Uma Proposta Baseada em Nada

Meditação do dia: 11/08/2019

  E disse ele: Que te darei? Então disse Jacó: Nada me darás. Se me fizeres isto, tornarei a apascentar e a guardar o teu rebanho; (Gn 30.31)

 Uma Proposta baseada em Nada – om uma mentalidade tão mercantil prevalecente em nossos dias, fica parecendo meio esquisito alguém receber uma proposta de trabalho com liberdade de escolher quanto quer ganhar e ele propor a começar do zero à partir de agora, baseando se numa probabilidade volátil e de poucas chances de sucesso. Posso garantir que Labão gostou tanto da proposta de Jacó, que aceitou imediatamente; certamente ele viu a grande vantagem que levaria, tendo uma pessoa tão competente como Jacó cuidando e seus rebanhos, que haviam se multiplicado sob seus cuidados. A possibilidade de lucro por parte de Jacó era ínfima, e por isso Labão se apressou a aceitar, por tiraria larga vantagem. Conhecemos bem a história e sabemos que Jacó tinha suas cartas na manga, mas não eram medidas desonestas ou duvidosas; ele faria uso de sus habilidades e técnicas de manejo, aliadas a uma promessa divina para sua vida. Quando pensamos em quanto queremos ganhar, precisamos pensar também no por que queremos tal quantia ou tal valor. O conceito de valor e riqueza varia muito de pessoa para pessoa pelos sistema de valores adotados. Enquanto alguns dão excessivo valor ao dinheiro e bens monetários, outros valorizam o poder e os privilégios das posições sociais e dali ele colhe os demais frutos de sua escala de valores. Outros levam em conta as possibilidades de disporem de mais tempo livre para estar com a família e ter momentos de lazer e recreação; para eles, isso não tem preço. Há até aqueles que puramente querem visibilidade e para isso se expõe à quaisquer situações que permitam que apareçam e sejam reconhecidas. Eu e você, você, eu e nós, todos, nos movemos por alguma motivação interior. Há uma história de um homem extremamente rico, poderoso, e ao mesmo tempo orgulhoso e arrogante, que se vangloriava de ser o maior, o melhor e o mais rico da sua região. Certo dia, momentos antes de servirem o almoço ele foi ao seu imenso jardim e encontrou o jardineiro, sentado à sombra de uma árvore com sua “marmita” e ao observar o conteúdo, fez um comentário maldoso, sobre que tipo de pessoa comia aquele tipo de comida. O jardineiro não se abalou, mas apenas disse a ele uma palavras que marcaram: “Dentro de trinta dias o homem mais rico dessa região vai morrer!” Com o passar dos dias aquele ricaço começou a se preocupar e se angustiar, levando em conta o que ele apregoava sobre si, a ponto de adoecer gravemente e os médicos nada conseguirem diagnosticar; ele se prostrou de cama e seu estado foi de fato muito grave e preocupante. Num desses dias ele contou os dias desde aquela conversa com o jardineiro, e já havia passado mais de trinta dias; ele então viu que e não era verdade ou aquilo tinha outro sentido e mandou chamar o homem para terem uma segunda conversa e foi informado de que havia uns quatro dias que ele não comparecia ao trabalho. Ele foi pessoalmente na casa do jardineiro se informar e ficou sabendo pela esposa, que o marido dela havia falecido a exatos quatro dias. O que é riqueza para você? Ou o que é um bom salário que te satisfaz? Trabalhai, não pela comida que perece, mas pela comida que permanece para a vida eterna, a qual o Filho do homem vos dará; porque a este o Pai, Deus, o selou (Jo 6.27). Porque onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração (Mt 6.21).

Senhor, obrigado pelo privilégio de servir e trabalhar dentro dos teus propósitos e da capacidade que o Senhor nos concede. Obrigado por suprir as nossas necessidades com abundancia e nada tem nos faltando. Buscamos sabedoria para sermos criativos e generosos com tudo que colocas em nossas mãos para servir e abençoar outras vidas e encaminhar as ações do teu Reino. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Trabalhar Pela Minha Casa

Meditação do dia: 10/08/2019

  Porque o pouco que tinhas antes de mim tem aumentado em grande número; e o SENHOR te tem abençoado por meu trabalho. Agora, pois, quando hei de trabalhar também por minha casa? (Gn 30.30)

 Trabalhar Pela Minha Casa – Jacó estava falando com o sogro, sobre a construção de seu patrimônio, fazer a sua riqueza e trazer o conforto e a tranquilidade que sua família precisava. Depois de anos de trabalho pelos contratos de casamento com Raquel e Lia e que não só pagara os dotes de suas esposas, como construiu uma riqueza para o sogro mediante o seu trabalho, com a bênção de Deus. Ao pensar em constituir uma família, precisa incluir nos planos o sustento e a construção de uma estrutura básica que proveja as necessidades imediatas, mas também construir algo mais permanente e que dê a devida segura para sua casa. É um engano pensar e agir como se Deus esperasse que vivêssemos de extrativismo natural, catando frutas aqui e ali conforme as estações e sem previsão de cuidados básicos. Na ordem dada a Adão e Eva o que ele disse tem tudo à ver com trabalho e renda, esforço e recompensa. No suor do teu rosto comerás o teu pão, até que te tornes à terra; porque dela foste tomado; porquanto és pó e em pó te tornarás (Gn 3.19). Não se trata de maldição, castigo ou punição, mas consequência das ações e atitudes erradas. Mas a construção de riquezas é algo absolutamente dentro da bênção e dos propósitos divinos. O erro ou pecado está em colocar o coração nesses bens e passar a confiar neles como nossa fonte de segurança. Abraão o pai da fé, foi homem riquíssimo até para os nossos padrões atuais e não comprometeu sua espiritualidade e muito menos o relacionamento com Deus. Moisés descreveu o ideal de Deus para o seu povo nos seguintes termos: Porque o Senhor teu Deus te põe numa boa terra, terra de ribeiros de águas, de fontes, e de mananciais, que saem dos vales e das montanhas; Terra de trigo e cevada, e de vides e figueiras, e romeiras; terra de oliveiras, de azeite e mel. Terra em que comerás o pão sem escassez, e nada te faltará nela; terra cujas pedras são ferro, e de cujos montes tu cavarás o cobre. Quando, pois, tiveres comido, e fores farto, louvarás ao Senhor teu Deus pela boa terra que te deu (Dt 8.7-10). Adquirir riquezas e trabalhar por prosperar dentro da aliança é motivo de louvor e adoração a Deus, pois é dele que vem essa possibilidade e a sabedoria para transformar trabalho em riquezas. Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza; para confirmar a sua aliança, que jurou a teus pais, como se vê neste dia (Dt 8.18). Abraão, Isaque, Jacó e os israelitas entenderam o sagrada direito de trabalhar para construir riquezas e assim desenvolver todo o potencial que a pessoa tem por dentro. Uma pessoa pode até ser criativa, inventiva, competente, mas se tiver que lutar pelo pão de cada dia, não terá tempo e nem meios para desenvolver aquilo que é o seu sonho e a sua vocação. Para um povo ter grandeza e domínio, precisa de educação e geração de riqueza com bons propósitos. Isso também vale para uma família, uma igreja e uma pessoa.

Senhor, ninguém há tão rico como tu és; ninguém é tão criativo e laborioso como o Senhor nosso Deus e dispões de todas essas coisas sem que afetem o teu caráter santo e a tua essência. O teu povo pode copiar a ti e ser benção e influenciar, ser cabeça e não cauda, estar em cima e não em baixo, emprestar e não pedir emprestado, porque o teu poder nos capacita para isso. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Qualidade no Serviço

Meditação do dia: 09/08/2019

  Então lhe disse: Tu sabes como te tenho servido, e como passou o teu gado comigo. (Gn 30.29)

 Qualidade do Serviço – Gente servindo e trabalhando é o que não falta. Mas qual a qualidade desse servir e desse serviço? Estamos falando aqui também de motivação interior. Muitas coisas e fases que acontecem em nossas vidas são etapas de preparo para outras que virão. Abraão era muito rico e tinha muitos servos a seu serviço, mas nenhuma era como Eliézer. Isaque herdou tudo do pai e teve muitos servos e gente de serviço. Jacó era filho de pais ricos e podia dedicar-se ao que bem lhe interessasse. O registro bíblico é de que ele era uma pessoa simples e caseira, que caía nas graças da mãe. Quando foi embora de casa, para Harã, mostrou que sabia pastorear rebanhos e tinha habilidades ímpares e serviu, não sobrinho rico, mas como um servo ao seu tio e trabalhou seriamente, dia e noite com muita dedicação e eficiência. Os frutos do seu trabalho, servindo foi visto e reconhecido pele tio, que lhe fez proposta para que não saísse do trabalho e voltasse para sua casa e família em Canaã. Um herdeiro rico, também herdeiro espiritual de um legado verdadeiramente importante, passou uma grande parte de sua vida servindo em atividades que qualquer um poderia dizer que estava fora de sua verdadeira condição social. O que Jacó aprendeu e o que ele tirou de proveito de todas essas experiências? Quantos estão dispostos a servir em nível abaixo do que considera o seu nível? Todos os três leitores mais assíduos desses escritos sabem que considero o trabalho uma bênção e uma dádiva de Deus. Nunca o vi como castigo ou punição e não se trata da minha humilde opinião; essa é a verdade bíblica. O trabalho dignifica, da sentido à vida, a pessoa se torna útil e beneficia sua comunidade e deixa uma marca e um legado. A possibilidade de desenvolver seus talentos e habilidades, pode levar um trabalho simples a ser visto até mesmo como uma arte. Nos tempos que servi entre os capixabas, fomos realizar uma reunião da Ordem de Pastores em Guarapari, e o combinado era que os anfitriões servissem uma Moqueca caprichada no almoço. Na tarde do dia anterior foi com o Pastor Nelson Lucas Alvim, comprar os peixes dos pescadores que chegavam do mar e ali mesmo havia pessoas que ganhavam a vida limpando peixes e fiquei observando o trabalho deles no manuseio e aquilo me deixou admirado, eu não queria acreditar até que cronometrei o tempo deles, enquanto batiam papo animados gastavam em média 15 segundos por peixe. Aquilo não era serviço, era arte. Em todas as áreas há pessoas que dão verdadeiros shows simplesmente ao realizar suas funções, que muitos consideram trabalhos de pouca importância. Paulo segure: Vós, servos, obedecei em tudo a vossos senhores segundo a carne, não servindo só na aparência, como para agradar aos homens, mas em simplicidade de coração, temendo a Deus. E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como ao Senhor, e não aos homens, sabendo que recebereis do Senhor o galardão da herança, porque a Cristo, o Senhor, servis (Cl 3.22-24). A quem de fato eu sirvo com meu trabalho? Estar ciente de que qualquer que seja a função, eu sirvo ao Senhor, me mantem motivado à excelência e a alegria em fazer.

Obrigado Pai, por servir é posição de dignidade no Reino. Jesus serviu-nos, o Espírito Santo ainda está nos servido, e o Pai olha por nós o tempo todo, sem descuidar e sem deixar nada faltar. Nossos maiores heróis, foram bons em servir. Obrigado pela oportunidade de servir no meu tempo. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Quanto Você Quer Ganhar?

Meditação do dia: 08/08/2019

  E disse mais: Determina-me o teu salário, que to darei. (Gn 30.28)

 Quanto Você Quer Ganhar? – Que pergunta! Certamente muita gente sonharia em ouvir isso do chefe, patrão ou diretor financeiro. Agora, falando só entre nós: Quanto mesmo você gostaria de ganhar? Claro que estamos falando de finanças e trabalho. Qual é a sua base de pensamento sobre ganhos. O dinheiro que ganhamos nada mais é do que a conversão do nosso esforço em moeda corrente. Isso também funciona com o princípio da semeadura, ou seja, colhemos o quanto plantamos. A uma potencial de multiplicação daquilo que semeamos. Quando eu era jovem e trabalhava na roça com meu pai e meus irmãos, eu ouvia, (lá em Goiás, em época de trabalho braçal e sem as técnicas e melhorias genéticas etc.) que uma terra normal deveria produzir o mínimo de uma saco de arroz por cada litro plantado, uma proporção mais ou menos de um para sessenta. Assim, alguém plantando dez litros de sementes não poderia esperar colher duzentos sacos. Assim sendo, no meu campo de trabalho, eu invisto a minha vida e a qualidade do meu trabalho e recebo por isso determinado soldo. Então se preciso colher mais, eu preciso semear mais ou melhor a qualidade e a produtividade. Quando as pessoas não pensam nas bases ou origens de suas fontes de renda, facilmente elas vão comparar com alguém ou com suas atuais necessidades. Disso resulta uma resposta que pode não lhe parecer justa, ou levar a se gloriar de seus feitos. Quando alguém vai contratar uma pessoa ele tem uma noção do valor daquele profissional ou do serviço por ele prestado, assim existe o mínimo e o máximo; sabendo do seu valor e seu potencial, acontece a negociação, para cima ou para baixo. Labão sabia que qualquer valor que Jacó pedisse, seria justo e valeria e ele estaria disposto a pagar, por isso fez a afirmação: Determina-me o teu salário, que to darei. Desejar ou pedir para ter aumento de salário ou percentual de participação sem que se esteja produzindo mais ou de melhor qualidade, não é correto. Não é porque o custo de vida sobe, meus gastos são altos e agora tem mais despesas… a questão não é quanto eu quero, mas quanto eu valho! Como meu trabalho é importante e necessário. Você tem se aperfeiçoado na sua área? Você tem progredido e investido em qualificação e melhorias constantes? Se a resposta é não, então não merece aumento e se cuida, porque pode ser trocado e isso sim, é justo. Sou pastor de igreja local e fui ordenado em 1986, logo após me formar no seminário. Valorizei o aprendizado constante e a atualização tanto em teologia quando em outros conhecimentos. Participo de seminários, frequento congressos e eventos onde posso ser ministrado ao menos duas vez ao ano. Leio, estudo e observo para estar em sintonia com as necessidades à minha volta. vejo a luta das pessoas por melhorar de vida, mas sem investirem em crescimento e melhorias. Isso, simplesmente não vai acontecer. Labão tinha más intenções para com Jacó, mas Deus tinha boas intenções e ajudou o seu servo a ganhar sempre, mesmo com a volatilidade com que Labão fazia com seu salário. Invista no seu desenvolvimento e suas condições crescerão proporcionalmente a isso.

Senhor, a tua Palavra diz que o trabalhador é digno do seu salário, então quanto mais esse trabalhador crescer e investir em sua qualificação, a justiça do Senhor fará com que ele seja recompensado por isso. O preguiçoso e negligente não agrada e não contribui e assim não pode ser agraciado com bênçãos sobre bênçãos. Jesus é nosso modelo de eficiência, diligencia e boa mordomia e sendo justo ele dará a cada um o que lhe é devido. Assim, apresento a minha gratidão pela generosidade e abundancia com que a tua providencia tem se apresentado a teu servos fiéis e obedientes. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Nada Substitui Uma Experiencia

O

Meditação do dia: 07/08/2019

  Então lhe disse Labão: Se agora tenho achado graça em teus olhos, fica comigo. Tenho experimentado que o Senhor me abençoou por amor de ti. (Gn 30.27)

 Nada Substitui Uma Experiencia – Santidade e inocência eram as marcas de Adão e Eva, até que isso foi testado, e a obediência cedeu lugar a desobediência e o pecado entrou, sentou no trono e reinou. Certamente morrerás, se tornou então uma experiência de vida, que até ali, era uma teoria para eles. Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo, e o primeiro capítulo de Apocalipse aparece como o currículo de Jesus, suas credenciais para ser o tal Redentor. O que se confirma durante a revelação recebida por João. E ninguém no céu, nem na terra, nem debaixo da terra, podia abrir o livro, nem olhar para ele. E eu chorava muito, porque ninguém fora achado digno de abrir o livro, nem de o ler, nem de olhar para ele. E disse-me um dos anciãos: Não chores; eis aqui o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, que venceu, para abrir o livro e desatar os seus sete selos (Ap 5.3-5). Jesus não veio a este mundo como intocável, com superpoderes e acima dos mortais, ele veio como homem, como eu, como você, como nós. Andou pelas nossas estradas poeirentas, comeu do nosso pão, bebeu da nossa água, trabalhou com as mãos e foi em tudo como qualquer ser humano, excetuando-se ao pecado. Isso, é experiência! Quando Deus chamou Abrão fez-lhe promessas e entre elas havia uma que dizia: E abençoarei os que te abençoarem, e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra (Gn 12.3). Deus falava de bênçãos em todos os sentidos, ser e receber bênçãos. Sabemos que com Abraão funcionou e com Isaque também. Agora nós vemos Jacó ralando duro na fazenda do tio Labão, inicialmente para pagar os dotes das esposas e agora que a conta estava paga, ele resolve ir embora e construir sua vida em sua terra natal; mas o tio o chama para um acordo e dá um testemunho sobre a vida de Jacó: Tenho experimentado que o Senhor me abençoou por amor de ti. Mesmo sendo um dos maiores 171 daquela época, Labão reconhecia que a vida de Jacó, fazia diferença na sua vida, da sua família e do seu negócio. Ele estava prosperando como nunca, desde que Jacó se tornou ser administrador de rebanhos. A promessa de Deus de que Abraão e seus descendentes seriam abençoadores por onde quer que fossem, estava presente e agora Jacó, ouvira isso da boca do sogro/tio. A experiência de Labão apenas confirmava o que Jacó já sabia e experimentava. Sendo Labão, quem era e fazendo o que fazia por razões tão mesquinhas e ainda assim era grandemente abençoado por causa de Jacó; o que não aconteceria e aconteceu com o próprio Jacó, quando começou a trabalhar para construir sua riqueza? Amados, Deus nos chamou para ser bênçãos em primeiro lugar e as nossas bênçãos virão certamente no tempo certo, se mantivermos o foco naquilo que de fato é a prioridade de Deus. Por mais que alguém tenha capacidade e habilidade de gerar riquezas, Deus tem muito mais. Para ele transferir e amontoar bênçãos sem medidas na vida de uma pessoa, ele não depende de planos de governos, moedas fortes ou estáveis, mercados à favor e bull marketing. O contrário também é verdadeiro: andando na contramão da vontade de Deus, ninguém prospera e prevalece. Como ele diz através do profeta Ora, pois, assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai os vossos caminhos. Semeais muito, e recolheis pouco; comeis, porém não vos fartais; bebeis, porém não vos saciais; vestis-vos, porém ninguém se aquece; e o que recebe salário, recebe-o num saco furado. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Considerai os vossos caminhos (Ag 1.5-7). Preste bem atenção, que por duas vezes Deus fala, “considerai os vossos caminhos…” Pode acreditar, os caminhos de Deus, são perfeitos!

Senhor Deus e Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, conhecido por Abraão como o Altíssimo, o Possuidor dos Céus e da Terra, meu Deus e meu Pai. Nossa chamada é de verdade e para sermos bênçãos na vida das pessoas e das nações. Obrigado por criar e delinear nas Escrituras uma mentalidade de Reino, de vencedores, de sucesso e realização onde nenhum dos teus planos serão frustrados. Graças, por nos permitir participar disso, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Fruto do Trabalho

Meditação do dia: 06/08/2019

  Dá-me as minhas mulheres, e os meus filhos, pelas quais te tenho servido, e ir-me-ei; pois tu sabes o serviço que te tenho feito. (Gn 30.26)

 O Fruto do Trabalho – Trabalhar não é uma maldição e nem um castigo imposto à Adão e Eva no paraíso, devido aos seus pecados. Também não é uma forma de punição ou qualquer outra conotação negativa que se queira dar. O trabalho é na verdade uma dádiva, uma bênção muito grande para a vida das pessoas. Do ponto de vista de Deus, ele é um instrumento através do qual uma pessoa descobre e desenvolve habilidades e aptidões criativas e com isso ele levanta o sustento para si e para sua família e ocupa-se com atividades produtivas, recompensadoras e porque não, didáticas e ajudando nas relações de produção e consumo e as relações sociais. Trabalhar e exercitar bem aquilo que se sabe, torna possível aquilo se transformar numa arte altamente gratificante. Quando uma pessoa trabalha dentro de sua vocação e habilidades, ela produz mais e se desgasta menos. O peso e sentimento de fardo opressor acontece quando está agindo fora do seu campo vocacional e de suas habilidades. O cristão precisa adotar e seguir a mentalidade bíblica sobre o seu trabalho, para não torna-lo uma fonte de amargura e ressentimento, amaldiçoando assim a sua fonte de renda e prosperidade. A Palavra de Deus em toda a sua extensão lida com o trabalho como sendo um presente de Deus e oportunidade de servir às pessoas e construir relações promissoras, incluindo o testemunho da fé e da capacidade de provisão divina. Jacó largou sua família e sua casa com todas as regalias que sua condição financeira lhe proporcionava e foi começar tudo praticamente do zero em terras distantes e estranhas. Mas ele tinha um foco: Ter uma família, com muitos descendentes, que um dia se tornaria uma nação poderosa. Com isso em mente, ele trabalhou arduamente, sob sol, chuva, neve, noites e dias cuidando de um rebanho de seu tio, para em troca ter sua família. Aqui ele se apresenta ao sogro e tio, dizendo que estava na hora de voltar para Canaã, onde seus pais o aguardava e onde ele continuaria sua missão. Ele estava satisfeito e grato, pois tinha esposas e filhos,  e nesse espaço de tempo, havia cuidado bem e multiplicado o rebanho que estivera sob seus cuidados; ele e o sogro reconheciam o bom e produtivo trabalho. Agora era a hora certa para cuidar da sua família e criar a sua riqueza, para que o futuro do seu povo e da aliança com Deus se confirmasse. Minha lição é a da sensatez e da boa mordomia. Jacó como um patriarca bíblico, entendia e sabia que é preciso construir uma base, para sobre ela edificar todo o projeto de vida, dado por Deus ou sonhado pela pessoa. Não precisamos ter uma profecia para trabalhar por prosperar e ser bem sucedido. Também não é verdade que apenas sobreviver é o caminho da vida para quem é piedoso e comprometido com Deus e sua obra. Quando Jesus disse: “Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8.32). onze em cada dez cristãos só consegue ver aí a salvação da alma e a libertação de vícios e demônios. Conhecer a verdade, é conhecer uma pessoa, Jesus! Ele é a fonte de todas as provisões, incluindo a vida material e financeira.

Senhor, obrigado por seu o nosso pastor e aquele que supre todas as nossas necessidades. Sendo dono e senhor de todas as coisas, não há razão para que os teus filhos não tenham ampla abundancia e suficiência em tudo. Somos gratos pelas bênçãos que tornam a vida prazerosa e agradável. Obrigado pela oportunidade de ser criativo com os dons, talentos e habilidades com as quais fomos criados, eles são presentes maravilhosos e com eles servimos a ti e às pessoas à nossa volta. obrigado por tudo, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Hora de Partir

Meditação do dia: 05/08/2019

  E aconteceu que, como Raquel deu à luz a José, disse Jacó a Labão: Deixa-me ir, que me vá ao meu lugar, e à minha terra. (Gn 30.25)

 Hora de Partir – Hoje queremos pensar em tempos e oportunidades que se nos deparam na vida e algumas circunstancias produzem no nosso interior aquela sensação de que está na hora de fazer alguma coisa diferente. Todos, sem exceção, partimos de um ponto e almejamos chegar em outro, é a jornada da vida e dentro dela, tem uma porção de pequenas jornadas, menores, mas que compõem e complementam o todo e algumas são determinantes. Só para efeito de ilustração, imaginemos que alguém tem como meta, conhecer Fortaleza, lá no Ceará; esse é o grande sonho e a meta dessa pessoa. Um dia, ele pega um avião e aterrissa lá. Para todos efeitos, ele está em fortaleza! Já realizou o seu sonho. Sim e não. Agora que está lá, existe um leque de opções e oportunidades de tornar essa estadia mais agradável e produtiva. À medida que ele exercita sua criatividade e saia do comodismo, ele pode até se cansar de tanto passear, conhecer novos lugares e pessoas e experimentar sabores e alegrias segundo a sua capacidade, criatividade e recursos. Uma semana depois ele volta para casa e tem relatórios e lembranças para contar. Jacó saiu de casa para ir a Hará e se casar. Ele foi e se casou, até com duas irmãs! Precisava trabalhar e trabalhou muito, melhorou a quantidade e a qualidade do rebanho do tio, provavelmente ele tinha práticas e técnicas melhores no manejo do rebanho, do que as que eram conhecidas e praticadas ali. Ele queria ter filhos, e teve, agora já eram onze meninos e uma menina. A promessa de Deus para ele, de certa forma estava cumprida. Então ele percebeu que já estava na hora de fechar o círculo e terminar aquele exílio voluntário/forçado. Ele tinha um pai e uma mãe de quem tinha saudades e um irmão de quem tinha receio e de quem sofrera ameaças graves. Mas a promessa divina lhe garantia carimbo no passaporte para ir até Harã, constituir família e voltar com as garantias de suprimento e proteção. Tudo tinha acontecido, era agora a hora de voltar e cumprir também a sua parte nessa aliança e os votos que fizera naquela primeira noite de sua saída de casa. A minha pergunta é, estamos sempre lembrados da verdadeira vocação e chamado de Deus em termos de tempo, oportunidades e agirmos dentro disso produtivamente? Muitos de nos embarcamos em jornadas sem itinerário certo, sem etapas definidas e muito menos tempo de finalização. Quando corremos, quer seja com um veículo, ou à pé, atingimos uma velocidade ideal, a mantemos e depois vem a hora de parar e quando sabemos onde vamos parar, também já determinamos onde começa o processo de desaceleração, para no momento certo e lugar certo de parar, tenhamos condição de fazê-lo com sucesso. Pastores precisam pensar nisso, em suas vidas ministeriais e não deve ser quando já estiver em cima da hora, isso será traumático, perigoso e pode até ferimentos. Assim, com certeza, não é a vontade daquele que nos chamou e andou conosco o tempo todo. Quando nasceu José, Jacó percebeu que era hora de pensar em como sua jornada deveria ser dirigida de agora em diante. Tem José nascendo em suas vidas?

Senhor, obrigado por seu o mesmo, ontem, hoje e eternamente. O Deus chama, e o mesmo que capacita, sustenta, ampara e acolhe em todas as demais etapas da caminhada. Obrigado por despertar em nós a chama da vocação saudável e produtiva para construir o Reino de Deus, cada de nós com dons, habilidades e oportunidades diversas, mas todos úteis e valorizados por ti. Que essa meditação desperte nas pessoas o desejo de ver e rever os conceitos de suas vidas e ministérios para glória do Senhor. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

José

Meditação do dia: 04/08/2019

  E lembrou-se Deus de Raquel; e Deus a ouviu, e abriu a sua madre. E ela concebeu, e deu à luz um filho, e disse: Tirou-me Deus a minha vergonha. E chamou-lhe José, dizendo: O Senhor me acrescente outro filho. (Gn 30.22,24)

 José – De todos os doze filhos de Jacó, que se tornaram uma nação, José é o que tem mais acompanhamento descrito na Bíblia. Está entre os personagens mais queridos entre todos os cristãos e leitores das Sagradas Escrituras. Um exemplo de pessoa, de líder, de humildade e de todas as boas qualidades que se pode esperar de uma boa pessoa. Sendo assim, sua história deve começar bem, e o foi; afinal, foi uma iniciativa de Deus, lembrando-se de Raquel e abrindo a sua madre em resposta às suas orações. Em qualquer romance que se preze, a vitória final nunca vem sem muita luta, dificuldade e oposição, até finalmente dar tudo certo. Com Jacó e Raquel não foi nada diferente. Os dois se afeiçoaram mutuamente, logo nos primeiros dias da chegada do rapaz naquelas terras, vindo de Canaã para morar e trabalhar e formar sua família. No primeiro dia, ainda antes de chegar na casa do tio Labão, conheceu Raquel e na entrevista de emprego, ele já apresentou o pedido de casamento, por sete anos de trabalho e a proposta foi aceita pelo pai da moça. Tudo se complicou no exato dia do casamento, até que no amanhecer da noite de núpcias ele descobriu que fora passado para trás, e agora de fato estava casado com Lia, a cunhada até então. Os anos se passaram e a família já estava grande, com dez filhos, seis de Lia e quatro das duas servas de Raquel e Lia e a disputa pela afeição tinha contornos de confrontos e rivalidades, beirando a hostilidades. Agora, o texto sagrado nos diz que Raquel permanecia em oração e Deus a ouviu, e segundo ela mesma, sua vergonha, ou vexame de não ter gerado nenhum filho até então, o empurraria a irmã para a posição preferencial; então Deus a presenteia com um filho, e ela já o nomeou com um nome que evocava outro irmão, pois José significa “Deus Acrescenta.” Voltamos ao tema da perseverança e fidelidade àquilo que cremos, pois no devido tempo a vitória sempre será de quem permanece firme batalhando. Só a própria Raquel sabe interiormente o preço pago em oração, buscando a realização do seu sonho de vir a ser mãe, o que também seria um grande presente para Jacó. Não vou escrever muito aqui, porque estamos meditando na história de Jacó, e certamente entre os personagens que ainda escreveremos, José fez por merecer tudo o que tem registrado e será muito edificante escrever sobre ele. Como diz o Boris Casoy: “Quem viver, verá!”

Pai, agradecemos por tudo de bom que o Senhor permite vir às nossas vidas, e as maiores preciosidade são alcançadas com muita luta e perseverança. Até hoje, e para sempre, a vida de José será uma inspiração para quem serve ao Senhor e passa por provações difíceis e mesmo assim persiste em crer que a vitória virá, por tu és Deus, o Altíssimo, Senhor de tudo e de todos. Obrigado por Raquel ter perseverando não apenas contra a irmã, mas até consigo mesma ela teve que lutar e acreditar que poderia vir a ser mãe, e quando o foi, trouxe ao mundo um homem que fez a diferença para todos. Em nome de Jesus, louvamos por todas as lutas e provas, pois elas nos conduzirão a grandes conquistas. Amém.

Pr Jason

Marido de Aluguel

Meditação do dia: 1º/08/2019

  “Vindo, pois, Jacó à tarde do campo, saiu-lhe Lia ao encontro, e disse: A mim possuirás, esta noite, porque certamente te aluguei com as mandrágoras do meu filho. E deitou-se com ela aquela noite.” (Gn 30.16)

 Marido de Aluguel – Depois de um dia de trabalho no campo, cuidando de ovelhas, cordeiros, filhotes e apriscos, alguém tem que voltar para casa e encontrar um pouco de descanso, carinho da esposa e abraços das crianças pequenas; é assim que se imagina a vida de um pastor de ovelhas. Mas se as atividades do campo eram intensas e requeria muita atenção, Jacó ao voltar para casa, tinha um outro expediente para enfrentar. A guerra das irmãs, ou das rivais, ou ainda, das esposas! Embora já fossem casados a vários anos e oito filhos, eles ainda vivenciavam experiências de competitividades entre as duas irmãs. Elas rivalizavam pela afeição e maior atenção do marido, e para isso elas queriam gerar filhos pois isso certamente geraria afeição e consequentemente a atenção e a preferencia dele. Lia já tinha quatro filhos com Jacó e dois outros que sua serva gerara; Raquel tinha dois filhos gerados pela serva pessoal dela. Mesmo assim, o placar parecia sempre estar empatado e a guerra delas parece que não teria um armistício tão cedo. Um dos filhos de Lia, colheu algumas frutas silvestres e trouxe de presente para a mãe, mas quem estava desejosa de come-las era Raquel que pediu algumas e aí repetiu-se aquele mesmo filme de quando Jacó tinha feito uma sopa muito saborosa, de cor vermelha e que cheirava muito bem, exatamente quando o seu irmão Esaú volta de uma caçada não muito bem sucedida. Ao pedir uma prato de sopa, Jacó propôs um negócio, a venda do direito de primogenitura. Ele deu sorte, Esaú estava sem nada no estômago e muito menos ainda na cabeça e aceitou a proposta. Assim, ele adquiriu o direito de herdar a primogenitura e ser assim, o sucessor na linhagem das alianças com Deus. Lia aproveitou a brecha histórica de família e alugou o próprio marido dando as madrágoras como pagamento. Não sei se Jacó se assustou ou se gostou da idéia, mas a verdade é que vem mais um menino por aí, gente!

 Senhor, obrigado por permitir que os teus filhos sejam produtivos e dedicados à tua causa, mesmo sendo falhos e fracos, cometendo muitas atitudes difíceis de explicar. Mesmo vendo tudo o que aconteceu com Jacó e sua família, sabemos que foi um homem de Deus e que conseguiu ser fiel e construir a nação que era o seu papel na história do povo de Deus e da obra da redenção. Somos gratos, por tudo que tem acontecido em nossas vidas. Em nome de Jesus, amém.

Ps: (Essa meditação ficará fora da ordem, por motivo de viagem)

Pr Jason

Meditação do dia: 31/07/2019

  “Depois deu Zilpa, serva de Lia, um segundo filho a Jacó. Então disse Lia: Para minha ventura; porque as filhas me terão por bem-aventurada; e chamou-lhe Aser.” (Gn 30.12-13)

 Aser – Esse é o oitavo filho de Jacó, o segundo com a serva de Lia, Zilpa. O nome, significa feliz, bem-aventurado, foi dado por Lia, numa demonstração de que as gerações futuras a reconheceriam como uma mulher feliz por ter sido uma mãe com abundancia de filhos e assim ela prevalecia sobre a sua irmã. Queremos reconhecer a bênção de Deus sobe Jacó, cumprindo-lhe a promessa de vir a ser o pai de uma grande nação. Ele estava vendo essa bênção se firmando pois agora já era um pai de oito filhos, mais do que todos anteriores, ou seja, seu pai e seu avô. Para alguém que deixou sua terra natal, seus familiares e seus bens, para recomeçar a vida bem distante de tudo que conhecia, isso era gratificante. Posso imaginar, a alegria do coração desse homem, que construiu sua vida com muito trabalho e dureza, servindo a um tio e cuidando de rebanhos que nem eram seus. Mas ele não estava olhando apenas para seus instantes de sofrimento, pois mantinha seu foco em algo muito mais firme e valioso. Para alguém comum e mentalidade mediana, diria que era uma família em crescimento; um homem, duas esposas e duas servas e oito filhos. Jacó olhava para uma tribo, uma nação e tudo estava se encaminhando para isso. Não vou fazer comercial do supermercado Pão de Açucar, mas “o que é que te faz feliz?” Lia estava levando muito à sério a disputa com Raquel, e agora ela estava certa de que seu nome seria lembrado entre as mulheres, por seu uma bem-aventurada mãe de muitos filhos; quando se tornassem uma nação, o nome dela seria lembrado. Hoje, cada um de nós, dentro de nossas vocações e dos serviços que nos foram confiados por Deus no seu reino, precisamos pensar com seriedade, mas também com sanidade, pois a causa é bem maior do que a todos nós. O reino é eterno e somos elos da construção dele; assim, não podemos colocar nossas idéias pessoais de sucesso ou de ver o nosso nome na história. Entendemos que a Deus pertence toda a honra e toda a glória, por aquilo que ele é e por tudo o que ele faz. Nossas batalhas, devem culminar num processo de unidade para o sucesso de toda a causa. Lia e Raquel brigavam entre si por afeto e atenção, e assim iam dando os nomes aos seus filhos, mas Jacó estava olhando para uma nação em formação e nesse sentido, a briga particular pouco atenção merecia. Por alguma razão essa idéia ou conceito, ficou registrado nos Salmos: “Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito. Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração” (Sl 40.7,8).

 Senhor, obrigado por ser a fonte da nossa alegria. Nosso prazer está em fazer aquilo que te agrada, tal qual o nosso Senhor Jesus. Obrigado pelo privilégio de lutarmos as batalhas que tornarão o teu reino, cada dia mais real, em todos nós. Em nome de Jesus, amém.

Ps: (Essa meditação ficará fora da ordem, por motivo de viagem)

Pr Jason