O Povo Que Conhece o Seu Deus

Meditação do dia 20/06/2017

 Dn 11.32 – E aos violadores da aliança ele com lisonjas perverterá, mas o povo que conhece ao seu Deus se tornará forte e fará proezas.

 O povo que conhece o seu Deus – Pela páginas das Sagradas Escrituras, o cristianismo não tem característica de religião, e sim de um relacionamento com Deus. Algo bem pouco citado na Bíblia é a tal da religião. Desde o Jardim do Éden, Deus se manifestava primeiro à Adão e depois com a chegada de Eva, ao casal e tinham um relacionamento de amizade, comunhão e muita afinidade. Os humanos sabiam que eram criaturas, criadas por aquele Ser que se revelava e com quem tinham vínculos e o obedeciam sem preocupação de quem mandava em quem e se obedecer seria um ato de inferioridade e de se deveria buscar a independência. Seguir instruções seria uma boa maneira de preservar as conquistas e o aprendizado; para quem tinha vida eterna e interagia com o Todo Poderoso, não havia porque não ser feliz desenvolver todo o seu potencial. Mas algo aconteceu e dali para frente, parece que tudo deu errado! A confiança deu lugar a desconfiança, a segurança perdeu para o medo e amizade foi substituída por uma relação formal e distanciada. Alguém criado à imagem e semelhança divina, agora produziria uma linhagem de descendentes à sua própria imagem, caídos e depravados e assim o caminho para o distanciamento estava sendo pavimentado. De lá para cá, não basta apenas estudar a história, podemos pegar um contexto mais imediato, o da nossa própria história e os círculos próximos de nós. Para a maioria, Deus está distante, e alguns chegam a duvidar de sua presença e outros de sua existência; alguns são tão indiferentes que até aceitam um possível fato de que Ele exista, mas que se desinteressou por esse pedaço do universo e essas criaturas, que estão à deriva, por conta própria; então é cada um por si e salve-se quem puder. Quando se fala em conhecer a Deus, já se pensa em pesquisa, consultar livros, manuscritos antigos, ver a opinião de renomados teólogos e suas teorias do absurdo e da conspiração; ou porque não, divisá-lo na criação e suas inúmeras possibilidades? Os hebreus antigos, cederam lugar aos judeus e israelitas modernos, que afiram uma teologia e uma história onde prevalece uma aliança entre o ancestral mais antigo da linhagem, Abraão, e assim eles detém os direitos de ser o povo de Deus e ter a Cidade de Deus, ter o Messias prometido, e os oráculos da verdade. O resto é resto! A igreja que biblicamente é o novo povo de Deus, a oliveira brava enxertada na original, para que os propósitos eternos do conhecimento de Deus abençoasse a todas as famílias da terra, também recebeu a visita do mesmo que visitou Adão e Eva no Jardim e ouviu de novo a promessa da maça importada, de poder e prestígio com independência e lá vamos nós de novo… Mas sempre há um remanescente fiel…”E da que coxeava farei um remanescente, e da que tinha sido arrojada para longe, uma nação poderosa; e o Senhor reinará sobre eles no monte Sião, desde agora e para sempre (Mq 4.7). O povo que conhece o seu Deus, será capaz de produzir feitos maravilhosos, porque o poder pertence a Deus e ele o distribui generosamente àqueles que o buscam e se consagram a servir a Deus e não servir-se a si mesmo ou aos seus caprichos e desejos egoístas. Jesus deixou isso muito claro momentos antes de retornar ao céu. Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até aos confins da terra (At 1.8). Vendo a narrativa do capítulo onze inteiro de Daniel, transparece muito claramente que ainda veremos um rei poderoso no mundo, com linhagem hebraica, renegando a sua fé e a fé de seus pais e seus compromissos com o Deus verdadeiro ou qualquer Deus, comprando gente e distribuindo benesses para alcançar objetivos perversos. Mas o meia legal de tudo isso, é que está escrito que tudo o que tem que acontecer, terá que acontecer, porque está escrito e determinado. E este rei fará conforme a sua vontade, e levantar-se-á, e engrandecer-se-á sobre todo deus; e contra o Deus dos deuses falará coisas espantosas, e será próspero, até que a ira se complete; porque aquilo que está determinado será feito” (Dn 11.36). Voce, verdadeiramente conhece o seu Deus?

Pai, a menos que te reveles a nós, teremos apenas informações a teu respeito, pois és grande e inalcançável ao nosso entendimento. Obrigado por enviar-nos o teu santo Espírito para nos guiar a toda a verdade. Abra, o Pai, os olhos do nosso entendimento para verdadeiramente conhecermos a ti e assim servir de coração e alma, em espírito e em verdade; em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Anúncios

Palavras que Fortalecem

Meditação do dia 19/06/2017

  Dn 10.19 – E disse: Não temas, homem muito amado, paz seja contigo; anima-te, sim, anima-te. E, falando ele comigo, fiquei fortalecido, e disse: Fala, meu senhor, porque me fortaleceste.”

 Palavras que fortalecem – Ler e estudar o livro de Daniel é muito construtivo para nossas vidas e ministérios. Ele foi uma pessoa notável; um homem de grande sensibilidade espiritual e interagiu com a história dos reinos e fez muita diferença para o que cremos e entendemos hoje sobre o reino de Deus; sem falar que ele viu, ouviu e entendeu questões que ainda hoje são completos mistérios para estudiosos e teólogos. Que bom, que homens de Deus de tamanho envergadura espiritual se dispuseram a entender segredos e mistérios e graças a sua intimidade com o Senhor, tivemos revelações muito instrutivas. Vivendo um tempo onde a dúvida parece ter maior valor do que a certeza, já que toda verdade, é contestada e espremida ao máximo até que se encaixe nos moldes de alguma corrente ideológica ou os gostos preferenciais de algum movimento eclesiástico. Pessoalmente, gosto de estudar as experiências que outras pessoas tiveram com Deus, com o Espírito Santo, com dons e manifestações que consideramos sobrenaturais, ainda mais quando são pessoas cuja vida e caráter não temos nenhuma restrição, como é o caso de Daniel. Desde cedo, temos relado de suas habilidades, sabedoria e consagração. Sua notável estreia nas questões espirituais foi aceitar o desafio de orar a Deus para descobrir o que foi que o rei sonhara e também a interpretação de tal sonho, pois isso poderia lhes custar a vida. Deus lhe revelou o sonho e a interpretação. Eu me pergunto: Será que tendo só esta noite, para descobrir o que alguém sonhou e dar a sua interpretação, será que eu dormiria a ponto de receber uma revelação em sonho? Provável que a insônia seria uma persistente companhia, mas também se ele cria que o seu Deus revelaria, então tinha razão para deitar e dormir numa boa. Depois vieram sucessivas experiências com a vida de oração e intercessão pela sua nação e receber maravilhosas revelações sobre o futuro dos reinos mundiais e interagir no espaço espiritual, com tamanha profundidade que seus efeitos produziram resultados no seu corpo físico. Sabemos que na esfera espiritual, podemos operar, agir, batalhar e produzir resultados, como também em meio a essas atividades, o corpo físico não é necessariamente forte e resistente o suficiente para não se abater; daí, ser frequente, diante de revelações e manifestações divinas de níveis mais intensos, que as pessoas perdem as forças, a coordenação motora  e venham a cair, prostrar ou não conseguirem se manter de pé, ou altera suas condições físicas, de audição, visão e etc. Daniel mesmo, caiu de fraqueza e aqui ele se descreve como sem forças e foi então que o Cristo pré-encarnado o tocou e o fortaleceu. Todos os irmãos na fé, mais velhos e experimentados em noites de vigílias, tempos intensos de orações e grandes manifestações do poder de Deus, sabem e lembram de experiências de muitas pessoas sérias, espirituais e equilibradas, literalmente prostradas no chão diante do poder de
Deus, em experiências genuínas com resultados transformadores e restauradores. Não porque eu, ou alguém não tenha tal ou qual tipo de experiência, que elas não sejam autênticas ou bíblicas. Deus é infinitamente criativo em seu agir para operar maravilhas e abençoar o seu povo que o busca de verdade. Devemos incentivar a vida de oração e devoção, não a busca de sinais ou manifestações, mas buscar a Deus, e ele em sua soberania se revela e se manifesta como lhe apraz para edificar e fortalecer a sua igreja.

Senhor, obrigado por tua multiforme graça e capacidade de manifestar de tão variados modos que a nossa vaidade e suposta sabedoria cai por terra. O que mais queremos e buscar a tua face e experimentar o que tens para nós por graça e misericórdia. A maior das revelações é a tua palavra e a Palavra encarnada em Cristo Jesus. Por ela nos guiamos e seguimos sem medo de errar. Obrigado pela ação do Espírito Santo em nos guiar a toda verdade. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Entender Pelos Livros

Meditação do dia 18/06/2017

 Dn 9.2 – No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos livros que o número dos anos, de que falara o Senhor ao profeta Jeremias, em que haviam de cumprir-se as desolações de Jerusalém, era de setenta anos.

Entender pelos livros – Gosto particularmente desse texto de Daniel pelo significado histórico que ele tem. Pois uma coisa é crer na Palavra de Deus e nas suas promessas e outra é entender o que nela está escrito e trabalhar para a verdade se cumpra. Vemos muitas pessoas que dizem acreditar na volta de Jesus por exemplo, mas já marcaram a data da sua volta por diversas vezes e erraram, é claro. Vejo outras que dizem estudiosas das coisas dos últimos dias, mas não sabe bem se está na hora de acontecer isso ou aquilo. Vejo outros tantos jogando com palavras e números para saber quem é o anticristo, quem é a besta, o falso profeta, ou aquilo outro! Daniel foi levado jovem, provavelmente um adolescentes ainda para o cativeiro na Babilônia e lá viveu, serviu e nunca tirou os olhos e nem o coração das verdades da Palavra. Olhe, que ele não possuía uma livro na mão, como nós, com toda a Bíblia compilada, editada e impressa em formato que lhe permitia ler e conferir simultaneamente diversos textos. Nem mesmo havia uma coleção canônica, mas unicamente peças de diversos autores além das Leis de Moisés, que resumia praticamente as Escrituras Sagradas. Ao ler as profecias de Jeremias, que estivera presente quando iniciou o cativeiro, e provavelmente, Daniel o conhecera no templo ou no palácio, e ao ouvir aquelas mensagens desafiadoras, que agora estavam no passado, pois o cativeiro já durava muitos anos e Daniel não era mais o jovem universitário ou um garoto em início de carreira no serviço imperial; mas um senhor de cabelos brancos e uma grande folha de serviços prestados a quatro impérios diferentes e famílias reais diversas, que se sucederam no trono babilônico e ele sempre sendo reconduzido aos cargos de confiança. Daniel entendeu pelos livros, isto é, pela palavra profética de Jeremias, que o tempo do castigo e da purificação disciplinar imposta por Deus a Israel, seria de setenta anos, e esse tempo já se completava; isso afligiu-lhe o coração, pois o povo depois de todo esse tempo, já estavam agora ambientados, acomodados e já prosperavam nos seus empreendimentos e já tinham laços e raízes estabelecidos e não mais pensavam em regresso à sua terra natal. O que isso significaria? Sem a restauração da nação, do culto e e das promessas, o mais importante de tudo não aconteceria: A preparação para a chegada do Messias, o Salvador e Rei eterno da nação. Isso estava diretamente ligado à volta do povo à sua terra. Daniel se pôs a orar, jejuar e a buscar a Deus, para que as coisas acontecessem exatamente como profetizado por Jeremias. Qual a razão de lermos as Escrituras? Qual a razão de se fazer estudos bíblicos com a igreja? Qual a razão de termos Escola Bíbllica Dominical? Por que se fazem tantas “Conferencias Proféticas?” A igreja tem a presença e a unção do Espírito Santo e deve estar em condições de fazer a leitura correta dos tempos e dos propósitos divinos para seus dias! Não estamos aqui, por estar simplesmente, por acidente de percurso ou casualidade. Ore sobre isso, a igreja não pode perder a visão de sua real missão e seu papel na história.

Senhor, abra os nossos olhos para estarmos vendo o campo branco para a ceifa diante de nós, mas também vermos os tempos e as estações que tens determinado e qual a nossa participação nessas etapas. Guia-nos, pelos caminhos do seu Santo Espírito, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Alguém Capaz de Fazer Prosperar o Engano

Meditação do dia 17/06/2017

 Dn 8.25 – E pelo seu entendimento também fará prosperar o engano na sua mão; e no seu coração se engrandecerá, e destruirá a muitos que vivem em segurança; e se levantará contra o Príncipe dos príncipes, mas sem mão será quebrado.

Alguém capaz de fazer prosperar o engano – Daniel, o livro profético, relata digamos a história das nações até o fim desse modelo de administração humana na terra. Um dia Deus fará todas as coisas voltar ao plano original e com Cristo encabeçando o governo divino na terra e no universo, com apoio e trabalho dos santos do Altíssimo lhe assessorando. Mas entre o que viu Daniel, e o tempo que estamos, muitas coisas se passaram e vários impérios se levantaram e caíram, incluindo o sexto império mundial, o Romano. Conforme a metodologia bíblica de os círculos se fecharem em sete, assim ainda falta esse último, que conforme as profecias deverá durar pouco, o conhecemos, ou o denominamos, o reino do anticristo. Alguém que se propõe resolver os problemas mundiais que ninguém nunca conseguiu resolver; alguém com uma astúcia tal, que é capaz de induzir seguidores de todos os níveis e convictos de que finalmente acharam o homem ideal e capaz de tornar o sonho humano de paz e prosperidade realizável. Parece o discurso de todo político que conhecemos em época de eleições. A diferença desse, é o fato de ser alguém conhecido, competente, e que se mostra altamente confiável, por ter se credenciado por fazer coisas inéditas em tempos difíceis e conseguir bons resultados. Estou falando de que todo o cenário mundial está se afunilando para essas condições, onde as melhores cabeças não tem conseguido bons resultados e os esforços de homens e organizações de boa vontade tem sempre terminado em fracasso e desesperanças. Esse homem, provavelmente já está operando e montando o seu cenário. Alguém que é capaz de fazer prosperar o engano, e as pessoas estão prontas para isso, desde que lhes favoreça de imediato, qualquer medida é melhor do que nenhuma. Mas já sabemos que para algo assim florescer, haverá resistência de quem se propõe valorizar a ética e a boa moral e com certeza, vai sobrar para o povo de Deus. O comunismo crescer instigando todos contra a fé cristã, até pregando que a “a religião era o ópio do povo.” Logo se eles banissem a fé, resolveriam o maior obstáculo e assim surgiram todos aqueles estados ateístas e toda a fé era inimiga do estado, mas excepcionalmente a fé cristã. Resultado: o Comunismo já caiu faz tempo e a fé cristã está indo muito bem obrigado! As igrejas e comunidades sofridas desses locais se recuperaram rapidamente, e algumas até prosperaram exponencialmente durantes os anos da cortina de ferro e de bambu. Agora estamos na crise do pós-modernismo, onde tudo é relativo e a verdade é só mais um conceito a ser considerado, mas o que manda mesmo, é o que nos faz bem; assim sendo, se religião faz bem, que bom; se praticar um sincretismo faz bem, por que não? Assim, misturar tudo e cada um se servir do que gosta é a grande parada. Não acha que é um terreno fértil para alguém especializado em engano? Basta pensar que as duas maiores forças “religiosas” da atualidade, creem numa coisa semelhante mas oposta um ao outro. Tanto o cristianismo, como o islamismo, acreditam num “Cristo” que virá para libertar e instalar o seu reino e fazer prosperar os seus fiéis; como também ambas as correntes acreditam que seu “Cristo” receberá oposição maligna de um anticristo, com poderes dos infernos. Quando na verdade, o Cristo de uma fé é o anticristo da outra. Com a diferença, que os cristãos acreditam que Deus ama a todos e quer salvar o máximo de gente possível; enquanto o islã, acredita que Alá é misericordioso com os féis dele, mas que todos os demais são infiéis e serão destruídos, arrasados e para isso vale qualquer coisa. Quem viver, verá, mas prefiro ver isso lá de cima, pois o arrebatamento é crucial na minha fé. E Você?

Senhor, eu creio em ti e nas tuas palavras, promessas e nos sinais dos tempos que a igreja precisa saber interpretar. Acredito nos teus santos propósitos através da igreja para proclamar o tempo da graça salvadora e a oferta de salvação disponível a todos pela fé em Jesus. Em nome dele oro em fé, amém.

Pr Jason

Os Santos do Altíssimo

Meditação do dia 16/06/2017

 Dn 7.27 – E o reino, e o domínio, e a majestade dos reinos debaixo de todo o céu serão dados ao povo dos santos do Altíssimo; o seu reino será um reino eterno, e todos os domínios o servirão, e lhe obedecerão.

Os Santos do Altíssimo – Quando em compreendi a graça de Deus, estou falando de conhecer a vida pela graça através da fé, eu me alegrei muito pelo potencial de algo que agora inundaria a minha vida por muito tempo de aprendizado pela vida afora. Até hoje ainda estou aprendendo sobre esses caminhos e sempre me surpreendo com que Deus tem preparado para nós e tudo já estava revelado nas Escrituras desde o início. A leitura desse capítulo de Daniel, me avivou o coração com esse tema, embora ela esteja presente em todas as páginas das Escrituras. Várias vezes, aqui, é feito menção sobre o povo de Deus e sua participação no futuro reino de Cristo na terra. Para nós, ele já é de fato e de direito, rei, soberano e Senhor em todo e qualquer sentido dessas palavras. Mas fiquei muito tocado com o modo carinhoso como Deus nos chama nessas mensagens proféticas. “Santos do Altíssimo” – é um título muito acima de nossos merecimentos! Mas a graça nos faz herdeiro de infinitas bênçãos que nem sabemos contar. Quando somos alcançados com a Salvação em Cristo Jesus, somos aceitos, perdoados e transformados definitivamente por um projeto de redenção que é muito claro mas tão abrangente que estudamos e nos dedicamos ao tema e ainda estamos muito rasos em compreensão das grandezas insondáveis das misericórdias do Senhor. Por causo do pecado e dos estragos que ele fez em nossas vidas, ficamos emocionalmente deficientes, muito desconfiados e e limitados demais para simplesmente aceitar de pronto verdades grandes e profundas, que ultrapassam a mente corrompida e degenerada, que só mesmo a graça para ir restaurando até compreendermos que temos também a mente de Cristo e que onde o pecado abundou, a graça superabundou. Humanamente falando, valorizamos muito mais o que perdemos do que o que temos ou ganhamos, e isso acompanha-nos em situações qu exigem uma abordagem regeneradora do Espírito Santo, para de fato, apropriarmos da bondade divina disponível a nós no Evangelho. Quando se trata de finanças e investimentos, sabe-se que as pessoas sentem muito mais a perda de um milhão de reais, do que sentem quando ganham um milhão de reais. Espíritualmente, quando alguém ouve falar de “salvação pela graça” eles normalmente pergunta, se não existe uma pegadinha por detrás e no fundo é só isso mesmo? Deus simplesmente salva e perdoa e leva para a eternidade, sem cobrar nada, nada mesmo? A mente e as emoções humanas aprenderam que aqui no mundo ninguém faz nada para ninguém de graça, “não existe almoço grátis no mundo dos negócios.” Depois de uma vida de pecados e rebeliões, termos estragado o projeto divino para nossas vidas, mau uso dos dons e habilidades, nos associados com os perversos e até facilitado o serviço do capeta em roubar, matar e destruir, ficamos desconfiados de porque Deus, o Pai, nos aceitaria e perdoaria e nos aceitaria de graça. Mas é verdade. Deus não tem um plano de vingança ou retaliação para com os que se arrependem e se convertem, abraçando o seu projeto de salvação eterna, baseado na obra redentora de seu Filho Jesus Cristo lá na cruz. Ele nos salva, nos adota como filhos legítimos, nos torna herdeiros e nos trata com carinho e apreço, que nunca mereceríamos, mas não depende merecimentos, mas da sua graça. Por isso, somos chamados de filhos, filhos amados, santos, santos do Altíssimo aqui em Daniel e herdeiros de um reino eterno, comandado por Jesus Cristo, o Filho do Homem; o único reino que não terá fim, por toda a eternidade. Uma eternidade, ou toda a eternidade só de coisas boas! Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai. O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus. E, se nós somos filhos, somos logo herdeiros também, herdeiros de Deus, e co-herdeiros de Cristo: se é certo que com ele padecemos, para que também com ele sejamos glorificados. Porque para mim tenho por certo que as aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada(Rm 8.15-18).

Obrigado, Senhor por nos acolher com tamanho amor e consideração! Somente a graça do Senhor pode possibilitar aceitação tal. Graças, Senhor Jesus, por investir tua vida em resgate da nossa; e a ti Espírito Santo, por vivificar a verdade em nossos corações. Nossa eterna gratidão. Em nome de Jesus, Amém

Pr Jason

Viver Sem Culpa

Meditação do dia 15/06/2017

 Dn 6.5 – Então estes homens disseram: Nunca acharemos ocasião alguma contra este Daniel, se não a acharmos contra ele na lei do seu Deus.

Viver Sem Culpa – É plenamente possível viver uma vida íntegra e justa mesmo estando num mundo infestado de mal e de pessoas de índole duvidosa. Ninguém é motivo ou desculpa para nossas fraquezas e falhas senão nós mesmos. Já sabendo nossas áreas frágeis, podemos nos cercar de cuidados e proteções, bem como nos ocupar de ações virtuosas que nos proporcione crescimento e evitemos as armadilhas. Daniel vivia em meio à muitas pessoas más, invejosas, cheias de armações para lhe colocar em dificuldades, mas mesmo assim, ele trabalha no serviço público e no palácio, onde se vê todas as vaidades e desmandos, e mesmo assim, os próprios inimigos admitiam que jamais encontrariam qualquer ocasião contra ele. Então tiveram que fabricar uma situação na qual eles poderiam imputar-lhe alguma culpa e desmoralizá-lo. Tenho minhas preocupações como tanto de concessões para o pecado e lassidão moral que os cristãos e membros de igreja exigem, só porque trabalham em locais em que os não cristãos são maioria, ou o  patrão gosto muito deles mas não toleram a fé, ou não querem se expor e assim “pagarem mico!” Vejo pais querendo permissão para que os filhos possam participar de atividades nocivas a fé e até a saúde emocional e espiritual deles, mas precisam ficar de bem com a galera e os pais com a sociedade. Lidamos com um inimigo espiritual, ardiloso e com tempo de experiência suficiente para saber que diluindo o poder de influencia dos filhos de Deus, facilita-lhes a queda. Ele sabe que estamos aqui para ser sal e luz e vidas são salvas e libertas quando simplesmente andamos na luz da nossa fé. Ser fracos não é uma opção quando o Senhorio de Cristo está em jogo! Desculpas não colam quando vidas estão sendo sacrificadas pela fé, no mesmo Corpo de Cristo ao redor do mundo. Quando a pressão externa não funciona, vem a pressão interna e quando a vida de integridade nos serve de escudo e proteção, certamente o mal não desiste e uma de suas opções será a “Religião;” irão nos atacar naquilo que eles mesmos alegam ser mais sagrado. Se desestabilizar a pessoa com uma falsa culpa ou pecado contra sua crença, abre-se uma porta para instalar a ruína. Faça culpa é tão destrutiva quando culpa verdadeira, se o propósito é tirar a pessoa da posição de vitória. Daniel não foi livrado da cova dos leões, mas novamente foi salvo “NA” cova dos leões. Deus estava com ele ali para lhe dar segurança e proteção. Certamente não foi uma experiência agradável ser lançado naquela cova, mas com certeza foi maravilhoso acordar, isso mesmo, acordar no dia seguinte, sabendo que os leões estavam ali ainda, mas não o haviam atacado e não pareciam ameaçadores agora! Mas o testemunho do poder de Deus e de sua graça para com os que nele confiam, fez com tudo aquilo valesse muito à pena. Como afirma o princípio da semeadura, tudo o que se semeia, colhe-se; aqueles semeadores de discórdia e destruição, colheram o que desejaram para Daniel; não que isso produzisse alegria no coração dele, mas assegurava a justiça do Deus da sua salvação. A responsabilidade de viver irrepreensivelmente bem, é nossa, e a de nos proteger e guardar é de Deus, se isso concorrer para benefícios maiores em favor do reino.

 

Graças, Senhor, por lutas e provas que vem até nós; assim temos oportunidade de ver a tua força e o teu poder agindo e produzindo glórias ao teu nome. Desejamos aprender e crescer com todas as possibilidades que se nos deparam. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

A Última Coisa da Vida

Meditação do dia 14/06/2017

Dn 5.30 – Naquela noite foi morto Belsazar, rei dos caldeus.”

A Última Coisa da Vida – Ouvi de um hábil evangelista, desses bons de evangelismo pessoal, com abordagens fora de série, que ele não perdia tempo e nem oportunidade, ao contrário, ele criava oportunidades de compartilhar o Evangelho. Quando por exemplo, ele usaria um elevador, com acessorista, ele o cumprimentava e dirigia uma pergunta: “A sua última viagem será para cima ou para baixo?” – Belsazar, um rei caldeu, que provavelmente crescera sob a influencia de Daniel e outros servos de Deus, ministros de confiança da família real, parece que não aprendera muito ou nada com o que presenciara nos tempos de Nabucodonosor, segundo alguns, seu pai, ou avô; Hoje ele acordou alegre, querendo festa, alegria e muita animação e mandou preparar tudo para uma grande festa. Parece que depois de uns goles à mais, e com um caráter não muito confiável, sem mencionar a incapacidade administrativa que permitisse a segurança de seu povo e até mesmo de sua família e pessoal. Ele teve uma idéia, que só pode ter vindo do submundo do inferno, uma idéia profana, idólatra e uma disposição de cometer um sacrilégio incomum para qualquer pessoa. Tomar os vasos e utensílios sagrados do Templo de Jerusalém, e utilizarem-nos para as orgias de sua festa. Nem os captores que destruíram o templo e saquearam os seus bens e os transportaram para Babilonia, o seus guardiães, tiveram tal ousadia. Na sua mediocridade insana, supunha ser maior que seus antecessores o suficiente para desafiar o conceito de sagrado, e especialmente daquela divindade que se revelara tão poderosa e produzira a conversão e mudanças significativas no Imperador e no império. Quem sabe, ele, um rebelde sem causa, agora queria impressionar os nobres e ofuscar os conceitos da administração anterior e estabelecer suas próprias marcas. Se ele queria uma festa sobrenatural ele conseguiu! Mas conseguiu também mais do isso, pois a reação do Deus de Israel foi imediata, absoluta e implacável. Um ser espiritual, grande o suficiente para escrever no alto da parede da sala de banquete, invisível na proporção que queria, para que se visse apenas a mão, como humana, escrevendo uma charada. Todos, incluindo o próprio rei, perceberam que haviam passado dos limites, mas agora, não tinha como voltar atrás, pois todos estavam na festa, todos se apossaram dos vasos sagrados e brindavam ídolos os mais diversos para zombaria e escárnio contra a fé hebraica. Na cabeça dele, todos os deuses eram iguais e sem nenhum poder de ação e reação e o único conceito certo, era o dele. Poucos homens na história tiveram a experiência de serem visitados por Deus, momentos antes de sua morte, e serem avaliados expostos publicamente a sua condição espiritual e eterna, que iniciaria em instantes. Não deve ser fácil, não crer em Deus e nem em verdades espirituais, céu, inferno, etc. e tal e receber a visita de Deus e ficar sabendo que Deus existe, é soberano sobre sua vida, você está em falta e não tem mais tempo para consertar. E direi a minha alma: Alma, tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e folga. Mas Deus lhe disse: Louco! esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? (Lc 12.19,20). Enquanto tudo era festa no palácio, os medos tiveram tempo para represarem o Rio Eufrates e entrar na cidade por baixo das muralhas, e tomaram o poder. Para Belsazar, o seu último dia começou com festa, alegria irresponsável, profanação, perdeu o trono e perdeu a vida, e nada disso estava na sua agenda para aquele dia! Ninguém nasce sabendo o prazo de validade de sua vida, e ninguém tem esse controle. Qual será nossa última coisa feita?

 

Pai, obrigado por ser Senhor de tudo e de todos! Nas tuas mãos está todo o poder e que bom que sabes como utilizar isso de maneira tão sábia. Somos teus filhos e adoradores, entregamos a ti o direito de reger nossa vida e existência para um propósito maior e eterno, de forma que nossos dias se cumprem segundo a tua vontade. Obrigado pelo privilégio de estar nas tuas mãos e viver para tua glória. Em nome de Jesus, amém.

 

Quem Te Viu, Quem Te Vê!

Meditação do dia 13/06/2017

 Dn 4.37 – Agora, pois, eu, Nabucodonosor, louvo, exalço e glorifico ao Rei do céu; porque todas as suas obras são verdade, e os seus caminhos juízo, e pode humilhar aos que andam na soberba.”

Quem te viu e quem te vê! – Juntar as verdades bíblicas é um exercício muito edificante e faz com que a gente consiga ver a grandiosidade e a uniformidade dos seus ensinos, mesmo sabendo que os textos foram produzidos num intervalo de aproximadamente dezesseis séculos e com mais de quarenta autores humanos diferentes. Nas palavras de Jesus, o bom testemunho de vida mostrado pelos discípulos é um fator de forte impacto na vida das pessoas que suspostamente não conhecem a Deus, mas estou sendo influenciadas pela nossa presença. Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus (Mt 5.16). A aliança celebrada entre Deus e Abraão, contemplava como propósito tornar Deus conhecido e abençoador de todas as nações da terra; e mesmo numa situação de juízo contra o seu povo, que veio a ser subjugado por Nabucodonosor, um rei pagão, idólatra, megalomaníaco de ego super inflado, que arrasou com a terra da promessa e fez cativos toda a nação, sob um jugo pesadíssimo, a misericórdia divina se via presente e através de pessoas piedosas e comprometidas com os propósitos eternos, a presença e o poder de Deus se tornou evidentes na corte babilônica. Quando lemos esse capítulo quatro de Daniel, escrito pelo mesmo Nabucodonosor, enviando “a paz do Senhor, a todos os irmãos em todas as nações…” ficamos meio aturdidos, mas é verdade. As expressões de louvor e adoração expressas por ele e a declaração final do capítulo, (o texto de hoje) mostra que ele mudou de lado mesmo! Quem te viu e quem te vê! A algum tempo à trás, ele queria assar os servos de Deus na fornalha. Isso é o poder do testemunho de uma vida transformada e consagrada a Deus e ao serviço do seu reino. Daniel e outros tantos funcionários e ministros reais não deixaram de ser hebreus, não deixaram de sua fé, não se amoldaram aos costumes, aos pecados e às facilidades da vida palaciana; mas continuaram acreditando e trabalhando por um objetivo maior que eles mesmos, maior que Nabucodonosor e que a própria Babilonia. Mentalidade de reino, de vitoriosos, que entendem estratégias, que se fazem necessárias, às vezes com recuos e momentos de calmaria, para atingir objetivos maiores. Mardoqueu, o tio de Ester, num momento decisivo disse a ela que temos um serviço a fazer e para isso precisamos aceitar estar onde estamos, para que o propósito se cumpra, alguns até nasceram e viveram para um único momento e claro, não podemos perder essa oportunidade. Porque, se de todo te calares neste tempo, socorro e livramento de outra parte sairá para os judeus, mas tu e a casa de teu pai perecereis; e quem sabe se para tal tempo como este chegaste a este reino? (Et 4.14). Há momentos que precisamos ser ousados, atrevidos e correr riscos, como Daniel fez ao aconselhar esse rei vaidoso a se arrepender e se retratar para evitar um juízo, que não foi possível, mas servir para mudar o coração dele em tempo ainda. Portanto, ó rei, aceita o meu conselho, e põe fim aos teus pecados, praticando a justiça, e às tuas iniqüidades, usando de misericórdia com os pobres, pois, talvez se prolongue a tua tranqüilidade (4.27). Estejamos prontos para cumprir o nosso papel, ainda que em circunstancias bem adversas, mas é para isso que fomos colocados onde estamos!

 

Obrigado, Senhor, pela oportunidade de fazer algo que seja relevante, ainda que aos nossos olhos, nem tanto, mas que seja feita a tua vontade em todo tempo, para tua glória. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

O Quarto Homem

Meditação do dia 12/06/2017

 Dn 3.25 – Respondeu, dizendo: Eu, porém, vejo quatro homens soltos, que andam passeando dentro do fogo, sem sofrer nenhum dano; e o aspecto do quarto é semelhante ao Filho de Deus.”

O Quarto Homem – Todos gostamos de histórias de heróis, elas nos inspiram e motivam. Mas toda história de herói, aconteceu porque houve uma circunstancia dramática que empurrou pessoas a tomarem decisões que depois as tornaram especiais e famosas. Humanamente falando, em todas elas havia a real possibilidade de dar errado e aquilo seria o natural, sem nenhuma boa história para ser contada. Também, algumas delas houve o fator que levaram aquelas pessoas a agirem, não porque sabiam antecipadamente que daria certo, mas que aquilo era o certo a se fazer e honrar suas convicções e glorificar ao seu Deus e responder ao inimigo o quanto a fé deles era importante. Abraão com aquele pequeno grupo de servos e aliados, enfrentar um grande exército saqueador e libertar o seu sobrinho Ló, com todos os despojos, e na chegada entregar os dízimos ao sacerdote do Deus altíssimo, Melquizedeque, era uma missão suicida em termos de estratégia militar. José sobreviver no Egito, sendo difamado pela patroa imoral e depois no cárcere e sair para ser Primeiro Ministro do maior império do mundo e com carta branca para governar como entendesse, é coisa de devaneio mental. Jacó enfrentar seu irmão Esaú, amargurado, ressentido, com um bando de caras maus, armados até os dentes, não tinha nada para terminar com um abraço fraterno e caloroso entre irmãos dispostos a presentear e proteger um ao outro. O recém formado, ou ajuntado exército de Israel na saída do Egito enfrentar os amalequitas, peritos saqueadores do deserto, e vencer pelas mãos levantadas de Moisés, com o apoio de Arão e Ur, parece bravata de ex-soldados, mas foi real. Um adolescente que gostava de poesia e tocar harpa enquanto cuidava de ovelhas, vencer um guerreiro experiente que desafiara um exército inteiro e ninguém encarar o desafio é o conto de herói que todo menino gosta de ouvir, mas lá, no dia, não foi moleza assim. Aqui temos outra história maravilhosa que terminou bem e os mais pentecas até falam em línguas ao ouvir o relato da vida desses três jovens destemidos. Todos nós cristãos, sabemos, ao menos em tese, que a nossa luta não é contra carne e sangue, mas sim contra principados e potestades, mas poucos se dão conta disso na hora que são provados e testados, ou afrontados no dia a dia, por situações, pessoas e oportunidades de testemunharem de sua fé, e acabam sendo achatados pelas ações das trevas que os enganam e só depois eles percebem que foram engrupidos. O imperador para ostentar sua vaidade erigiu uma estátua de si mesmo, mas com propósitos de adoração, culto ao rei, que se colocava como Deus e quem contestasse, seria punido, assim era bem mais fácil se acomodar e não arriscar. Inimigos dos jovens tementes a Deus, já viram ali a oportunidade de se livrar da concorrência com pessoas dedicadas, honestas, que serviam com excelência e estavam ali para proclamar o conhecimento do Deus verdadeiro. A verdade e a mentira, o bem e o mal estavam com data, hora e local de se confrontarem e com todos os prognósticos a favor das trevas, que jogava em casa. Dito e feito, a bandinha tocou e como esperado entre todos os presentes, apenas aquelas três jovens não se curvaram e não se prostraram, ainda que só por formalidade. Não existe faz de conta no mundo espiritual, ou adora um ou adora o outro! Não se serve a dois senhores ao mesmo tempo! Foram chamados e confrontados pelo rei furioso com quem tivera a ousadia de desafiá-lo em público no dia de sua celebração e confirmação como divindade. Eles fizeram o que criam e criam no que fizeram. Um detalhe na resposta deles ao rei me faz entender a chave de tudo: “E se não…”Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei. E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste (Dn 3.17,18). Deus pode livrar, livra de tudo e todos, mas se ele não livrar, não altera em nada o nosso relacionamento e nossa fé com ele, Ele continua sendo Deus e nós continuamos sendo seus adoradores… Deus não os livrou do fogo, mas os livrou “no fogo,” e cumpriu a sua palavra de estar com os seus em tudo tempo e lugar. O quarto homem só apareceu, porque os três tomaram posição de fé e não negociaram uma bênção ou algum favor especial. O impacto da decisão deles foi muito maior e mais produtiva do que em qualquer outra ação tomada. O rei que se achava todo poderoso, se viu desafiado por três servos dispostos a provar que ele não era deus, não era poderoso e não tinha controle nem mesmo de sua vida e ele pode ver o poder, a glória e a graça do Deus verdadeiro, a quem ele passou a temer e respeitar e respeitar pessoas com tamanha fé e devoção, dispostas a não bajular um rei arrogante para salvar suas vidas. Todos querem a companhia do quarto homem, mas poucos estão dispostos a entrar na fornalha da provação. Sem fornalha, sem quarto homem. O que eles teriam ganhado se tivessem cedido? O que o Reino de Deus e a eternidade ganhou porque eles não cederam? Só a eternidade revelará isso.

 

Senhor, mesmo nos momentos das maiores provas e desertos, o Senhor continua fiel e continua presente; independente de sentirmos, sabermos ou não. Tu és fiel, porque és fiel, e isso nos basta. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason

Quem é Deus de Fato!

Meditação do dia 11/06/2017

 Dn 2.21 – E ele muda os tempos e as estações; ele remove os reis e estabelece os reis; ele dá sabedoria aos sábios e conhecimento aos entendidos.”

Quem é Deus de fato – Para muitos, As verdades da Bíblia, são nada mais do que uma coletânea de contos e ensinos morais e éticos de grande valor, mas nada que se possa julgar digno de determinar os caminhos da vida. Para os cristãos, a Bíblia é a Palavra de Deus revelada aos homens e são nossa regra de fé e prática. Ela serve de parâmetro para aferir qualquer revelação espiritual e normatizar as relações do adorador com o ser digno de adoração. A soberania divina é algo muito firme para a fé cristã e nossas ações, atitudes e até a vida está muito bem fundamentada nessa estrutura, qual nosso firme alicerce. As palavras da oração de adoração e agradecimento de Daniel, estão colocadas como colunas firmes daquilo que acreditamos ser a verdade e a vontade do Deus da nossa fé. Ele é soberano, em tudo que este vocábulo queira e possa significar. Aceitamos como fato que em sua soberania, Deus tem não só o poder, mas o direito e a capacidade de mexer e mudar os tempos e as estações; Ele pode fazer isso por meios naturais, cíclicos, em resposta ao andamento da criação e seus desdobramentos, como clima, meio ambiente, interferência humana e nas transformações que se produz. Mas também, Deus pode mexer no relógio do tempo e na sua maquinaria, como ele entender para atingir finalidades que são de sua competência. Entendemos sim, que  o Senhor, que criou e sustenta todas as coisas, não precisa dar satisfação a quem quer que seja sobre seus atos e decisões. Também entendemos que devido ao seu caráter santo e justo, e devido seu relacionamento com pessoas, com as quais ele tem alianças e acordos sagrados, e que nessas bases, normalmente ele comunica suas intenções, realiza suas intervenções o fim de todos esses movimentos, é a plena realização de sua vontade, que é boa, agradável e perfeita, visando a redenção da criação. Ao seguir a história bíblica dos patriarcas, nota-se, movimentos cíclicos de interferência climática, produzindo tempos de seca, escassez, e com isso migrações de populações e com isso o plano de redenção vai sendo moldado e o conhecimento de Deus sendo disseminado entre os povos e reinos; Abraão, influiu na vida do Egito e seu rei; Abraão e Isaque, influenciaram os filisteus e muitos cananeus em seus dias; Jacó (Israel) viveu na Mesopotamia e deixou suas marcas lá e juntamente com José, seu filho, influenciaram a vida, a cultura e muitas outras coisas no Egito e no próprio faraó. O juízo divino sobre Israel e a consequente escravidão na Babilonia, trouxe Daniel e seus amigos, para dentro do Palácio Imperial, e quão grandes foram as influencias ali produzidas. O que dizer e pensar de papéis como de Esdras, Neemias, Mordecai, Ester, Jeremias, Ezequiel e outros tantos personagem, cujos nomes nem aparecem nos textos sagrados. Deus pode e mexe com mudanças de comando das nações e reinos, fazia, faz e fará, porque afinal, ele é o mesmo ontem, hoje e para sempre. Nem Brasilia, Washington, Londres, Paris, Moscou, Caracas, Bagdá, Teerá, Jerusalém, estão fora do alcance e do poder soberano de Deus. A nós, compete preservar a fé e a convicção de fazermos o nosso papel bem feito e difundirmos a fé que foi entregue aos santos e fazer discípulos de todas as nações, ensinando-os a guardar todas as coisas que Jesus nos ensinou. (Mt 28.18-20). Amados amigos e irmãos na fé, eu me alegro e almejo muito ver o dia em algumas verdades saiam das páginas da Bíblia e se materializem aos olhos de todos, como por exemplo: Porque a terra se encherá do conhecimento da glória do Senhor, como as águas cobrem o mar (Hc 2.14). Assim diz o Senhor dos Exércitos: Ainda nas praças de Jerusalém habitarão velhos e velhas; levando cada um, na mão, o seu bordão, por causa da sua muita idade. E as ruas da cidade se encherão de meninos e meninas, que nelas brincarão (Zc 8.4,5).

 

Senhor Deus, Senhor dos tempos e estações, somos teus filhos e servos, alcançados com a graça de sermos chamados teus filhos, por adoção em Cristo em Cristo Jesus; reconhecemos o teu Senhorio e a autoridade para movimentar todas as coisas para que a tua perfeita vontade aconteça. A ti, seja a honra, a glória e o louvor em todo tempo. Em nome de Jesus, amém.

 

Pr Jason