As Circunstancias

Meditação do dia 13/05/2019 

 E Jacó cozera um guisado; e veio Esaú do campo, e estava ele cansado;(Gn 25.29)

 As circunstancias – comecemos com a definição: Circunstancia – Particularidade que caracteriza um fato, uma situação e, além disso, aquilo que os acompanham. Situação auxiliar ou detalhe que complementa e define um acontecimento; particularidade. Sendo assim, nessas circunstancias, vou escrever um pouco sobre isso hoje. Tenho minas circunstancias e você tem as suas e algumas delas são tremendamente favoráveis e outras são opostas e desfavoráveis. Tem hora que as circunstancias não ajudam e tem horas que tudo conspira para dar certo. Acredito então que as circunstancias irão acontecer, queiramos ou não, gostemos ou não! Mas elas não podem ser o determinante para nossas ações e atitudes, que precisam ser determinadas pela nossa fé e nosso compromisso com um estilo de vida pré determinado. Assim não ficamos reféns das circunstancias. Olhando o quadro, vamos fazer uso da nossa imaginação e vamos penetrar nos arredores das tendas da família e ali, no quintal, observarmos a cena descrita nas Escrituras. Olha como as circunstancias acontecem e alguém soube manejar as velas e tirar proveito daqueles ventos e alguém foi enlaçado, sem que percebesse que estava assinando um contrato com muitas letras miúdas e cláusulas restritivas, sem ler e nem querer saber que consequências viriam daquilo. Jacó resolveu fazer um cozinhado, uma sopa de lentilhas e caprichou no colorau, ficou vermelhinha, linda e o cheiro era de dar água na boca; era uma receita nova, que nem nome ainda tinha. Justamente quando ficou pronta provavelmente o primeiro prato seria da mamãe, aparece no quintal, pelos fundos o mano Esaú, com cara de cansado, suado, faminto e só pela cara dava para perceber que aquele fora o dia da caça e ele não se deu bem. Ele estava ali, atraído e seduzido pelo aroma daquela comida e tinha bastante para os dois e mais alguém ainda. Aqui está uma visão de duas pessoas – uma carnal e outra espiritual, ou se preferir, uma que vive pelo momento atual e outra que tem planos para o futuro. Esaú foi logo pegando o prato e a concha e levou um tapão naquela mãozona cabeluda: Qual é cara, tô azul de fome e aqui tem muita comida! Disse Esau! Jacó falou: “Olha se eu tenho se eu tenho cara de Madre Teresa de Calcutá – ou na tenda ali tá escrito Exército de Salvação?” Aqui business meu irmão, eu vendo! Diante das circunstancias, Esaú rendeu-se a elas e se propôs a comprar pelo preço que fosse pedido, agora mais uma questão de honra do que de sobrevivência. Jacó pediu alto, muito alto e provavelmente o prato de sopa mais cara da historia da humanidade e Esaú topou pagar. Uma história tão desastrosa como essa encontramos no rei Saul, que segundo ele, forçado pelas circunstancias, fez o que não devia ter feito e perdeu o reino. “Então disse Samuel: Que fizeste? Disse Saul: Porquanto via que o povo se espalhava de mim, e tu não vinhas nos dias aprazados, e os filisteus já se tinham ajuntado em Micmás, eu disse: Agora descerão os filisteus sobre mim a Gilgal, e ainda à face do Senhor não orei; e constrangi-me, e ofereci holocausto” (I Sm 13.11,12). Nos dias de Davi, o sacerdote Uzá, forçado pelas circunstancias tocou na Arca da Aliança e o resultado não foi nada agradável: “E, chegando à eira de Quidom, estendeu Uzá a sua mão, para segurar a arca, porque os bois tropeçavam. Então se acendeu a ira do Senhor contra Uzá, e o feriu, por ter estendido a sua mão à arca; e morreu ali perante Deus” (I Cr 13.9,10). Todos os dias somos assediados por circunstancias que se não tivermos discernimento espiritual e determinação em Deus sobre o que somos e o que queremos ser, seremos forçados pelas circunstancias a fazer coisas das quais nos arrependeremos amargamente no futuro, ou no mínimo, deixaremos de fazer coisas melhores.

 

Pai, obrigado por permitir que tenhamos oportunidades de escolhas e mesmo diante de pressões e adversidades, podemos fazer boas escolhas como Jesus fez. Podemos honrar ao Senhor com atitudes maduras e edificantes. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Anúncios

O Preferido do Papai e o da Mamãe

Meditação do dia 12/05/2019 

 “E amava Isaque a Esaú, porque a caça era de seu gosto, mas Rebeca amava a Jacó.(Gn 25.28)

 O preferido do Papai e o da Mamãe – Escrevi uma meditação no início do ano, sobre esse mesmo versículo, quando meditávamos sobre a pessoa de Isaque. Não o fiz quando escrevemos sobre Rebeca, para não se fazer uma mera repetição ou uma versão feminina do ponto de vista dos pais. Agora, ao escrever sobre os filhos, vou me aventurar por essas veredas. Minha idéia e intenção é pensar com vocês sobre o efeito dessa preferencia na vida dos próprios filhos. Já sabemos que “o mesmo sol que endurece o barro, também amolece a cera.” Assim, a atitude dos pais sobre os filhos, podem acarretar reações diferentes em cada um e ainda que eles pensem que não estão interagindo de forma significativa no comportamento e formação dos filhos, mas estão sim. Nenhum filho de boa saúde mental e emocional, se sente prejudicado por não igualar-se aos pais em alguns aspectos da vida. Na verdade admiramos muito os esforços e as habilidades deles, que na maioria das vezes com muito menos recursos disponíveis, fizeram grandes coisas. Agora que somos geração consumada de um e dois filhos e passamos apertados para suprir e prover bem para eles; olhamos para trás e temos que concordar, que nossos pais, com cinco, seis ou até oito ou dez filhos, em condições muito mais difíceis, fazia milagres e eles “se viravam nos trinta” para manter o equilíbrio e o bem estar daquele esquadrão. E mantinham, diga-se de passagem. Agora, um irmão perder ou ficar em desvantagem para outro(s) irmão(s) aí já é demais! A grande rivalidade entre irmãos é saudável e acredito que até deve ser estimulada pelos pais; só prestando atenção para ilegalidades, deslealdades e trapaças ou ofensas. El algumas culturas, incluindo próximas de nós, como de imigrantes europeus e asiáticos que vieram para cá; em muitos casos, eles trabalhavam duro em serviços manuais ou pequenos ofícios ou mesmo na agricultura e os pais se sacrificavam até que o mais velho se formasse em uma boa profissão e arrastava então os próximos irmãos, bancando-os até também chegarem ao topo e começasse a ajudar no processo, até chegar nos mais novos e então todos aliviavam os pais já na velhice. Temos muitas dessas histórias. Isaque gostava do campo, da caça e desse estilo de vida e Esaú veio com essas habilidades e gostos, e é claro que cativava o coração do pai. Jacó, era caseiro, gostava da vida mais simples e servia de grande companheiro para a mãe, que o apreciava e lhe dava mais atenção. Não posso dizer como, pois não sei, mas o legado sacerdotal, ministerial que Isaque, o sacerdote da família e do clã, teria que passar para os filhos, não incrustrou em Esaú, que não valorizava questões espirituais e a herança das alianças entre Deus e seus ancestrais. Jacó, se revelou mais apegado às profecias, talvez até por influencia da mãe, que vestia o sonho de ser mãe de nações herdeira das promessas de Deus a Abraão e Isaque e teria que passar para frente. Esaú sempre se envolveu com as coisas do presente, com a satisfação do agora; enquanto Jacó olhava para o futuro e para aquilo que só poderia ser visto pela fé e estava disposto a sacrificar o agora pelo futuro. Todos, vivemos num mundo passageiro, uma vida fugaz, efêmera e frágil, mas pela fé somos herdeiros de um mundo eterno, firme, inabalável e uma vida igualmente eterna em quantidade e qualidade, e a escolha de investimento em uma ou em outra está aberta diante de nós e de nossos filhos diariamente. Nossa influencia fará diferença neles e em suas escolhas!

 

Pai da eternidade, Príncipe da Paz. Maravilhoso, Conselheiro e Deus forte! Assim és apresentado a nós nas Escrituras e não é sem razão. Guia, oh! Senhor os nossos corações aos verdadeiros valores da vida, por amor do teu filho Jesus, o nosso Senhor. Amém.

 

Pr Jason

Perícia e Simplicidade

Meditação do dia 11/05/2019 

 “E cresceram os meninos, e Esaú foi homem perito na caça, homem do campo; mas Jacó era homem simples, habitando em tendas.(Gn 25.27)

 Perícia e Simplicidade – Como já escrevi em vezes anteriores, nossas escolhas revelam nosso caráter e outras coisas mais. Quero pensar aqui em poucas palavras duas expressões que qualificam esses dois garotos. Um era perito caçador – o outro é homem simples. Por si só, são expressões que não dizem muita coisa, afinal numa época em caçar era normal e necessário para levantar o sustento da família e alguns até faziam disso a sua profissão, alguns se destacariam como bons caçadores e outros seriam, digamos amadores, levantavam o sustento necessário, ou até mesmo o faziam por lazer o esporte. Ismael, o meio irmão de Isaque era um flecheiro notável . “E era Deus com o menino, que cresceu; e habitou no deserto, e foi flecheiro” (Gn 21.20). Na antiguidade, anterior a Esaú e Jacó ou Ismael, já haviam bons caçadores. O mais distinto registro bíblico disso é sobre a pessoa de Ninrode, bisneto de Noé, no tempo da torre de Babel. “E Cuxe gerou a Ninrode; este começou a ser poderoso na terra. 9
E este foi poderoso caçador diante da face do Senhor; por isso se diz: Como Ninrode, poderoso caçador diante do Senhor” (Gn 10.8,9). Ele foi o primeiro homem a se impor pela força e por sua perícia e assim começou a amealhar seguidores, terras e montar reinos. Segundo a tradição e até os registros que fizeram dele um ícone da mitologia, por ser tão hábil na montaria, ele até parecia formar uma única unidade com o cavalo; criando assim a figura mitológica do Centauro, que simboliza o signo de Sagitário dos horóscopos. Mas eu desejo lidar com outro aspecto, que diferencia a vida espiritual e o modo de se lidar com as questões da vida. Um perito, é alguém bom naquilo que faz, é um especialista, alguém que domina que precisão e habilidade aquela arte ou ofício. Se torna uma autoridade naquela área. Nada de errado nisso, ao contrário, é uma bênção e faz parte dos dons e talentos dados por Deus para que sejam desenvolvidos. Se alguém precisa de uma cirurgia delicada, digamos cardíaca ou neuro e tem indicações de peritos bons e renomados e um sem referencias e até restrições… qual escolheria? O perito é claro! Quando trazemos a questão para o campo espiritual, entendemos que Deus também tem pessoas peritas em questões espirituais, mestres, pregadores, pesquisadores, cartógrafos, intercessores, etc. o ruim reside quando se perde a dependência de Deus e a obediência as orientações da Palavra, da oração e da comunhão com o corpo de Cristo. Homens simples, confiam menos em si mesmos e mais na graça de Deus. Eles se especializam em buscar a vontade de Deus e primar por seguir fielmente esses preceitos, pois sabem que por eles mesmos não podem muito, ou nada. Eles não tem razões para confiar em seus dotes, talentos e habilidades. Os peritos também podem ser dependentes da graça de Deus e se manterem humildes e consagrados, mas o desafio para eles é maior, porque eles podem agir e sabem que podem fazer um bom trabalho. Quem acompanha a vida e a história de Jacó e Esaú, podem ver ao longo de suas vidas como foram suas escolhas e como foram os resultados. Você e eu, somos homens simples, que habitam em tendas, ou somos peritos em nossas áreas?

 

Senhor, obrigado por seu o Deus do conhecimento, das artes, das ciências e nada disso contradiz o teu amor e bondade. Consagramos o que somos e o que temos, porque foi recebido de ti, para ser instrumentos de bênçãos e construção do reino de amor e salvação. Queremos ser bênçãos ao utilizarmos os dons, talentos e habilidades com os quais fomos agraciados por ti. Que sejam instrumentos de construção e amor. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

 

Os Filhos e Suas Aptidões

Meditação do dia 10/05/2019 

 “E cresceram os meninos, e Esaú foi homem perito na caça, homem do campo; mas Jacó era homem simples, habitando em tendas.(Gn 25.27)

 Os Filhos e Suas Aptidões – Dizem que uma das coisas mais desiguais que existe em família é os pais insistirem em tratar todos filhos de forma igual. É até divertido, hoje como adulto lembrar cenas dessa filosofia paterna. Um fazia algo errado e todos levavam uma boas varadas, as vezes o menorzinho levava menos, ou mais brandas. Justificativas: para que uns não riam do outro que apanhou! Ou quando o dono da arte não se apresentava, sobrava para todos, indistintamente! Em alguns arraiais, o mais velho pagava por tudo sozinho. Um sistema de justiça linear, se torna injusto, por não reconhecer e diferenciar a conduta individual. Mas isso é passado. Nossos filhos, são presentes de Deus e cada um tem sua própria marca. Cada um de nós é criado único e precioso e dotado de certos dons e habilidades para que ele se realize como pessoa e realize as tarefas que o tornam único e útil ao seu grupo social. Muitos dos nossos filhos vão ter as mesmos habilidades profissionais, intelectuais ou habilidades manuais dos pais e outros não. Os dois filhos de Isaque vieram com personalidades distintas e viviam num mundo árido e rústico, mas com qualidades distintas que os tornam especiais para os pais e para os projetos da aliança de Deus com os patriarcas. Esaú gostava de caçar, portanto gostava do campo, do mato e isso cria um estilo de vida próprio. Jacó era homem simples, gostava de estar em casa, e se sentia confortável vivendo em tendas. Para um, cortinas e paredes aprisionava e sufocava! A vida para ele estava no ar livre, nos bosques, nos desafios de espreitar a caça e viver de forma rústica. Jacó, estava satisfeito com o que a fazenda produzia e ali podia colher e fazer seus experimentos na cozinha com mãe e os servos. Que mãe não fica orgulhosa de ver os dotes culinários do filho e daquela companhia constante e compartilhar os mesmos gostos e fazer aventuras pelo mundo dos sabores, temperos e criar novas combinações? Para um pai fazendeiro, ter um filho “cabra macho” que gosta do campo, da caça e das aventuras era um orgulho. Hoje, quantas possibilidades há para que os filhos possam expressar seus talentos e habilidades? Nosso mundo está andando a passos largos no desenvolvimento e muito do que conhecemos e fazemos, em poucos anos será completamente obsoleto e ou não existirá mais. Mas, como diz a Palavra de Deus, o mundo passa e tudo o que está nele também, mas a vontade de Deus permanece para sempre. “E o mundo passa, e a sua concupiscência; mas aquele que faz a vontade de Deus permanece para sempre.” (I Jo 2.17). Os pais precisam se manterem focado nos valores eternos, na fé e no compromisso com Deus e passar para seus filhos um legado bom e duradouro, que não passa e não se altera com as inovações cíclicas do mundo. A igreja sempre esteve aqui, antes através do povo de Deus e depois como Corpo de Cristo e sofreu, lutou, foi combatida e perseguida, mas sempre foi triunfante e sempre será. Todas as gerações do povo de Deus prevaleceu no seu tempo e passou o bastou para frente. Este é o nosso tempo. Essa é a nossa vez! Recebemos e passáramos adiante um legado de fé e uma compromisso eterno, com um Deus eterno como herdeiros de um reino eterno.

 

Senhor, obrigado por nos dar filhos e serem eles os instrumentos para que as tuas realizações aconteçam no devido tempo. Graças te damos porque nunca ficamos sem verdadeiros e bons representantes na terra e o teu poder seguirá guiando e governando tudo, como sempre, com sabedoria, graça e amor. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Os Meninos Cresceram

Meditação do dia 09/05/2019 

 “E cresceram os meninos, e Esaú foi homem perito na caça, homem do campo; mas Jacó era homem simples, habitando em tendas.(Gn 25.27)

 Os Meninos Cresceram – É tudo o que os pais querem após o nascimento dos filhos é que eles cresçam. E como crescem rápido! Quando pensamos em crescimento, temos uma oportunidade muito grande de comparação da vida natural com a vida espiritual e com isso muitas aplicações práticas e boas. Começamos pelo simples fato de que o crescimento é natural e esperado na vida das crianças, exceção apenas para situações de anomalias, como doenças, acidentes e outros fatores que não são programáveis e muito menos esperado. Numa família com boas condições como era o caso de Isaque e Rebeca, com bons recursos, fartura de alimentos, segurança e apoio familiar, em todos os sentidos era natural que eles crescessem. Na vida espiritual, também iniciamos a jornada pelo nascimento, só que aqui, o nascimento espiritual, ou o novo nascimento, a regeneração, como queira fazer uso do termo. Não há como entrar na vida espiritual sem o nascimento espiritual, foi o próprio Senhor Jesus quem disse isso: “Jesus respondeu, e disse-lhe: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus” (Jo 3.3,5). Vamos simplificar os conceitos aqui, “O Reino de Deus” é o plano de Deus, a vontade de Deus para nós. Então eu não posso VER ou ENTRAR nesse plano de Deus para mim, sem nascer de novo. Claro, o reino é espiritual e sem nascer espiritualmente não tem como fazer parte disso. Após o nascimento segue-se etapas naturais da vida que são, comer, aprender a andar, crescer e ser adulto. Cinco passos: Nascer, Comer, Andar, Crescer, e Ser Adulto. Não dá para trocar a ordem desses passos e muito menos pular algum. Assim, é na vida física de um bebê e assim é na vida espiritual de um novo convertido. Muito do que as crianças aprendem é por meio da observação e repetição do que os demais membros da família fazem. Como todo mundo fala, eles são estimulados a emitir sons até articulá-los em palavras. Todo mundo anda de pé, então eles tendem a querer fazer e são incentivados e premiados pelas tentativas até “dandar pela primeira vez!” Imagine a responsabilidade espiritual dos membros da igreja para com a influencia na vida dos novos irmãos na fé. eles vão fazer e copiar os irmãos por mais que o pastor ensine boas doutrinas e boas práticas de vida. O ambiente familiar é crucial para a formação interior das crianças, como a atmosfera espiritual e de comunhão numa congregação local o é para os novos convertidos. É impresso na mente e no coração aquilo que se transpira na convivência diária. Para não irmos longe demais, pensemos no quão importante é o papel de cada um individualmente na obra que Deus está fazendo na vida de cada novo irmão na fé. Quanto maior a nossa influencia, maior a nossa responsabilidade.

 

Pai, obrigado por fazermos parte de uma grande família, com muitos filhos, todos destinados a serem conformes à imagem do teu filho Jesus. Como igreja, somos o ponto inicial da caminhada de tantos novos irmãos que foram comprados pelo sacrifício de Cristo na cruz e foram inseridos em nossa congregação local para ajudarmos no crescimento e desenvolvimento deles para crescimento do reino e glória do teu santo nome. Obrigado, pela oportunidade de participar desse discipulado. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Seu Nome, Jacó

Meditação do dia 08/05/2019 

 “E depois saiu o seu irmão, agarrada sua mão ao calcanhar de Esaú; por isso se chamou o seu nome Jacó. E era Isaque da idade de sessenta anos quando os gerou.(Gn 25.26)

 O Seu Nome, Jacó – Já falamos bastante em meditações anteriores sobre os critérios que os pais utilizam para dar nomes aos seus filhos. Uns são criativos, inventivos e outros vão pela sonoridade de uma palavra e muitos outros partem para as homenagens de todos os tipos. Isso tem um forte componente cultural e quanto mais os anos vão se passando e a globalização se confirmando como uma oportunidade de uma grande aldeia quase sem fronteiras, isso dá acesso a uma gama de conhecimentos e aspectos de outras culturas que passam a ser admiradas e copiadas – e os bebês carregam essas marcas impostas pelos pais. Na antiga cultura hebraica bíblica, estaríamos lidando com os primórdios da civilização e ali estavam nascendo as nações e culturas que hoje consideramos antigas, firmes e influenciadoras, como é o caso da hebraica. Que segundo nos consta o Livro de Gênesis, esse nome vem de Héber tetraneto de Noé e sete gerações antes de Abraão. Para nós brasileiros que nascemos em 1500 d.c. eles são mesmos antigos. Voltando a nossa tese, Isaque e Rebeca escolheram o nome Jacó para o segundo filho, pela conduta, se assim pode ser chamado, ao nascer já vir segurando o calcanhar o seu irmão. Pareceu algo significativo, e visto como trapaça, ou seja, ele já escolhera “pegar uma carona” já que iriam para o mesmo lugar e assim ele economizaria esforços no seu primeiro trajeto de vida. Como os pais já estavam monitorando todos os movimentos deles, antes mesmo de nascerem, porque havia uma profecia sobre rivalidade e supremacia de um contra o outro. Entendemos e sabemos que eles também sabiam, que ao dar um nome a um filho, isso se tornaria determinante para a vida, o caráter e as características da pessoa. Começando pela repetição contínua da palavra ao chamar a criança. Assim todas as vezes que a criança é chamada ou seu nome é citado, se reafirma aquela verdade que o nome significa. Assim, nomes fortes, positivos, construtivos e abençoadores, sempre serão favorecidos. Mas não estamos dizendo que isso por si só é a fonte do sucesso e da prosperidade. Nada substitui a boa criação, com bons princípios, boa educação, bons exemplos e muuuuuuita disciplina e aplicação dos princípios da Palavra de Deus. Como a própria história de Jacó vai nos contar, um dia, a pessoa precisará ter uma experiência de encontro com Deus que a transformará de fato e de verdade, para realizar o projeto para o qual ela foi criada. Eu creio nisso.

 

Senhor, obrigado por prometer que na eternidade, todos receberemos um nome novo que só o Senhor e quem o recebe, sabe. Te louvamos por estar sobre nós a autoridade e o poder do nome mais poderoso do universo, o nome de Jesus, que alcançou isso pelo seu nascimento, pela sua obra e pelo consentimento do Pai, assim se tornando o nome sobre todo o nome, para o qual todo joelho se dobrará e toda língua confessará que ele é Senhor para glória de Deus Pai. A ele, nosso louvor, honra e glória em todo tempo, amém.

 

Pr Jason

Gêmeos

Meditação do dia 07/05/2019 

 E cumprindo-se os seus dias para dar à luz, eis gêmeos no seu ventre.(Gn 25.24)

 Gêmeos – Esse fenômeno já foi visto em algumas épocas e culturas, como algo não bom. Hoje, tudo indica que já é uma questão superada e até se comemora muito o nascimento de gêmeos numa família. Os mais aguardados e apreciados são os univitelinos, ou gêmeos idênticos. Ver tudo em dobro em casa deve ser uma experiência e tanto. Foi essa a cena que finalizou a espera de Rebeca e Isaque desde que ficaram sabendo que duas nações e dois povos já travavam lutas no ventre da mãe. Eles poderiam ter passado a esperar gêmeos mesmos, mas também poderiam ter a expectativa de uma criança e à partir dela essas profecias viessem a se desenrolar em nações conflitantes. Poderia ser que tal qual Abraão, terem apenas um herdeiro e ele nos dias terem dois que seriam os herdeiros naturais mas também desse profecia. Qualquer que fosse a expectativa dos pais, vieram gêmeos e o segundo a nascer já veio agarrado ao calcanhar do irmão, o que já despertou curiosidade sobre ele. Futuramente, viemos a entender que dentro de sua multiforme sabedoria, Deus faz escolhas e nos torna participantes de sua graça independente de merecimentos ou ações nossas que poderiam indicar tendências ou créditos. Ele é soberano e age como tal e nesse condição não precisa explicar nada; embora nossas cabeças ocidentais não goste nada disso. “Porque, não tendo eles ainda nascido, nem tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não por causa das obras, mas por aquele que chama), Foi-lhe dito a ela: O maior servirá ao menor. Como está escrito: Amei a Jacó, e odiei a Esaú. Que diremos pois? que há injustiça da parte de Deus? De maneira nenhuma” (Rm 9.11-14). Lembrando que foi Deus mesmo que dissera a Rebeca que os meninos iriam se tornar nações, que iriam se rivalizar e que o menor teria vantagens sobre o maior. Já estava escrito.

 

Obrigado Senhor por guiar nossas vidas e nossos ministérios. Nosso desejo é te agradar e andar por caminhos que leve o teu reino a ser estabelecido conforme está profetizado. Assim, a tua glória será sempre engrandecida. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Duas Nações e Dois Povos Divididos

Meditação do dia 06/05/2019 

 “E o Senhor lhe disse: Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor.(Gn 25.23)

 Duas Nações e Dois Povos Divididos – Essa foi a resposta que Rebeca recebeu de sua consulta a Deus sobre os acontecimentos em seu ventre. Ela estava gestando duas nações e dois povos que se dividiriam e um prevaleceria contra o outro; o que seria tido por maior serviria ao menor. Uma mãe recebendo uma profecia dessa, tem muita coisa para guardar no coração e manter observações constantes sobre os acontecimentos e comportamentos dos filhos. Ela receber a notícia de que seria mãe de duas nações, era uma excelente notícia e fazia parte do contexto de bênção familiar que recebera ao sair de casa anos atrás para se casar com Isaque. De agora em diante vamos observar e meditar sobre a vida e os acontecimentos do patriarca Jacó, posteriormente Israel. Um elemento muito rico em termos de devocionais, pois ele foi uma pessoa que experimentou de tudo que essa vida pode oferecer a um homem. Tão dedicado a sua fé e às raízes daquilo que seu pai e seu avó cultivaram, mas com uma dose extra de pessoalidade e também o gosto meio amargo de enfrentar um irmão que rivalizava o tempo todo e foi algoz por muitos anos. Ao olharmos as histórias dos personagens na nossa Bíblia, podemos nos identificar com vários e em muitos dos seus próprios aspectos, pois são histórias de pessoas que também serviram a Deus, viveram em contextos de sofrimentos, perseguições, tiveram dramas pessoais e familiares, sofreram perdas, alcançaram vitórias, tiveram respostas poderosas de orações e também ouviram o silencio de Deus. Nada que eu e você não saibamos ou não estejamos enfrentando ou tenhamos enfrentado. Mas como diz o texto de Romanos: Porque tudo que dantes foi escrito para nosso ensino foi escrito, para que, pela paciência e consolação das Escrituras, tenhamos esperança (Rm 15.4). Cheios de esperança de encontramos bons momentos com a Palavra de Deus, abramos os nossos corações para conhecer mais sobre o nosso próximo patriarca.

 

Senhor, com boas expectativas iniciamos nossas meditações sobre a vida e o ministério de Jacó; alguém que andou contigo em aliança de fé e obediência e através dele as promessas feitas e confirmadas aos demais patriarcas se transformaram em uma nação. Ilumina os nossos corações para aprendermos e crescermos em fé diante de ti e sermos bênçãos em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Prestação de Contas

Meditação do dia 05/05/2019 

 “E o servo contou a Isaque todas as coisas que fizera.(Gn 24.66)

 Prestação de contas – Fechando essas meditações nos baseando na vida e na pessoa do Mordomo Eliézer, e faço questão de registrar com M maiúsculo a palavra mordomo, por se referir a esse literalmente “servo de Deus” e um exemplo de excelência no servir. Não quero pensar nele como “imagina se ele fosse um pastor, um apóstolo, ou um líder…” quero me concentrar nos fatos: Deus o chamou para ser um servo, um mordomo e ele o foi no melhor sentido que essa palavra possa expressar. Alguém diria para contestar: “Ah! Mas ele foi servo de Abraão! Aí, até eu!” Não se é não! Estaríamos discutindo a excelência e a bondade, generosidade de Abraão no trato com seus servos e etc. Aqui vimos o trabalho, a dedicação e ministério de excelencia que ele fez na sua função. Certamente ter um pessoa boa, honesta, justa e temente a Deus como senhor é melhor que uma pessoa ímpia e má. Mas quero dizer que o cumprimento do chamado tem à ver conosco mesmo e não com as pessoas, a sociedade e ou líderes acima, ao lado e abaixo de nós em quaisquer níveis. Obadias, nos tempos do profeta Elias, era mordomo de Acabe e Jezabel e mesmo assim ele foi notável e fiel, salvando vidas preciosas escondendo e alimentando-os em cavernas. “E Acabe chamou a Obadias, o mordomo; e Obadias temia muito ao Senhor, Porque sucedeu que, destruindo Jezabel os profetas do Senhor, Obadias tomou cem profetas, e de cinqüenta em cinqüenta os escondeu numa cova, e os sustentou com pão e água” (1 Rs18.3,4). Obadias respeitava Acabe, mas TEMIA a Deus, percebe a diferença. Nos dias apostólicos, Paulo exortou a seu pupilo Timóteo: “Mas tu, sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério” (2 Tm 4.5). Sofrimento, oposição, perseguição e tudo mais, sempre existiu e não é novidade dos dias da igreja moderna e pós moderna. Assim como é maravilhoso e muito íntimo o chamado no indivíduo, só a própria pessoa sabe e as demais só podem confirmar aquilo que Deus colocou no coração. Podem até trabalhar contra e tentar convencer a desistir, trocar ou esquecer… mas quem é chamado de verdade sabe que não presta para mais nada. Poderá se dar bem, ser bem sucedido e famoso em outras áreas, mas nunca estará realizado no íntimo. Eliézer chegou da viagem e prestou contas de tudo o que aconteceu. Palavras simples mas que significam muito. Ele poderia simplesmente chegar e dizer: “aqui estão os servos que me acompanharam, todos bem e em boas condições; aqui estão os camelos, saudáveis e bem cuidados; aqui está a moça, pode ver que é bonita e no mais é o senhor que vai dizer…; aqui estão os excedentes de dinheiro, joias, presentes, armas, provisões e etc. tudo em ordem, conferido e entregue.” Mas fidelidade vai muito além de números exatos, cuidados precisos e responsabilidades assumidas. Fazer o que se espera, é ser inútil. Deus nos concedeu mais que a posição de servos! É justo oferecermos mais que serviço de servos! Eliézer, quero tomar um café contigo daqui uns tempos, sou seu fã!

 

Senhor, obrigado por servir no teu reino!

 

Pr Jason

Aquele é o Meu Senhor

Meditação do dia 04/05/2019 

 “E disse ao servo: Quem é aquele homem que vem pelo campo ao nosso encontro? E o servo disse: Este é meu senhor. Então tomou ela o véu e cobriu-se.(Gn 24.65)

 Aquele é o Meu Senhor – Até gostaria de ser um escritor talentoso, quem sabe um romancista, para fazer descrições de arrebatar o fôlego dos leitores, deixando-os em suspense na cena em que Rebeca e Isaque finalmente irão se verem pela primeira vez. Tem todos os elementos para isso, só me falta o glamour para descrever. O mordomo já conhecera obviamente a moça e sabia que ela simpática, bonita, elegante, atenciosa, generosa, ativa em tomada de decisões e agradaria com sobras o seu senhor. Os dois interessados principais, dava vantagens para Rebeca que deve ter conversado com o mordomo e os demais da caravana e tinha alguma idéia em formação e ao se apresentar pessoalmente aquilo se confirmaria ou não. Mas o noivo estava completamente desprovido de informações. O seu mordomo poderia chegar a qualquer dia ou demorar mais; poderia estar vindo sem ninguém, pois não houve aceitação da proposta por parte da moça; ou não havia moça para aceitar ou rejeitar a proposta; ele poderia estar trazendo uma moça – mas que tipo de moça!? Aqui os leques de opções se abrem tanto quanto a imaginação alcançar. Temos que nos convir que ser humano não é fácil! Não saber nada do futuro só não é tão ruim, porque é igual para todos. Não ter controle algum sobre eventos que irão influenciar a nossas vidas, nos deixa nervosos, ansiosos e não raros preocupados. Aqui deve entrar o elemento diferencial do filho de Deus – a fé! a única elemento que Isaque tinha que o podia manter equilibrado e saudável durante a espera longa e angustiante era a sua fé. aqui estamos falando de fé prática, capaz de transformar um quando emocional avassalador, em momentos de serenidade e confiança plena de que alguém lá em cima gosta de mim e está cuidando para que tudo aconteça da melhor forma, para o propósito principal, para o reino e pessoalmente. É ruim quando o cristão encara situações onde ele não vê a graça de Deus e apenas o sofrimento e as limitações. Então se consola com a esperança que o seu sofrimento de alguma forma produzirá algo positivo. Ou quanto não se admite conhecer pela fé as alternativas que Deus escolherá para seu futuro; assim sem esse controle a ansiedade toma conta e o cristão vivendo pelas emoções é horrível, porque o justo vive pela fé. Quem vive pelas emoções, quando elas são boas então significa que estou na benção e na direção certa. Quando as coisas vão mal, algo está errado ou a insegurança aperta, porque não sabe qual a direção a seguir e muito menos se há uma direção. O mordomo sabia da vida de oração de Isaque e sabia bênção de Deus em prosperar as coisas para ele. Se temos que ter um senhor em nossas vidas, que seja alguém de quem possamos nos orgulhar de servir e como Eliezer poder dizer com satisfação: “Este é meu senhor!”

 

Obrigado Senhor, por guiar e oferecer oportunidades de escolhas e ainda assim continuar sendo que és. Somos realizados com nossa posição de servos e mordomos no teu Reino, isso só nos dignifica e nos permite te conhecer mais e assim poderemos servir-te com excelência a cada dia. Obrigado, em nome de Jesus, amém.

 

 

(PS: As irregularidades na sequencia das meditações são devido ao meu atual estado de saúde. Me submeti a uma procedimento para extrair um cálculo alojado entre os rins e a bexiga e foi tudo bem, mas após a retirada do cateter estou tendo crises seguidas de infecções que mantém febre sempre por perto e isso está limitando todas as minhas atividades. Tenho contato com o apoio da Igreja e obreiros e sou grato por isso. Espero muito em breve estar em plena forma e até mesmo em condições de produzir melhores textos, para glória do Senhor. Conto com vossas orações também. Obrigado.)

 

Pr Jason