponho a pensar no caso do nosso texto de hoje, quando um vaqueiro caipira do interior da Palestina, se levanta como porta-voz de Deus, para contestar os “sábios escribas e sacerdotes” doutores das leis, senhores do saber, dos tempos e do que podia e não podia, em seus dias; Amós fala sobre astronomia, citando constelações, como se falasse do mapa da sua cidadezinha natal, Tecoa; fala dos movimentos de rotação e translação da terra e da formação do dia e da noite, sobre os movimentos das marés ou sobre evaporação  condensação para formação de chuvas e etc. Como será que foi recebido essa mensagem? Se alguém se levantasse em profecia ou palavra de conhecimento nas nossas reuniões e falasse algo interessante, digamos sobre vida em outros planetas, possibilidade de colonização em outros planetas, ou a verdade sobre OVNIs? Uau! Tomara que não seja na Monte das Oliveiras ou entre os Batistas Nacionais, senão vou ter que aguentar muita coisa! Na verdade, o que estou dizendo é que TUDO o que sabemos hoje, necessariamente não é TUDO que existe para se saber! Amós apresentou um brilhante argumento, para quem diz ter mente aberta: Pergunte a quem fez isso! Boa idéia! Mas para perguntar a quem fez isso, presume-se que que se creia nele, creia que ele se comunica e sua comunicação é inteligível e acessível ao interlocutor. Por que alguém iria orar e perguntar algo a alguém que ele não creia que exista, ou não creia que se comunica e ou interessa por isso tudo aqui em baixo? Para mim, nenhum problema: A manjedoura está vazia, a cruz está vazia, o túmulo está vazio… mas o trono está ocupado, por alguém que vive e reina para sempre e em breve, pinta por aqui!

 

Pai, obrigado por ser quem És! O Senhor fez todas essas e outras coisas; as governa e dirige perfeitamente bem! Os teus planos são bons e verdadeiros e sem nenhuma chance de darem errados. Nas tuas mãos estão nossas vidas e não há lugar melhor para elas estarem. Seguimos firmes, crendo em ti e nas tuas promessas, pois elas nos alimentam, nos dão esperança e descanso. Aguardamos a vinda de Nosso Senhor Jesus, para botar ordem nas coisas aqui de uma vez para sempre e ele sempre será bem vindo! Obrigado, por tudo, em nome dele, amém.

 

Pr Jason

Deus Fez um Juramento

Meditação do dia 12/07/2017

 Am 4.2 – Jurou o Senhor DEUS, pela sua santidade, que dias estão para vir sobre vós, em que vos levarão com ganchos e a vossos descendentes com anzóis de pesca.

 Deus fez um juramento – Juramento é coisa séria! É feito para não voltar atrás e nem quebrar a palavra empenhada. O Escritor aos Hebreus, fala que se trata de uma forma para se por fim a uma demanda, porque quando alguém invoca um juramento, isso é definitivo. Porque os homens certamente juram por alguém superior a eles, e o juramento para confirmação é, para eles, o fim de toda a contenda (Hb 6.16). Ele se referia à aliança feita por Deus à Abraão, quando o chamou e fez-lhe promessas; e certamente para que a confiança do patriarca não ficasse tímida, pois o relacionamento era inicial, então o Senhor valeu-se de um artifício válido entre os homens, fazendo um juramento por si mesmo, já que não existe ninguém maior do que Ele, por quem jurasse. Já a opinião de Jesus no Novo Testamento, é que seus seguidores devem ter um caráter bem trabalhando e confiável, de forma que suas palavras sejam suficientes, sem precisar recorrer a garantias maiores como juramentos. Outrossim, ouvistes que foi dito aos antigos: Não perjurarás, mas cumprirás os teus juramentos ao Senhor. Eu, porém, vos digo que de maneira nenhuma jureis; nem pelo céu, porque é o trono de Deus; Nem pela terra, porque é o escabelo de seus pés; nem por Jerusalém, porque é a cidade do grande Rei; Nem jurarás pela tua cabeça, porque não podes tornar um cabelo branco ou preto. Seja, porém, o vosso falar: Sim, sim; Não, não; porque o que passa disto é de procedência maligna (Mt 5.33-37). No texto de Amós, Deus se interpôs com juramento pela sua santidade, que na verdade é sua essência, é ele mesmo e é algo inviolável até para ele que é Todo-Poderoso. Agora a razão de chegar a esse nível de afirmação, era a postura do seu povo, que não agradava em nada, pois adotaram um estilo de vida pecaminoso e sua religiosidade era uma formalidade vazia e de aparências. O juízo viria certamente, para corrigir a nação, porque havia um compromisso divino de fazer deles um povo abençoado e abençoador e essa promessa dada a Abraão, não cairia por terra, afinal era uma aliança eterna. Amós profeticamente aponta as questões que Deus cobrava deles, pois ostentavam uma postura de adoradores, tinham seus rituais e cerimonias, cumpriam obrigações devocionais como prescrito nos mandamentos dados a eles, mas o faziam do jeito deles e para suas próprias conveniências. Se vocês seguirem a leitura nos próximos versos, verão que aparentemente era tudo correto, mas a motivação não condizia com culto a Deus. Nada disso é privilégio só dos israelitas! Hoje, vemos as mesmas coisas, com os mesmos propósitos e as explicações são cada vez mais descaradas. As conveniências humanas, os gostos e preferencias, o conforto e bem estar das pessoas predominam sobre o que seria uma adoração em espírito e em verdade. Vão infiltrando toda sorte de novidades e algumas são cópias fiéis de ações mundanas e profanas, agora travestidas de “contemporâneas,” e se o público gosta, isso sim, tem peso na escolha. Mas certamente o juízo não tarda vir!

 

O Senhor nosso Deus é o mesmo ontem, hoje e o será para sempre e eternamente, e digno de toda reverencia, honra, glória e louvor. Obrigado, Senhor Jesus, por distribuir dons e talentos para haver verdadeira adoração a Deus na tua igreja. Obrigado, Espírito Santo, por convencer-nos do pecado, da justiça e do juízo e nos guiar à toda a verdade. Te peço inspiração, mas também obediência àquilo que já sei em tua Palavra. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason