As Lutas e Vitórias da Oração

Meditação do dia: 21/03/2020

E ouviu Deus a Lia, e concebeu, e deu à luz um quinto filho. E Lia concebeu outra vez, e deu a Jacó um sexto filho.(Gn 30.17,19)

As Lutas e Vitórias da Oração – Você acredita que paredes de quartos de hospital podem ter ouvido orações e confissões muito mais sinceras e verdadeiras do que paredes de templos? Uma das premissas básicas da fé cristã é que servimos a um Deus Todo-Poderoso, Onisciente, Onipotente e Onipresente. Ele pode tudo, sabe tudo e está presente em todo lugar, não enchendo, pois ele não é físico para ocupar espaços, mas sua divina presença, seu poder e sua glória não deixam dúvidas de que Ele realmente é isso e muito mais do isso. Não cabe ao finito definir o infinito. Mas não precisamos mensurar e enquadrar Deus em quaisquer de nossos sistemas de medidas, para dizer que entendemos, porque não entendemos mesmo, Ele está muito acima da nossa vã compreensão. Mas isso também não impede de todos nós e qualquer um poder experimentar sua graça, bondade, favor e seu poder. Ainda que os religiosos de plantão, os profissionais da fé, tentem enquadrar Deus em fórmulas teológicas, ainda estamos arranhando a superfície de tudo e de toda a grandeza de Deus. Então não tente entender e nem explicar, creia, ame, experimente, ore e receba as respostas das suas orações e se derrame em louvor e gratidão a Ele no seu íntimo. Falando de fé, foi isso que Paulo nos ensinou: Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. Porquanto não há diferença entre judeu e grego; porque um mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que o invocam. Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo (Rm 10.11-13). Lia, uma mulher da antiguidade bíblica, casou-se Jacó e aprendeu sobre o Deus verdadeiro e as promessas da redenção. Soube que seu marido seria por promessa e aliança com Deus, o progenitor de muitos filhos que formariam uma nação muito grande e dali nasceriam reis e também dali, viria o Messias, o Salvador da raça humana. Ela acreditou! Ela creu! Não me pergunte como e nem até que ponto, e muito menos se ela era da mesma igreja que eu ou você, se era pentecostal, renovada, carismática, mística ou conservadora. Eu leio na Palavra de Deus que ela tinha muita tribulação e orava, orava e falava com Deus e ela era atendida e suas preces surtiam efeito. Se ela encarou a missão da vida dela como gerar filhos, e quanto mais melhor, porque de um deles virá a resposta de todas as orações e o destino de todas as mulheres atribuladas, e todas as piedosas e todas as preces dos corações das mães teriam acolhida, ela creu e creu muito e lutou e lutou muito! Ela resistiu ao desprezo social por não ser tão bonita quanto a irmã; lutou ser vendia por dias de trabalho pelo pai, comprada como mercadoria de segunda categoria pelo marido, pois, já que não posso ter Raquel agora, vai você mesma! Lutou contra a irmã e suas regalias de esposa amada e preferida; lutou contra sua esterilidade e todas as desvantagens que a vida se lhe apresentou, mas ninguém de nós, jamais leu que ela ficava chorando as pitangas e resmungando pelos cantos, amarga, mal amada e venenosa. O que vemos é uma descrição: E ouviu Deus a Lia… Lia, orava e falava com Deus, era com Ele que ela se derramava e ali ela batalhava e com esperança de que prevaleceria, levava suas lágrimas, suas lutas e suas orações até aos portais do inferno, empurrando-os e voltando com as respostas. Ela se levantava como que dizia: “Aqui tem uma mulher de aliança, de promessa, de vitórias e o Deus Todo Poderoso vai me sustentar e me fazer prevalecer.” Ela me faz lembrar uma futura descendente dela, também atribulada, com concorrência desleal dentro de casa, e até o pastor dela duvidou de sua integridade e achou que ela estava bebendo escondido e chamou ela na disciplina; mas ela se levantou no poder da fé e o mesmo pastor que não teve discernimento, teve autoridade espiritual para abençoar e profetizar para ela a promessa da vitória. Estou me referindo a Ana, a mãe de Samuel. Ela, pois, com amargura de alma, orou ao Senhor, e chorou abundantemente. E sucedeu que, perseverando ela em orar perante o Senhor, Eli observou a sua boca. Porquanto Ana no seu coração falava; só se moviam os seus lábios, porém não se ouvia a sua voz; pelo que Eli a teve por embriagada. E disse-lhe Eli: Até quando estarás tu embriagada? Aparta de ti o teu vinho. Porém Ana respondeu: Não, senhor meu, eu sou uma mulher atribulada de espírito; nem vinho nem bebida forte tenho bebido; porém tenho derramado a minha alma perante o SENHOR. Não tenhas, pois, a tua serva por filha de Belial; porque da multidão dos meus cuidados e do meu desgosto tenho falado até agora. Então respondeu Eli: Vai em paz; e o Deus de Israel te conceda a petição que lhe fizeste. E disse ela: Ache a tua serva graça aos teus olhos. Assim a mulher foi o seu caminho, e comeu, e o seu semblante já não era triste (I Sm 1.10,12-18). Ana já se levantou de pose da bênção e assim foi. Lia, orava, orava e orava, como, onde, quais eram as palavras e quais eram as posturas eu não sei, mas Deus sabia e sabe e isso que importa. Ninguém precisa saber que eu e você oramos, nem porque oramos, eles precisam é das nossas orações. Desde que Deus nos receba em sua sala do trono, tudo o mais é supérfluo, é dispensável e até sem importância. Ore, oremos, a receita de Jesus, vai pelo mesmo caminho: Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai que está em secreto; e teu Pai, que vê em secreto, te recompensará publicamente(Mt 6.6).

Pai, obrigado por nos receber na sala do trono, e nunca estás ocupado demais para não receber um filho e nem os teus ouvidos se cansam do clamor e das orações dos santos e justos que te buscam com causas verdadeiras e legítimas. Obrigado pelo exemplo que Lia nos deixou; ela falava com a pessoa certa, com quem de fato podia ajudar e resolver e ela não ficou confundida. Os frutos das orações dela hoje e eternamente estão firmes e fortes e agora todos podem tem esperança, porque um dos descendes dela vive e vive para sempre; o chamamos de Leão de Judá, O Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo; o nosso Senhor, o Único, Aquele que Era, que É e que há de vir, a ele, toda a honra, a glória e o louvor dos nossos lábios e dos nossos corações, em seu nome para sempre, amém.

Pr Jason

Tempos Difíceis, Pessoas Extraordinárias

Meditação do dia: 20/03/2020

Não fique pensando que você é sábio; tema o SENHOR e não faça nada que seja errado. Pois isso será como um bom remédio para curar as suas feridas e aliviar os seus sofrimentos.(Pv 3.7,8)

Tempos Difíceis, Pessoas Extraordinárias – Amados e queridos irmãos e leitores destas Meditações diárias, que tem sido uma riqueza e um grande prazer escrever e compartilhar ao longo desses últimos anos e esperamos em Deus fazê-lo por muito tempo ainda, segundo a permissão do nosso Deus. Hoje, em caráter especial, vou fugir propositalmente do tema, que é seguir a vida de uma pessoa das Sagradas Escrituras e meditar sobre suas experiências e aquilo que podemos aprender e aplicar em nossas jornadas na atualidade, e estamos seguindo a vida de Lia, a esposa de Jacó. Mas hoje, devido ao momento histórico que estamos vivendo no Brasil e no mundo sobre a pandemia do Corona Vírus, coloquei no meu coração escrever algo, não sobre o tema em si, mas escrever e endereçar aos irmãos e leitores uma reflexão de fé e ânimo no Senhor, enquanto enfrentamos juntos essa situação. Estava fora de casa, viajando com a Tania, minha esposa, desde o dia 12/03, inicialmente para Águas de Lindóia, onde participamos do Congresso Anual de Igrejas em Células, e já no dia 15/03, seguimos para uma série de visitas e ministrações em nossas igrejas da CBN na Região do Vale do Paraíba; foram momentos maravilhosos de comunhão e amizade, muita confraternização e alegria de reforçar os laços de fraternidade que já existiam e conhecer novos irmãos e amigos, “tutti bona gente!” Em meio a isso apareceu o agravamento da situação que exigiu das autoridades em todos os níveis da esfera da administração pública, tomar medidas sérias, urgentes, necessárias e importantes, para o bem de todos. Assim, foi que com a solidariedade e compreensão de todos, cancelamos o final da agenda e retornamos à Guararapes, ontem mesmo, chegando em casa, às 20:25 horas. Deixando aqui expresso a nossa gratidão e reconhecimento a todos os irmãos e igrejas que facilitaram isso, para que pudéssemos estar em casa, na igreja local e juntos com fé, enfrentarmos esses momentos com fé, louvor e gratidão. Amados, as vezes comparo o convívio entre igrejas e irmãos de diferentes matizes denominacionais, como estar em uma casa grande com muitos cômodos e muita gente circulando ali. Somos muitos, diversos, podemos olhar por janelas que vislumbram horizontes diferentes e com aspectos diferentes, mas todos, todos, estamos na mesma casa, do mesmo Senhor. Somos irmãos e estamos em cômodos diferentes, mas na mesma casa. Num momento difícil como este, o que nos une é muito, infinitamente mais importante do que o que nos separa ou nos distingue. Podemos servir e cultuar ao Senhor, de forma um tanto diferente da usual, que é ir aos templos, juntar muita gente, quanto mais melhor, levar os enfermos para receber oração, unção e imposição de mãos, celebrar a unidade com fortes abraços e ósculo santo e etc e tal. Agora, o tempo, o momento exige medidas restritivas de contato social, mas isso não precisa ser levado para o lado de quebra de comunhão e laços de amor; o governos e as autoridades não estão sendo inimigos da igreja, do Evangelho ou desrespeitando a fé de ninguém. Elas estão se esforçando e muito para proporcionar o melhor e conduzir o processo com responsabilidade, afinal elas foram eleitas pela população para zelar e fazer um bom trabalho e isso está de acordo com a Palavra de Deus. Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. (Rm 13.1,2); Então apelo ao bom senso e amor fraterno que cooperem com as autoridades, com os pastores e com isso sairemos mais fortes. Os templos fecham, mas a igreja não, porque a igrejas somos nós, e é uma oportunidade de servimos a comunidade ao nosso redor; além do cuidado que sempre oferecemos aos domésticos da fé, também agora é a vez de alargarmos a nossa visão social e filantrópica e servir indistintamente no amor de Cristo, sem esperar nada em troca. Vejam se na vizinhança próxima, tem pessoas com dificuldades de locomoção, de mobilidade, falta de pessoas para ajuda-los nas compras básicas, ir à farmácia ou médico, alguma atividade doméstica que é vital e eles estão com dificuldades. Qualquer coisa que ajudar, já é importante. Para finalizar, tem horas que a gente brinca dizendo que não fazemos tal coisa porque a nossa religião não permite, mas tem uma coisa muito legal que ela permite e estimula fazermos: E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,
Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis
(Cl 3.23,24).

Senhor, agradecemos as bênçãos recebidas e as provisões para as nossas necessidades, que sempre chegaram com abundancia e generosidade das tuas mãos. Lembramos aqui, não só um país inteiro, grande e populoso como o Brasil, mas praticamente todos as nações e todos os povos da terra estão passando por momentos difíceis e alguns com poucos condições de lidarem com a situação e dependem da bondade e cooperação de outras nações e povos. Pedimos graça e misericórdias para todos e abençoamos especialmente as milhares de vidas da área da saúde e segurança, que estão na linha de frente, mesmo com riscos de suas próprias vidas, mas estão se doando em favor do próximo. Estendemos nossas mãos como corpo de Cristo, abençoamos com o poder redentor do sacrifício de Cristo, que levou na cruz as nossas dores e enfermidades e pelas suas pisaduras, fomos sarados. Permita que a tua graça assista a todos e ninguém desista e nem percam a fé em ti, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Tempos Difíceis, Pessoas Extraordinárias

Meditação do dia: 20/03/2020

Não fique pensando que você é sábio; tema o SENHOR e não faça nada que seja errado. Pois isso será como um bom remédio para curar as suas feridas e aliviar os seus sofrimentos.(Pv 3.7,8)

Tempos Difíceis, Pessoas Extraordinárias – Amados e queridos irmãos e leitores destas Meditações diárias, que tem sido uma riqueza e um grande prazer escrever e compartilhar ao longo desses últimos anos e esperamos em Deus fazê-lo por muito tempo ainda, segundo a permissão do nosso Deus. Hoje, em caráter especial, vou fugir propositalmente do tema, que é seguir a vida de uma pessoa das Sagradas Escrituras e meditar sobre suas experiências e aquilo que podemos aprender e aplicar em nossas jornadas na atualidade, e estamos seguindo a vida de Lia, a esposa de Jacó. Mas hoje, devido ao momento histórico que estamos vivendo no Brasil e no mundo sobre a pandemia do Corona Vírus, coloquei no meu coração escrever algo, não sobre o tema em si, mas escrever e endereçar aos irmãos e leitores uma reflexão de fé e ânimo no Senhor, enquanto enfrentamos juntos essa situação. Estava fora de casa, viajando com a Tania, minha esposa, desde o dia 12/03, inicialmente para Águas de Lindóia, onde participamos do Congresso Anual de Igrejas em Células, e já no dia 15/03, seguimos para uma série de visitas e ministrações em nossas igrejas da CBN na Região do Vale do Paraíba; foram momentos maravilhosos de comunhão e amizade, muita confraternização e alegria de reforçar os laços de fraternidade que já existiam e conhecer novos irmãos e amigos, “tutti bona gente!” Em meio a isso apareceu o agravamento da situação que exigiu das autoridades em todos os níveis da esfera da administração pública, tomar medidas sérias, urgentes, necessárias e importantes, para o bem de todos. Assim, foi que com a solidariedade e compreensão de todos, cancelamos o final da agenda e retornamos à Guararapes, ontem mesmo, chegando em casa, às 20:25 horas. Deixando aqui expresso a nossa gratidão e reconhecimento a todos os irmãos e igrejas que facilitaram isso, para que pudéssemos estar em casa, na igreja local e juntos com fé, enfrentarmos esses momentos com fé, louvor e gratidão. Amados, as vezes comparo o convívio entre igrejas e irmãos de diferentes matizes denominacionais, como estar em uma casa grande com muitos cômodos e muita gente circulando ali. Somos muitos, diversos, podemos olhar por janelas que vislumbram horizontes diferentes e com aspectos diferentes, mas todos, todos, estamos na mesma casa, do mesmo Senhor. Somos irmãos e estamos em cômodos diferentes, mas na mesma casa. Num momento difícil como este, o que nos une é muito, infinitamente mais importante do que o que nos separa ou nos distingue. Podemos servir e cultuar ao Senhor, de forma um tanto diferente da usual, que é ir aos templos, juntar muita gente, quanto mais melhor, levar os enfermos para receber oração, unção e imposição de mãos, celebrar a unidade com fortes abraços e ósculo santo e etc e tal. Agora, o tempo, o momento exige medidas restritivas de contato social, mas isso não precisa ser levado para o lado de quebra de comunhão e laços de amor; o governos e as autoridades não estão sendo inimigos da igreja, do Evangelho ou desrespeitando a fé de ninguém. Elas estão se esforçando e muito para proporcionar o melhor e conduzir o processo com responsabilidade, afinal elas foram eleitas pela população para zelar e fazer um bom trabalho e isso está de acordo com a Palavra de Deus. Toda alma esteja sujeita às autoridades superiores; porque não há autoridade que não venha de Deus; e as que existem foram ordenadas por Deus. Por isso quem resiste à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos a condenação. (Rm 13.1,2); Então apelo ao bom senso e amor fraterno que cooperem com as autoridades, com os pastores e com isso sairemos mais fortes. Os templos fecham, mas a igreja não, porque a igrejas somos nós, e é uma oportunidade de servimos a comunidade ao nosso redor; além do cuidado que sempre oferecemos aos domésticos da fé, também agora é a vez de alargarmos a nossa visão social e filantrópica e servir indistintamente no amor de Cristo, sem esperar nada em troca. Vejam se na vizinhança próxima, tem pessoas com dificuldades de locomoção, de mobilidade, falta de pessoas para ajuda-los nas compras básicas, ir à farmácia ou médico, alguma atividade doméstica que é vital e eles estão com dificuldades. Qualquer coisa que ajudar, já é importante. Para finalizar, tem horas que a gente brinca dizendo que não fazemos tal coisa porque a nossa religião não permite, mas tem uma coisa muito legal que ela permite e estimula fazermos: E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens,
Sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis
(Cl 3.23,24).

Senhor, agradecemos as bênçãos recebidas e as provisões para as nossas necessidades, que sempre chegaram com abundancia e generosidade das tuas mãos. Lembramos aqui, não só um país inteiro, grande e populoso como o Brasil, mas praticamente todos as nações e todos os povos da terra estão passando por momentos difíceis e alguns com poucos condições de lidarem com a situação e dependem da bondade e cooperação de outras nações e povos. Pedimos graça e misericórdias para todos e abençoamos especialmente as milhares de vidas da área da saúde e segurança, que estão na linha de frente, mesmo com riscos de suas próprias vidas, mas estão se doando em favor do próximo. Estendemos nossas mãos como corpo de Cristo, abençoamos com o poder redentor do sacrifício de Cristo, que levou na cruz as nossas dores e enfermidades e pelas suas pisaduras, fomos sarados. Permita que a tua graça assista a todos e ninguém desista e nem percam a fé em ti, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Assim Morreu Raquel

Meditação do dia: 11/03/2020

Assim morreu Raquel, e foi sepultada no caminho de Efrata; que é Belém.(Gn 35.19)

Assim Morreu Raquel – Não é o fim da história da vida de Raquel. Como disse um dos nossos ex-presidentes da República, Raquel também deixou esta vida para entrar para a história. Nós, aqui não estamos estudando uma biografia, então tudo o que teríamos de aprender com ela, também não para por aqui. Mas queremos muito pegar o que nos é legado da vida dessa mulher, em certo sentido se diz tão pouco, mas que tem uma importância tão grande; talvez porque o que Raquel foi, estava muito acima do que os seus próprios feitos ou registros que deixaram dela. Uma mulher que apareceu por seu trabalho, se firmou por seu amor e marcou por sua luta para ser quem ela aprendera que fora criada e assim alcançou o status de matriarca da nação de Israel, mesmo tendo apenas dois filhos e morrendo muito jovem. Fica para nós o exemplo consagrado na história, de que a vida vale pela intensidade com que se vive e pelos propósitos estabelecidos e alcançados. A vida de Raquel tinha propósito e ela soube batalhar para que a sua parte da herança se confirmasse; não herança a ser recebida, mas a ser deixada, suas marcas e impressões. Raquel sonhava com a Terra Prometida, viu em Jacó a sua chance de alcança-la e lutou por isso. Precisava ter filhos para herdar a terra e vir a ser mãe de uma nação, sendo estéril, ela não se conformou e não se diminuiu diante da irmã que gerava um filho atrás do outro e a provocava. Acreditou e buscou seu milagre e quando o primeiro chegou ela já estava acreditando que Deus lhe acrescentaria outro. O nascimento do seu primeiro filho, marcou o início da jornada de volta para onde ela nunca tinha ido, mas que pela fé já era sua terra também. Se pôs a caminho numa jornada longa e cansativa estando gestante de seu segundo filho, mas foi com alegria e muita boa vontade, para estar definitivamente na posse daquilo que só a fé lhe poderia dar. A jornada de Raquel e sua família, saindo de Harã, terra de suas raízes, onde deixou tudo definitivamente, para ir andando pela fé, enfrentando os mais variados obstáculos, à começar pelo seu próprio pai e irmãos. Viu seu marido ficar de sentinela e lutar a noite toda com um anjo, para chegar de manhã em casa, manquejando mas com uma nova identidade. Viu a bênçãos do milagre da reconciliação do marido com o cunhado, que tinha fama de mau, mas que teve o coração aplacado pelo poder de Deus. Raquel viu sua sobrinho se envolver numa enrascada, que terminou em tragédia e perigo para todos. Raquel viu seu marido pedindo e confiscando todos os ídolos e deuses falsos  entre eles, porque de agora em diante, todos serviriam um Deus único, o Todo Poderoso, e que o nível de consagração de agora em diante deveria ser maior. Ela viu chegar a hora do nascimento de seu novo filho, e nessa momento as coisas se complicaram, as dores foram atrozes e todos os meios e tentativas de ajuda que lhe foram prestados pareciam que não iriam surtir efeitos e ela só teve tempo de chamar o seu bebê de Benoni, “filho da minha dor.” Foi, assim, no meio do caminho, fora de casa, pertinho de chegar no final da jornada, mas para ela a jornada terminou primeiro do que para os outros. Foi assim que morreu Raquel. Ela terminou sua carreira, deixou suas marcas e seu legado; um dia aqueles meninos se tornariam uma nação, teriam reis e o primeiro deles foi filho de Raquel, filho de Benjamim. Um dia o Messias, a esperança de todas as nações, nasceria e seria num estábulo, ali, bem pertinho de onde ela ficou. Um dia a Igreja apareceria para realizar a grande obra da redenção, entre os apóstolos, os grandes líderes do futuro, haveria de vir um, a maior de todos, que se chamaria Paulo, filho de Benjamim, filho de Raquel. As dores de Raquel abençoaram e abençoam muitas vidas até hoje e trazem consolação e esperança. Quando se vive para Deus, se torna semente, que não morre, apenas é plantada e os frutos seguirão no devido tempo. Você acha que Raquel morreu? Morreu cedo demais? Morreu fora de hora? Morreu fora de tempo? Você acha?!!!!

Senhor, só nos resta pedir sabedoria e discernimento para viver plenamente a vida que nos dás. Em tudo e em todo tempo, o Senhor permanece no controle e no governo de todas as coisas. Nossa vida tem sentido e propósito exatamente por estar nas tuas mãos e a serviço de um projeto feito e dirigido por ti. Que sejas glorificado sempre em minha vida e na de todos os que confiam em ti e se consagram a servir e permitir serem instrumentos de abençoar e influenciar em todo tempo. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Filho da Minha Dor

Meditação do dia: 10/03/2020

E aconteceu que, saindo-se-lhe a alma (porque morreu), chamou-lhe Benoni; mas seu pai chamou-lhe Benjamim.(Gn 35.18)

Filho da Minha Dor – É certo que cristãos que vivem em lugares onde há perseguição por causa da fé, entendem melhor a questão do sofrimento, do que nós, que só sabemos por teoria. Pessoas que nunca experimentaram a fome, não sabe o que é sentir fome! Vi um vídeo de depoimento do DJ Alok, que numa missão humanitária na África encontrou uma senhora idosa, cega, que amarrava um pano na região do estômago para ajudar a aguentar a dor da fome. Eu não sei o que isso! Pessoas que nunca sofreram castigos físicos de tortura, não entendem muito bem o que é dor provocada. Os homens provavelmente nunca irão entender de fato, a dor que as mulheres atribuem passar no trabalho de parto. À bem da verdade, nunca encontrei uma dor que seja agradável, que escolheria essa em detrimento daquela; mas há algumas que realmente incomodam. Raquel estava entre a vida e a morte, quando finalmente o filho nasceu, e ela mesmo naquele estado de dor, batizou-o com um nome que a levaria a lembrar de como foi dolorida a experiência do seu nascimento. Os antigos, costumavam nomear seus filhos à partir de um evento, circunstancia ou fato marcante na vida dos pais ou da família, para que aquilo servisse de memorial para sempre. Estas foram as últimas palavras de Raquel, mesmo com todas as tentativas de ajuda, sua alma se foi. Quando algo assim acontece, é como se um pedaço da pessoa ficasse ainda, mas também leva consigo um pedaço dos que ficam. Pensando em família, sentimos a dor de Jacó e sua atitude contemplativa de lembrar que a promessa de seu regresso, dizia que tudo daria certo e ele voltaria em paz para casa. Claro, que já tem muito mente ativa com um monte de perguntas e por quês?!! Os registros sagrados não nos informam se Jacó ficou fazendo esses questionamentos a Deus. Ele amava Raquel e isso é muito claro para todos nós; mas parece que a maturidade dele, ajudou-o a tomar as decisões certas que precisavam serem tomadas. Era triste a perda de Raquel, mas ali estava José e Benjamim precisando de um pai presente, amoroso, cuidadoso e pronto a dar o suporte que eles precisariam sem a presença da mãe. Lamento muito, quando vejo pessoas desesperadas, esquecendo os ensinos de sua fé, revoltados com Deus, amargurados pela perda de um ente querido, e se esquecendo dos que ficaram e precisam de apoio e conforto. A família continua, o projeto de Deus continua, e as pessoas que ficaram são importantes e devem merecer consideração e respeito. O ensino de Paulo é muito sugestivo: Não quero, porém, irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não têm esperança (1 Ts 4.13). Me desculpem, mas a atitude de um cristão diante da dor e da perda de familiares e amigos, precisa ser diferente daquelas atitudes de quem não conhece a Palavra e as promessas de Deus! É uma questão de testemunho, de bom exemplo! Nossa fé deve fazer diferença!

Senhor, em ti é que buscamos conforto e consolo nos momentos difíceis e nas horas de trevas e dores. O salmista afirmou que ainda que andemos pelo vale da sombra da morte, não temeremos, por tu estás conosco. É uma verdade profunda, para ser vivida nos momentos de verdadeira dificuldade. Reconhecemos que precisamos de ajuda do Espírito Santo para vivermos o que cremos e sermos fortes e pacientes em Deus, porque ele jamais nos abandonará e nem permitirá provações maiores que a nossa capacidade de suportar. Senhor, oramos por aqueles que estão em sofrimentos e passando por perdas que são irreparáveis, mas ainda assim, sempre serás o sustento deles. Permita que os olhos de seus entendimentos vejam a grandeza e o poder de tuas mãos para ampará-los e sustentar, mesmo quando acham que não aguentam mais. Eles podem todas as coisas em Cristo que os fortalece. Oramos agradecidos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Este Filho Terás

Meditação do dia: 09/03/2020

E aconteceu que, tendo ela trabalho em seu parto, lhe disse a parteira: Não temas, porque também este filho terás.(Gn 35.17)

Este Filho Terás – Estamos meditando na Palavra de Deus, tomando por base a vida de pessoas da Bíblia que viveram grandes experiências durante suas vidas e nos servem de exemplo e até de modelo. Nosso propósito não é um estudo teológico ou doutrinário, mas valer-nos devocionalmente das verdades experimentadas por eles e tirar lições para nossos dias e podermos crescer espiritualmente e nos edificar. Então, mesmo estudando acompanhando uma pessoa por vez, não é um estudo sistematizado de biografias dessas pessoas; e como já afirmamos outras vezes, queremos muito, mas muito mesmo não cometer erros de doutrina ou de interpretação e nem ferir ou ofender as correntes e escolas de pensamentos dos amados. Queremos andar juntos, nos alimentarmos e crescer em comunhão e companheirismo. Aviso dado, voltemos à Raquel, que se encontra num momento delicado devido as complicações no parto de seu filho, e que está lhe custando muito. Quando estudamos a Palavra de Deus e vamos lançar mão de simbolismo e alegorias para aplicar os ensinamentos, um nascimento, trás o significado de um começo, o começo de algo novo, início de um projeto, de uma missão, de um ideal ou de uma oportunidade que está surgindo. A gravidez é o tempo gestacional, onde o filho é formado, e enquanto ele cumpre seu tempo para nascer, aqui fora a mãe, os familiares se envolvem nos preparativos para o dia da sua chegada e os envolvimentos que seguirão dali em diante. Então, a gestação é o período de expectativas e nos tempos antigos, era muito difícil saber se viria menino ou menina, que que eles não dispunham de instrumentos e equipamentos de imagens capazes de antecipar como temos hoje. Isso fazia crescer as expectativas. Assim foi com Raquel, que só tivera um filho, José e a notícia da segunda gravidez foi muito bem recebida e ainda que parte desse tempo estivesse ocupado com os preparativos para a grande viagem para a Terra Prometida, também ocupava a atenção de quem sabe esse novo filho já nascer na própria terra natal do pai. Mas o sonho e as expectativas de Raquel encontraram problemas, além daquilo que seria considerado normal; mas em meio a toda aquela aflição e apreensão, a parteira disse a ela que ela conseguiria ter aquele filho, e que ela pudesse ter bom ânimo. Carregar aquele filho por todo o período gestacional, e aguardar com fé e esperança o momento feliz de ve-lo vindo ao mundo, era realizador para ela e para Jacó e para todos. Ela sofria muito, os recursos disponíveis estavam ali, e tudo dizia que aquele momento passaria e ela seguiria a sua vida com seus filhos. Minha lição é que encarar o sofrimento é preciso, com fé e esperança de que as coisa irão ficar melhor. Se não ficar, não deve ser porque não fizemos nossa parte bem feita, não tomamos os cuidados necessários e não deixamos tudo nas mãos de Deus. Projetos nascem e cumprem seus propósitos. O importante é fazermos com que a nossa vida, nossa existência e nosso ministério cumpra o esperado e o determinado. Não desista, pela possibilidade de algo não acontecer, ou para evitar que algo aconteça. Nossas vidas estão nas mãos de Deus e sob seus cuidados e nada acontece sem que Ele permita. Sabemos que Raquel não viu o pequeno Benjamim crescer, nem mesmo José, mas essa contribuição dela, foi essencial para o projeto da nação e eles geraram resultados dos quais nos orgulhamos muito. E o Reino de Deus agradece a ela.

Senhor, obrigado pelas oportunidades de aprendermos lições preciosas no sofrimento e o efeito purificador que ele exerce sobre nosso caráter. Graças pelas imensas riquezas que descobrimos e cultivamos por valorizar o que temos e o que pessoas sofreram para nos deixar um legado de justiça e verdade. Obrigado pelos projetos que concebemos e gestamos e muitos deles consomem muito da nossa energia e capacidade, mas eles são transformadores e abençoam milhares de pessoas. A vida de Jesus é o melhor exemplo disso. E no nome dele nos te louvamos e agradecemos. Amém.

Pr Jason

Trabalho de Parto e no Parto

Meditação do dia: 08/03/2020

E partiram de Betel; e havia ainda um pequeno espaço de terra para chegar a Efrata, e deu à luz Raquel, e ela teve trabalho em seu parto.(Gn 35.16)

Trabalho de Parto e no Parto – A vida não é como gostaríamos que fosse; ela não é como queremos que seja; ela não é como deveria ser; a vida é como ela é! Pensar na chegada de um filho na vida de um casal ou de uma família, é sempre pensar em alegria, pensar em futuro, em coisas boas. Nunca isto está associado à morte. Mas ela acontece! A história está cheia desses casos; pessoas famosas, ilustres, nobres, plebeus, anônimos e não importantes. Por alguma razão, isso acontece e temos que lidar com os fatos e adaptar os planos e seguir em frente. Já passei por isso em família; meu irmão mais velho, na gestação do primeiro filho, os médicos só puderam salvar o bebê, que minha mãe criou e hoje já é um homem casado com uma filha. Já vi acontecer na igreja, com pessoas próximas da gente! Voces também tem suas histórias e suas experiências. A história de Jacó e Raquel começa com eles se encontrando pertinho da cidade dela, na periferia, perto do poça, quando ele estava à caminho da casa do tio. A história de Jacó e Raquel termina com eles quase chegando em Efrata, que é Belém. Ela entrou em trabalho de parto e teve trabalho no parto. Ela estava se realizando na vida, como esposa, pois teria o segundo filho, depois de anos de luta e busca por conseguir superar sua limitação de esterilidade. Ela estava se realizando como mãe, pois tinha um garotinho e agora, viria o seu irmãozinho e ela teria companhia e a quem dedicar seu tempo e amor materno. Ela se realizaria como serva de Deus, tendo prevalecido com fé e vendo suas orações se materializando. Ela estaria se realizando como peregrina, porque a viagem dos sonhos de sua vida estava chegando ao final; seria a realização espiritual que Jacó lhe falara tantas vezes; ele estava voltando para casa, para sua família e sua terra, que Deus lhe prometera a ele a seus filhos e ela era agora parte disso; só faltava um pouquinho para chegar. Um modo interessante de ver a vida e vive-la bem, e viver um momento de cada vez, na sua integralidade, com paixão, compromisso e determinação. Nenhum de nós nasce com etiqueta de prazo de validade, e como não sabemos o a hora, o modo de tudo terminar, precisamos viver o melhor de Deus todos os dias. Raquel para mim, fica como um exemplo de como podemos estar bem próximo do nosso maior projeto de vida se iniciar, e não vir a se iniciar. Mas ela fez sua parte e se foi, mas como fez bem feito, está firme até hoje e seu testemunho é eficiente. Eu escolho acreditar na sabedoria de Deus e escolho confiar que ele sabe o que faz e porque faz! Não me sinto inseguro, temeroso ou desiludido porque em algum momento tudo vai acabar, ou ser interrompido. Até me divirto otimista: Um dia isso vai acontecer, mas em todos os outros dias, isso não vai acontecer. Então, vou viver e me realizar todos os dias.

Senhor, queremos orar e abençoar os amados irmãos de fé, que passam por um momento difícil pela perda de alguém muito querido, muito especial e que foi recolhido ao lar celestial e ficou um enorme espaço vazio nos corações. Mas oramos para que eles não se concentrem na dor e na perda, mas em ti, que és o autor e sustentador de toda a vida e os teus planos são bons, perfeitos e certos. Que o coração deles acolham o teu amor e a tua sábia decisão. O Espírito Santo irá produzir consolo e vida nova, e vai guiá-los por novos horizontes que tens preparado para eles. Algo novo estará começando e precisamos estar prontos e o Senhor estará conosco sempre, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Inclinaram-se Diante de Esaú

Meditação do dia: 07/03/2020

E chegou também Lia com seus filhos, e inclinaram-se; e depois chegou José e Raquel e inclinaram-se. (Gn 33.7)

Inclinaram-se Diante de Esaú – Tudo o que pensamos e pregamos sobre Esaú é verdade, porque está na Bíblia, mas temos que admitir que temos uma preferencia por Jacó e consequentemente, aprovarmos tudo de Jacó e rejeitar tudo de Esaú. Mas como toda moeda tem dois lados, as pessoas também; com Esaú da mesma forma. Estou pegando um gancho no episódio do encontro deles, para refletir sobre atitudes que podemos melhorar, ou ao menos dar as pessoas a oportunidade de se expressarem. A mais comum para nós é separar tudo e todos em dois lados: De Deus X do Capeta. Imagina-se que tudo que não é do nosso lado, ou do nosso jeito, é do mal e não tem qualquer chance. Mas nossa própria fé nos faz entender que o nosso Deus foi quem criou TODAS as coisas, todas as pessoas, todos os povos, todas as línguas e Ele é Senhor de tudo e de todos em todo tempo, para sempre, amém! Para Jacó, não havia tais distinções, tão somente ele estava correndo atrás de herdar a aliança de bênçãos e ser a origem das muitas nações que Deus havia prometido a Abraão e Isaque e agora, também a ele. Esaú, era seu irmão, e tido como mais velho. Agora que ambos haviam amadurecidos, crescera o respeito um pelo outro. Esaú ainda permanecia zangado e desejoso de vingança, mas Jacó já havia se arrependido e orava buscando uma reconciliação e nessa viagem isso precisava ser confirmado. Não tenhamos dúvidas de que Jacó, contara a suas esposas e filhos as histórias deles, incluindo a que dera razão para que ele tivesse que sair de casa e ir para Harã. Eles então sabiam, que o pai estava aberto ao diálogo e que tinha a promessa de Deus de que tudo daria certo e terminaria em paz, na casa de Isaque seu pai. Havia sim, uma enorme expectativa por parte dos meninos e das esposas Lia e Raquel, de conhecer o irmão peludo, o tio brutamontes e bom caçador e que também tinha muitos filhos e assim seria bom conhecerem muitos sobrinhos e muitos primos. Se olharmos a história com zelo sem entendimento, estaremos sujeitos a encarar os fatos de que a linhagem de filhos de Deus, de justos, se curvaram diante da linhagem de ímpios e profanos. Mas nem em todas as aplicações essa ilustração pode ser efetivamente aceita. Imaginemos um pai de família, que tem cinco filhos, já todos adultos, morando alguns fora, longe e com suas próprias famílias e que se reúnem depois de muitos anos, para uma celebração na casa do pai. A vida se encarregou de leva-los por caminhos diferentes, até mesmo na fé que professam, mas para o pai, são apenas filhos, todos seus filhos, com gostos, preferencias e hábitos diferentes, mas filhos. Essa é uma forma da gente ver as diversas pessoas diferentes de nós por aspectos que não conhecemos, não entendemos e até não gostamos, mas Deus as ama e tem planos para elas. Esaú era tudo aquilo e muito mais, mas era o irmão de Jacó, era o tio dos meninos, o cunhado das esposas de Jacó. o que eles fizeram ao se inclinarem diante dele, era uma questão de respeito e honra, muito valorizado na cultura do Oriente antigo e ainda hoje também. Esaú a essa altura era um chefe de tribo e sendo assim um senhor poderoso e de respeito. Entendemos que o respeito à pessoa e à sua identidade, facilita o testemunho da fé. Sabemos quem somos e o valor que Deus atribui a nós, por causa da obra da redenção. Mas diferentemente do mundo sem Deus, para expressar o nosso valor, não é preciso diminuir o de ninguém! Outras pessoas terem a honra que lhes é devida, não nos desmerece. A boa lição é a ensinada por Jesus: Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser príncipes dos gentios, deles se assenhoreiam, e os seus grandes usam de autoridade sobre eles; Mas entre vós não será assim; antes, qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro, será servo de todos (Mc 10.42-44). Sejamos grandes, do jeito de Deus!

Senhor Deus e Pai, nós expressamos a nossa gratidão e o nosso reconhecimento por todas as oportunidades dadas a nós por tua graça. Queremos muito agradar e ter boas relações com todos, para edificar os irmãos e revelar o teu amor àqueles que não te conhecem bem. Precisamos de sabedoria para discernir a importância dos laços de amizade, fraternidade e como isso pode produzir vida espiritual e glória para o teu santo nome. Oramos por atitudes de servos, nos curvarmos em devoção a ti e respeito e consideração às pessoas que são alvos do teu amor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Por Último, Raquel e José

Meditação do dia: 06/03/2020

E pôs as servas e seus filhos na frente, e a Lia e seus filhos atrás; porém a Raquel e José os derradeiros.(Gn 33.2)

Por Último, Raquel e José – A ordem dos fatores não alteram o produto, foi o que nos ensinaram nos princípios elementares da matemática. Em termos de dualidade otimista/pessimista, tem aqueles que sempre veem o copo meio cheio e os que só o veem meio vazio. Também temos o bloco dos reclamões que nunca estão satisfeitos e querem explicações para tudo e qualquer coisa; qualquer que seja o que for designado a eles é tido como suspeito de não ser a melhor escolha. Quem não ouvir que “não dá para agradar todo mundo!” Pelo lado bom e construtivo, me recordo de uma citação de uma pessoa muito ilustre e culta, que também amava a Bíblia e a tinha em grande estima e um dia confidenciou que nunca estava satisfeito com o lugar em que coloca a Bíblia na sua enorme biblioteca; ele argumentava: Gosto de coloca-la na mais alta prateleira, porque ela sem dúvida é sobre todas as demais obras aqui guardadas. Por outro lado, me agrada coloca-la bem no centro das estantes, porque ela é de fato a centralidade de todo o conhecimento e irradia sua luz aos demais volumes. Por outro lado, ela ficar na mais baixa das prateleiras, me faz sentido também, afinal, ela é o alicerce de todo o saber e acervo que possuo. Que dilema! Estou olhando para as ordens que Jacó deu para alinhar sua família para o encontro com Esaú, seu irmão. Como estamos meditando sobre Raquel, então ela é a peça que nos interessa nos arranjos daquela situação. Podemos começar perguntando: Por que as servas e seus filhos primeiro; Lia e seus filhos em seguida e por último, Raquel e José? Esta sequencia se baseava no amor devotado à família? Na ordem de prioridades? Nas condições físicas e capacidades de lidar com uma possível situação agressiva, por parte de Esaú? Por que Raquel por último? Da minha parte vou facilitar para que vocês tenham seus próprios juízos. É claro que a visão feminina pode diferir da masculina em como avaliar a cena. Particularmente, fico com a idéia de Raquel e seu filho José ficaram no fim da fila, por proteção a ela na condição de gravidez em que se encontrava e José ser o caçula de todos os filhos até então, deveria ser apenas um garotinho. Por outro lado, fazendo uso do pensando do autor e da época, com uma mentalidade oriental, é muito provável que ninguém ali, levava isso para o lado pessoal como o fazemos hoje e reivindicamos direitos e privilégios que nem sempre se justificam. Eles tinha uma consciência e uma noção muito precisa do papel social de cada pessoa na sociedade e no próprio núcleo familiar. A idéia de direitos iguais, crianças, mulheres e ídolos na fila preferencial são arranjos bem recentes. Jesus, anos mais tarde até ensinou, sugerindo sabedoria ao participar de eventos sociais e se expor publicamente. Quando por alguém fores convidado às bodas, não te assentes no primeiro lugar; não aconteça que esteja convidado outro mais digno do que tu; E, vindo o que te convidou a ti e a ele, te diga: Dá o lugar a este; e então, com vergonha, tenhas de tomar o derradeiro lugar. Mas, quando fores convidado, vai, e assenta-te no derradeiro lugar, para que, quando vier o que te convidou, te diga: Amigo, sobe mais para cima. Então terás honra diante dos que estiverem contigo à mesa (Lc 14.8-10). A minha lição do dia é que as vezes uma posição na frente ou atrás, acima ou abaixo, necessariamente não significa nada e não tem a menor importância se sabemos quem somos, e o nosso lugar de fato. Não buscamos ostentação, visibilidade e nem os aplausos das massas; queremos colaborar, ajudar e facilitar as coisas a acontecerem da melhor maneira. Somos chamados para ser bênçãos e criar soluções, não problemas. Também quem vai nos honrar é Deus e isso está mais ligado à humildade do que a capacidades ou merecimentos. As pessoas podem não estar nos desmerecendo e de onde estivermos poderemos fazer o nosso papel.

Senhor, precisamos de humildade para nos colocarmos no nosso lugar e não buscar aprovação dos homens e ser notados como significativos, como os demais querem fazer. Queremos ser bênçãos e construir pontes que ligam e unem as pessoas e permitam o amor e a bondade do Senhor alcançar o máximo de vidas possível. Podendo sermos úteis, está ótimo e se isso glorifica o teu nome, então estamos satisfeitos. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Costume das Mulheres

Meditação do dia: 05/03/2020

E ela disse a seu pai: Não se acenda a ira aos olhos de meu senhor, que não posso levantar-me diante da tua face; porquanto tenho o costume das mulheres. E ele procurou, mas não achou os ídolos. (Gn 31.35)

O Costume das Mulheres – Não são raras as vezes e nem a variedade de meios que as pessoas criam ou aproveitam para valerem-se de condições favoráveis para se livrar de obrigações ou conseguirem privilégios. A criatividade do ser humano nesse sentido é caso para estudo científico. A história consagrou o Cavalo de Tróia, como um ápice da engenhosidade humana para atingir um propósito de forma tão disfarçado que nem os piores inimigos imaginariam tal possibilidade. A bem da verdade, essa criatividade pode estar a serviço do bem e da verdade, não apenas para tirar proveito e provocar destruição. Raquel fez uso da sua condição de gravidez, para sentar-se sobre a bagagem, num momento propício para camuflar seu ato escuso de furtar os ídolos do Pai. Escavações arqueológicas em Nuzi, na Mesopotamia, na região onde Labão vivia, revelou que naquele tempo, a posse confirmada por parte de um genro dos ídolos de seu sogro, eram provas legalmente aceitas de que ele era o herdeiro legal dos bens do sogro. Por seu um costume tão comum e enraizado na cultura local, o escritor nem se deu ao trabalho de explicar sobe tal registro. Daí, se deduz o por quê de toda a fúria e o desejo de encontrar tais ídolos por parte de Labão. Valendo-se da condição de filha mais nova, grávida, com enjoos e tal, ela não ficou na tenda, para “pegar um ar” lá fora e aquela albarda do camelo era um lugar muito confortável e apropriado para uma mulher naquelas condições e ela foi muito carinhosa e jeitosa com o pai que estava estressado com a viagem e com o sumiço dos seus objetos que poderia valer como uma procuração para que Jacó, se apropriasse de tudo o que lhe restara. Outros clássicos semelhantes, nas Escrituras. Samuel quando foi ungir a Davi, para evitar mal estar com o rei Saul, ele organizou um evento de sacrifício com autoridades locais e assim sua ida a Belém, ficou em segundo plano e Saul não se desgastou com ele. Porém disse Samuel: Como irei eu? pois, ouvindo-o Saul, me matará. Então disse o Senhor: Toma uma bezerra das vacas em tuas mãos, e dize: Vim para sacrificar ao Senhor. E convidarás a Jessé ao sacrifício; e eu te farei saber o que hás de fazer, e ungir-me-ás a quem eu te disser (I Sm 16.2,3). Rute, quando chegou a Belém e fez o que a Noemi lhe instruiu para que o parente remidor tomasse conhecimento dela e agisse, também saiu de fininho depois do encontro com Boaz. Ficou-se, pois, deitada a seus pés até pela manhã, e levantou-se antes que pudesse um conhecer o outro, porquanto ele disse: Não se saiba que alguma mulher veio à eira. Disse mais: Dá-me a capa que tens sobre ti, e segura-a. E ela a segurou; e ele mediu seis medidas de cevada, e lhas pôs em cima; então foi para a cidade (Rt 3.14,15). O profeta Jeremias, temendo por sua vida quando estava detido e o rei foi lhe consultar, fez um acordo de como proceder quando os fanáticos viessem tirar satisfação. Então disse Zedequias a Jeremias: Ninguém saiba estas palavras, e não morrerás. E quando os príncipes, ouvindo que falei contigo, vierem a ti, e te disserem: Declara-nos agora o que disseste ao rei e o que ele te disse, não no-lo encubras, e não te mataremos; Então lhes dirás: Eu lancei a minha súplica diante do rei, que não me fizesse tornar à casa de Jônatas, para morrer ali (Jr 38.24-26).

Pai, obrigado pelo dia de hoje e a oportunidade de fazermos o em e andar na luz como o Senhor está na luz. Valorizamos a comunhão e a verdade e agradecemos pela capacidade de fazer o bem e o certo nas nossas atividades e na condução de nossas relações sociais e familiares. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason