O Jeito Labão de ser

Meditação do dia: 21/08/2019

  Mas vosso pai me enganou e mudou o salário dez vezes; porém Deus não lhe permitiu que me fizesse mal. (Gn 31.7)

 O Jeito Labão de Ser – É preciso comer um saco de sal junto com uma pessoa até conhece-la de fato. Esse é um adágio popular no interior do Brasil. Dizer que conhece uma pessoa sem ter uma convivência e poder experimentar as muitas variações de humor, e qualidades daquele pessoa é uma precipitação. Jacó estava conhecendo seu tio de um jeito não muito agradável, e aquele jeito Labão e ser, não lhe era estranho, porque em parte de sua vida ele teve um modo Jacó de ser, e não foi muito agradável como as coisas aconteceram. Ele se viu enganando o pai com a ajuda da mãe, pela segunda vez enganou o irmão e as relações em casa ficaram insustentável. Rebeca e Isaque então optaram por enviá-lo para Harã, até que as coisas se acalmassem e também ali ele pudesse se casar em família e estar pronto para um dia retornar à Canaã. Como sabemos a história inteira, ficamos conscientes de que o Jacó que saiu da casa de seus pais, não foi o mesmo que chegou em Harã, graças a um encontro com Deus em Betel. Em todas as fases do relacionamento dele com o tio, sempre houve más intenções contra ele e seus projetos. Pediu uma filha em casamento e recebeu outra de forma enganosa. Foi instigado a repetir outros sete anos de trabalho para então casar-se com Raquel. Quando concluiu seus pagamentos e foi trabalhar por construir seu próprio pagamento, recebeu proposta boa demais para ser verdade, e a menos que Deus tenha feito intervenções, ele teria sido arrasado pelo sogro. Mesmo mudando tantas vezes os acordos salariais, ainda assim seus filhos criticavam a Jacó como alguém que se apropriou das posses deles e o pai lhes dava cobertura. Estamos falando de anos de lutas contra uma pessoa treinada em tirar proveito e o faz sem nenhum temor. O jeito Labão de ser ainda persiste no decorrer dos anos e chegou até nós. Pessoas de má índole, empresas de propriedade de pessoas más e até governos que deveriam arbitrar lealdade e correção nos atos, apresentam o mesmo perfil de Labão. Não havendo a bênção de Deus na vida, fatalmente seremos engolidos vivos e sairemos sem nada depois de anos de trabalho e esforço. A grande lição aqui é que devemos focar em servir a Deus e não à Labão, porque os dois tem planos para nossas vidas, mas servir a senhor errado pode trazer muitas tristezas e lágrimas. Ainda que no decurso da jornada você persista em fazer o certo e ser honesto e produtivo, mas se fez a escolha inicial de servir a Labão, essa única escolha é suficiente para lhe dar muitas dores de cabeça. Antes de se ligar a uma instituição ou lugar de serviço, ore e peça discernimento de Deus. Labão está sempre na espreita!

Senhor, tu és aquele que guarda os teus filhos de tropeçarem e serem enganados e servir sem finalidade. Guia os passos dos teus servos e abra-lhes boas portas, verdadeiras bênçãos para suas vidas e ministérios. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Quem Servimos?

Meditação do dia: 20/08/2019

  E vós mesmas sabeis que com todo o meu esforço tenho servido a vosso pai; (Gn 31.6)

 A Quem Servimos? – Todos gostam de ser chamados se servos, mas o que ninguém gosta é ser tratado como servo. Quando se coloca servo como elogio, humildade, alguém que faz a diferença, tudo fica bem e até afago o ego. Mas a utilizar a palavra e a condição de servo, muita gente boa vai arrepiar. Jacó era filho de fazendeiro rico e mesmo assim servia seu tio/sogro como um empregado. Jesus embora sendo Deus, se humilhou e serviu e foi obediente até a morte de cruz. Ele lavou aos pés dos seus discípulos e deu a idéia exata de como no Reino de Deus essa questão é tratada. Paulo, ao escrever aos romanos, falando da servidão do pecado, disse que as pessoas fazem a escolha de a quem servirão. Não sabeis vós que a quem vos apresentardes por servos para lhe obedecer, sois servos daquele a quem obedeceis, ou do pecado para a morte, ou da obediência para a justiça (Rm 6.16). Espiritualmente pode-se submeter à obediência ou ao pecado e ambos produzirão efeitos na vida. Mas minha linha pensamento hoje, está mais voltada para servir no sentido de trabalhar; isto é, você se propõe a trabalhar e o fruto do seu trabalho e dedicação, com a bênção do Senhor sobre sua vida vai produzir riquezas, então, para quem serão essas riquezas? Para você mesmo e sua família? Ou para o patrão, empresa, governo? Um jovem recém formado desejoso de vencer na vida iniciou sua carreira numa grande empresa com executivos de alto nível e muito bem pagos. Certo dia ele foi encarregado de levar uma pasta de documentos muito importantes para um dos executivos em sua casa; era uma mansão linda com uma enorme garagem com uma coleção de carros raros e exóticos. Na rua, em frente estava um carro de luxo, tipo Maserati ou desse nível. O jovem ficou encantado com tudo aquilo. Disse ao executivo que amava aquele carro e até tinha um pôster dele no seu quarto; pediu para vê-lo por dentro e ficou mais empolgado ainda. Aquele executivo disse a ele: Se você trabalhar para nós um ano inteiro, com muita dedicação, sem desanimar e até passar da hora se preciso ou mesmo dormir no escritório, ao final desse tempo você produzirá o suficiente para eu comprar outro carro desse! A moral da história é: para quem vai a riqueza que você produz com seu trabalho? Um dos males causados pelas distorções de valores familiares modernos, é que os pais deixaram de preparar os filhos para a vida; agora eles são preparados para encontrarem um emprego, e conseguirem se sustentar. Não sei se vocês já perceberam, mas quase não existe mais aquelas figuras de entrar num trabalho ou empresa e ficar lá até se aposentar, com vinte, trinta ou até cinquenta anos de casa. Começar com boy e terminar como executivo, já não existe mais. Trabalhar apenas para sobreviver não é o propósito de Deus para nenhum de seus filhos. A falta de conhecimento e energia para mudar as coisas é que perpetua essa distorção e alguns até se acostumam. Mas, me permitam deslocar um versículo do contexto onde todos o entendem e só no sentido espiritual, mas a verdade é que ele fala de todos os contextos da vida. E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará(Jo 8.32). Precisamos conhecer a verdade que nos liberta da mentalidade de pobreza, servidão trabalhista e conformação com pouco e sem trabalhar para progredir e reverter a situação. Orem sobre isso. O Espírito Santo é capaz de te guiar a toda a verdade. Se você for mais bem sucedido e manter a fé e a boa mordomia, comprometido com Deus e a sua obra, você acha que Deus será mais glorificado ou não em sua vida?

Senhor, hoje, oro por mim e pelos meus irmãos que dão um duro no trabalho e se desdobram para gerar resultados suficientes apenas para as despesas diárias e eles acreditam que tem a tua bênção. Outros não acreditam que podem mudar de nível, e se conformam em permanecer criando riquezas para outros. Abra os nossos olhos e nosso entendimento, porque podemos compreender os teus caminhos e faz mais e melhor com tudo que coloca à nossa disposição. Amamos a verdade e queremos tudo o que tu queres para nós como pessoas, mas também como povo. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Rosto de Labão

Meditação do dia: 19/08/2019

  E disse-lhes: Vejo que o rosto de vosso pai não é para comigo como anteriormente; porém o Deus de meu pai tem estado comigo; (Gn 31.5)

 O Rosto de Labão – Em muitos trechos da bíblia a expressão sobre o rosto de alguém, ou de Deus, tem o significado de favor, atenção, cuidado, quando descrito positivamente, ou o contrário, quando utilizado no sentido negativo. E se o meu povo, que se chama pelo meu nome, se humilhar, e orar, e buscar a minha face e se converter dos seus maus caminhos, então eu ouvirei dos céus, e perdoarei os seus pecados, e sararei a sua terra (2 Cr 7.14). nos Salmos e em outros textos encontramos declarações tais quais esta: A face do Senhor está contra os que fazem o mal, para desarraigar da terra a memória deles (Sl 34.16). mostrei esses dois textos para ilustrar o que Jacó estava presenciando e interpretando. Isso não é estranho para nós, pois quando falamos com alguém, as expressões do rosto da pessoa pode comunicar muito mais do que as palavras. Quando Jacó chegou, foi recebido com abraços, beijos, sorrisos e alegria de ter um sobrinho em casa. Enquanto Jacó produzia e dava lucro, trazendo prosperidade, tudo estava muito bem. Aqui estamos lidando com oportunismo. Há algum tempo atrás fiz uma série de ministrações sobre a pessoa de Jacó, e naquela ocasião, apresentei Labão como um tipo maligno, alguém que representa uma casta de demônios destruidores, ligados à avareza, engano e trapaça para obter lucros e resultados à qualquer custo, especialmente tirando proveito de quem está por perto. Labão era a ganancia em pessoa. Desde a primeira aparição dele no cenário, deixa indícios de seu caráter e suas intenções materialistas. E Rebeca tinha um irmão cujo nome era Labão, o qual correu ao encontro daquele homem até a fonte. E aconteceu que, quando ele viu o pendente, e as pulseiras sobre as mãos de sua irmã, e quando ouviu as palavras de sua irmã Rebeca, que dizia: Assim me falou aquele homem; foi ter com o homem, que estava em pé junto aos camelos, à fonte, E disse: Entra, bendito do Senhor; por que estás fora? pois eu já preparei a casa, e o lugar para os camelos (Gn 24.29-31). Quando ele viu os presentes de ouro que a irmã Rebeca havia ganhado, seus olhos brilharam e ele tratou de seu hospitaleiro e gentil em grande medida com Eliézer. Agora o rosto dele demonstrava desgosto e reprovação para com Jacó, ainda que esse tivesse abençoado tanto a sua vida. Pessoas dessa categoria ainda existem e vamos cruzar nossos caminhos com eles. Jacó sabia que não sucumbira e fora prejudicado de maneira irreversível, por causa da presença de Deus com ele. Aí entra o valor da comunhão e da vida no altar. Batalhas espirituais são vencidas com armas e estratégias espirituais. Determinadas pessoas só vão andar conosco e nos favorecer se algo que temos ou fazemos pode lhe trazer benefícios, senão, eles nos rejeitam e desprezam com argumentos muito válidos nas suas concepções. Fique do lado de Deus.

Enhor Deus e Pai, graças de damos nesse dia, pela tua capacidade de nos abençoar acima da mediocridade dos nossos próprios planos. Também podes livrar-nos daqueles que só buscam o próprio bem e pretendem tirar proveito de tudo que lhes vier à mão. O Senhor sempre será o nosso socorro, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Uma Conversa ao Campo

Meditação do dia: 18/08/2019

  “Então mandou Jacó chamar a Raquel e a Lia ao campo, para junto do seu rebanho, (Gn 31.4)

 Uma Conversa ao Campo – Registro interessante esse que temos aqui, de vermos reunidos Jacó, Lia e Raquel. Não que provavelmente eles não se reunissem, mas como registro, esse é raro e precioso, pois aconteceu num momento de turbulência emocional e as relações entre Jacó e a família delas andava meio que estremecidas. Mas o convite partiu dele que desejava conversar com elas sobre a situação atual e o futuro que teriam que decidir e ele preferia fazer isso juntos. Na sua mocidade Raquel fora pastora dos rebanhos da família, e foi exercendo essa função que ela e Jacó se encontraram nos arredores da cidade junto ao poço utilizado por todos os pastores locais. Lia, não temos registros sobre suas atividades, mas provavelmente era uma dona de casa dedicada aos muitos filhos e demais atividades, afinal ela tinha muito desejo de conquistar a simpatia do marido e nada melhor do que valer-se dos seus dotes. Para que a conversa melhor se desenvolvesse, o ambiente do campo seria ideal, pois propiciava uma vista oportuna delas conhecerem de perto o trabalho de Jacó e ainda contemplarem as propriedades que lhes pertenciam, pois fora com o esforço do trabalho dedicado dele e agora também com a ajuda dos filhos mais velhos que já se ocupavam dos cuidados dos rebanhos junto com o pai. Tudo aquilo era uma parte da bênção de Deus, materializada em forma de riqueza, para aquela família, que vislumbrava ser uma grande nação. Além de expor a elas o seu sentimento momentâneo, e também a confirmação da palavra de Deus indicando-lhe que já era hora de partir de Harã em direção à Terra Prometida. Assim, como há o tempo certo de chegar, também há o tempo certo de partir. Jacó era apenas um peregrino naquelas terras estranhas, mesmo estando próximo a familiares maternos, ele tinha plena consciência de que seu lugar definitivo não era ali. Ele tinha promessas e pretendia vive-las e trabalhar por construir e deixar um legado que verdadeiramente expressasse o significado de todas as promessas de Deus para ele. Não basta ter promessas, é preciso transformar em realidade aquilo que se tem no coração. A grandeza se constrói dando passos de fé e obediência. Recebemos revelações pela grande misericórdia de Deus e elas são progressivas e crescentes à medida que vamos alcançando cada uma das etapas. Parece muito com a percepção que temos da estrada, a cada curva descortina uma nova visão, com novos horizontes e seus mistérios que vamos nos aproximando e depois passamos por eles e deixamos para trás. Um de nossos professores nos tempos de seminário, falava de uma anedota ilustrativa, que versava sobre alguém dos israelitas que saíra do Egito com a visão de chegar em Canaã; mas sucumbiu aos provas do deserto e optou por ficar ali mesmo, ainda que tendo apenas a sombra do camelo para se abrigar. Para ele, aquilo era mais seguro do que continuar e conquistar a promessa. Não podemos perder de vista o verdadeiro objetivo da nossa jornada e dos nossos esforços. Jacó venceu na vida em Harã, conquistou tudo e muito mais do que podia imaginar. Teve mais filhos que seu pai e adquiriu riquezas e se tornara um homem forte, poderoso, com uma tribo já em formação; poderia muito bem ser dissuadido a ficar ali e se estabelecer. Mas ele via mais e mais longe, e sabia que aquilo tudo não tudo o que Deus tinha para ele. Lugar de que tem promessas é onde elas podem se cumprir.

Obrigado, Senhor, por dar sentido a jornada dos teus filhos. Hoje não é mais para levantarmos uma nação. Mas proclamar as boas novas da Salvação em Cristo Jesus. A tua aliança permanece de pé e está firme conosco, pois na cruz, Jesus consumou a mais completa e perfeita obra de toda a história. Obrigado, pela nossa chamada a fazer parte de algo imensamente maior do nós e até do que a nossa visão. Pela fé andamos contigo e venceremos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Hora de Retornar

Meditação do dia: 17/08/2019

  E disse o Senhor a Jacó: Torna-te à terra dos teus pais, e à tua parentela, e eu serei contigo. (Gn 31.3)

 Hora de Retornar – Convergencia seria uma boa palavra para utilizarmos aqui. Pois a vontade de Jacó de voltar para a sua terra natal em Canaã, o desagrado da família e Labão para com ele, e a Palavra de Deus para que ele voltasse, tudo convergiu no tempo e na oportunidade. Nosso principal propósito no dia a dia é viver dentro da vontade de Deus em tudo que fazemos; algumas dessas coisas são óbvias e já sabemos qual posição tomar, mas há aspectos que dependemos de uma orientação muito precisa da parte do Senhor, antes de tomar qualquer medida. Jacó veio para as terras de Harã sob as ordens e as bênçãos de seus pais e pessoalmente recebeu a Palavra de Deus, na primeira noite lá em Betel, que estava indo exatamente para onde Deus o queria e ali ele seria abençoado e o Senhor se encarregaria de trazê-lo de volta. Ele fez planos antes de retornar, mas cedeu quando Labão lhe ofereceu uma oportunidade assalariada, onde ele poderia construir um patrimônio propriamente seu. Sabemos que as promessas básicas para sua pessoa estavam todas bem encaminhadas, pois ele se casara, sua família já era de onze filhos e uma filha e o décimo segundo estava à caminho. Em todos esses últimos anos ele acumulara um patrimônio considerável; então de fato, era uma boa hora para colocar os pés na estrada de volta para casa. Que lições podemos perceber aqui e utilizar para nossa jornada? Entre as várias possibilidades, podemos destacar a importância de ouvir a voz de Deus, mesmo quando há ruídos fortes ao redor. Os cunhados e o sogro estavam pressionando e certamente eles faziam isso também através das esposas de Jacó. Elas amavam o marido e os filhos, mas o pai e os irmãos também faziam parte da vida delas, e ver um lado contra o outro tem um peso relevante. Outra lição é saber discernir entre a voz de Deus e suas próprias vozes. Quando o que nossas emoções e razão estão gritando, ouvir o que Deus quer, precisa de um refinamento na comunhão. Também posso pensar aqui na unidade de propósitos dentro daquela família numerosa. Não era uma simples mudança, afinal eles já poderiam estar familiarizados com a vida nômade de pastores; mas agora era uma grande mudança, pois excetuando o próprio Jacó, todos eram nativos dali, e seus laços de afinidade eram ligados àquela terra; embora em todo tempo, eles foram ensinados e relembrados pelo pai que o lugar deles era em Canaã, onde teriam uma terra prometida por Deus e que ali eles se tornariam uma grande nação; ainda tinham os servos e empregados de serviço, dos quais dependia Jacó para o cuidado do seu enorme patrimônio acumulado com a bênção de Deus. Existem situações em nossas vidas, que não é tão simples tomar uma decisão e coloca-la em prática. As nossas raízes precisam ser fixadas nos propósitos de Deus para nós, quanto a tudo que nos cerca, pois as coisas mudam, mas a vontade de Deus permanece para sempre. Uma verdade que foi marcante na vida de Jesus que deve nos acompanhar o tempo todo, foi profetizado nos salmos e deve nos servir de lema: Então disse: Eis aqui venho; no rolo do livro de mim está escrito. Deleito-me em fazer a tua vontade, ó Deus meu; sim, a tua lei está dentro do meu coração (Sl 40.7,8). Prazer em fazer a vontade de Deus, em todo o tempo!

Pai, obrigado, porque a tua vontade é sempre boa, perfeita e agradável. Isso deve nos bastar. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Sinais de desagrado

Meditação do dia: 16/08/2019

  Viu também Jacó o rosto de Labão, e eis que não era para com ele como anteriormente. (Gn 31.2)

 Sinais de Desagrado – Dano Alice, é uma simpática senhora de 87 anos, muito sábia e mesmo com a vida de muitas lutas ela prevaleceu e viu seus filhos crescerem e prosperarem. A ouvi dizer mais de uma vez que para se viver fora de casa e se dar bem, a pessoa precisa ser boba, muda e surda. Sou um dos filhos dela, e ela tinha razão. Saí de casa para trabalhar e nunca mais voltei, senão em passeios de férias ou nas visitas familiares. Me saí bem, mas tive que entender e praticar a filosofia dela, e em mais de uma vez tive que me fazer de bobo, de mudo e de surdo e valeu a pena. Jacó, estava fora de casa, morando com o tio materno, que o recebeu efusivamente e o recebeu como membro da família e lhe deu trabalho e o sobrinho acabou se tornando genro e pastor principal dos rebanhos. Ele gostava muito do sobrinho, pois tudo que ele tocava a mão, prosperava abundantemente. As poucas ovelhas que ele tinha, que eram sua forma de subsistência, cresceu e se multiplicou grandemente. Quando Jacó se propôs voltar para Canaã, ele interviu com elogios e fez uma maravilhosa proposta de trabalho, em que Jacó poderia até escolher o quanto queria ganhar, que ele estava disposto a pagar, por de fato Jacó fazia por merecer tal condição. Vimos que Jacó optou por um outro modelo de pagamento, em que ganharia por produtividade e assim ele viria a ter seu próprio rebanho. O materialista e trapaceiro tio, gostou, pois viu a possibilidade de ganhar ainda mais e Jacó não teria como reclamar, pois fizera sua própria escolha salarial. Como dizem os jovens de hoje, “deu ruim,” pois além de muito trabalho, a criatividade de Jacó contou com a bênção de Deus, que interferiu nos processos de nascimentos dos rebanhos e houve uma transferência de rebanho de qualidade para Jacó, que se tornou muito rico e com muita gente de trabalho. Labão e seus filhos não gostaram e então começou um tempo de pressão sobre Jacó e sua família. Murmurações maldosas contra o caráter e a conduta de Jacó e o próprio Labão expressava desagrado, de forma visível, pela expressão do rosto. Eu teria ficado incomodado, Jacó ficou. Como em outras situações aqui também, é o início de uma crise. Crise, vocês já sabem, é também oportunidade. Enquanto alguns choram, outros vendem lenços! Os períodos de crise, precisam ser estudados e avaliados com seriedade porque as respostas vão guiar as próximas decisões. Os aspectos da situação foram causadas por nós? Erramos em alguma decisão ou atitude? Se as conclusões são negativas, ou seja, independem de nós, são alheias a isso e são circunstanciais ou foram provocadas por outras pessoas e não temos participação ou reponsabilidade naquilo. Crises podem indicar hora de mudanças. Mesmo estando a serviço de Deus, os tempos e as ações mudam e precisam ser vistas como naturais. Sucessões são necessárias. Preservar os bons relacionamentos também é muito importante. Não se deve esperar a deterioração dos relacionamentos e chegar a pontos difíceis de se sustentar para então tomar decisões. Estar no lugar que Deus deseja é importante, mas dentro do tempo dele também é. Nesse mundo, nada é permanente, exceto as mudanças.

Senhor, a tua aliança permanece firme e o teu caráter também será sempre o mesmo. Vivemos para servir a ti, o lugar e o tempo são determinações da tua sabedoria. Ajuda-os com discernimento para sabermos ler esses tempos e as atitudes que devemos tomar em momentos certos. Obrigado pela ajuda, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Intriga de Cunhados

Meditação do dia: 15/08/2019

  Então ouvia as palavras dos filhos de Labão, que diziam: Jacó tem tomado tudo o que era de nosso pai, e do que era de nosso pai fez ele toda esta glória. (Gn 31.1)

 Intrigas de Cunhados – Situações parecidas continuam acontecendo no mundo até os dias de hoje. Relacionamentos entre familiares e os negócios acabam se tornando uma bomba relógio ou um catalisador de confusões. Ao que todo indica, enquanto Labão estava levando vantagens com o trabalho de Jacó, as coisas não emergiram; mas assim que um acordo de trabalho e salário foi firmado e Labão separou os rebanhos para evitar que suas procriações se tornassem parte do salário de Jacó, e mesmo assim, os bons rebanhos estavam se multiplicando contra ele e seus filhos, então apareceram as murmurações e comentários maldosos por parte dos cunhados. Eles agora não viam com bons olhos o progresso assimétrico das riquezas de Jacó, em detrimento da queda dos seus patrimônios. Deus vem trabalhando em nosso caráter para conformá-lo ao seu próprio, e Deus é bom, generoso, justo, correto e doador. Nada muda a perfeição de Deus. Como escreveu Paulo à Timóteo, que independente das nossas escolhas e decisões, ele continua fiel. Se formos infiéis, ele permanece fiel; não pode negar-se a si mesmo (2 Tm 2.13). nosso desafio é sermos imitadores do Pai, sendo fieis ao que aprendemos e acreditamos, independente das pessoas ao nosso redor ou das circunstancias. O egoísmo do mundo não deve produzir contaminação nos filhos de Deus. Jacó trabalhou duro por anos à fio produzindo riquezas para Labão e sua família, o que eles mesmos testificaram e até lhe propuseram uma oferta de salário em branco, para que ele dissesse quanto queria ganhar; ele escolheu não determinar um valor, mas trabalhar por produtividade, vindo a possuir seu próprio rebanho à partir das próximas fases de reprodução e ficando com determinadas cores de ovelhas e cabras. Labão aceitou como bom, justo e agiu com extremo egoísmo. Deus honrou seu servo e lhe deu estratégias e criatividade que ao longo dos anos, ele transferiu riquezas e muitas propriedades para Jacó. Agora, aparece a intriga da oposição, declarando injusto e abusivo as posses adquiridas por ele. Incentivo cada um de vocês, a permanecerem fiéis e persistentes em fazer o bem, trabalhar com afinco e diligencia. Através do seu trabalho e ministério, você irá prosperar e trazer com você outros mais. Não meça seu sucesso pela mesma regra dos não cristãos ou de quem age movido por valores meramente materialistas. O seu, o meu e o nosso maior tesouro não é daqui e nem ficará aqui no fim de todas as coisas. Trabalhamos por riquezas bem mais permanentes. Lembre-se disso, sempre.

Obrigado pai, pois a nossa maior herança vem do Senhor e é também em ti que colocamos a nossa confiança e a nossa segurança. Permita que nosso olhar permaneça nos tesouros da graça infinita do Senhor. Abençoamos em teu nome a todos os amados que se dedicam a excelência e a bondade, utilizando suas capacidades e recursos para engrandecer o teu Reino e louvar o teu nome. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

O Homem Cresceu

Meditação do dia: 14/08/2019

  E cresceu o homem em grande maneira, e teve muitos rebanhos, e servas, e servos, e camelos e jumentos. (Gn 30.43)

 O Homem Cresceu – Em se tratando de Jacó, não é de surpreender o relato de como ele chegou a se tornar uma pessoa de muitas posses, começando praticamente do zero, só mesmo com a mão de obra e muita determinação. Recentemente li algumas publicações sobre os atuais dez homens mais ricos de nossos dias no mundo todo. Em comum, a vontade e a determinação de vencer e prevalecer no mundo dos negócios. Muitos deles não nasceram ricos ou tão ricos, mas souberam cavar onde os demais só viam dificuldades, eles viam oportunidades. Jacó não inventou nenhuma coisa nova, não descobriu nada e nem pioneiro em nada. Atuou em áreas já exploradas e onde os demais já estavam estabelecidos e mesmo assim ele prevaleceu sobre os demais. Algo em Jacó era diferenciado. Alguma coisa ele tinha a ensinar e fazer riqueza além de ser uma bênção de Deus, também tem a mão e as habilidades da pessoa; alguém tem um timing mais apurado e preciso, de forma que estando na mesma roda viva que os demais ele leva vantagens. Como filhos de Deus, herdeiros das bênçãos da aliança de Abraão, nós também somos contemplados pela graça de sermos abençoados e podermos prosperar em nossos dias. Insisto em afirmar que ao me referir sobre o termo prosperidade, não estou embarcando em ondas e modas e indo a extremos; já me referi em outras meditações que não sou adepto da “teologia da prosperidade” mas com maior intensidade eu repudio a “teologia da miséria.” Assim como buscar a riqueza pela riqueza em si, não faz sentido para o cristão, ou buscar o poder pelo poder também é vaidade e perigoso. Sou ferrenho defensor da boa e velha mordomia bíblica e cristã. Sendo súditos de um reino e de um reino da categoria do Reino de Deus, governado por Cristo e sabendo que o seu governo jamais passará e nem o seu trono será de outra dinastia; resta-nos observar biblicamente os parâmetros de como Deus faz as coisas, a qualidade, a beleza, a diversificação e a riqueza de detalhes, para sabermos que no Reino de Deus, não há ostentação, mas soberania, glória e majestade incomparáveis neste mundo e em qualquer outro. Tudo o que Deus faz é bom e tem propósitos nobres e utilidade práticas. Assim sendo, é preferível crer que a boa administração dos dons e talentos distribuídos aos seus filhos, fatalmente leva a riqueza e crescimento. Antes te lembrarás do Senhor teu Deus, que ele é o que te dá força para adquirires riqueza; para confirmar a sua aliança, que jurou a teus pais, como se vê neste dia. (Dt 8.18). alguns até defendem a idéia de que tudo isso que aconteceu com Jacó, foi feito por Deus num processo chamado ou denominado de “Transferência de riquezas,” como citado por Salomão em Provérbios e Eclesiastes. O homem de bem deixa uma herança aos filhos de seus filhos, mas a riqueza do pecador é depositada para o justo (Pv 13.22); Porque ao homem que é bom diante dele, dá Deus sabedoria e conhecimento e alegria; mas ao pecador dá trabalho, para que ele ajunte, e amontoe, para dá-lo ao que é bom perante Deus. Também isto é vaidade e aflição de espírito (Ec 2.26). Mas lembre-se, Deus é justo e se eu e você não trabalharmos duro e diligentemente, com criatividade e seriedade, ele não vai tirar de alguém que é esforçado e laborioso, só para dar para nós só por sermos “Evangélicos!” Esqueça. Riqueza é fruto de trabalho.

Senhor, obrigado por recompensar o esforço e a dedicação de cada um dos seus filhos que desenvolvem os dons e talentos que lhes destes. Obrigado por suprir em Cristo Jesus, cada uma e todas as nossas necessidades. No nome dele, amém.

Pr Jason

Jacó e as Varas

Meditação do dia: 13/08/2019

  Então tomou Jacó varas verdes de álamo e de aveleira e de castanheiro, e descascou nelas riscas brancas, descobrindo a brancura que nas varas havia,
E pôs estas varas, que tinha descascado, em frente aos rebanhos, nos canos e nos bebedouros de água, aonde os rebanhos vinham beber, para que concebessem quando vinham beber.
 (Gn 30.37,38)

 Jacó e as Varas – Intrigante! É o mínimo que podemos dizer ao deparar com este texto. Na literatura sagrada não há outras menções semelhantes e também não sabemos de onde veio esta idéia a Jacó. Mas podemos nos dar ao direito de pensar e deixar nossas impressões aqui. Se pudéssemos contextualizar a experiência, diríamos que Jacó estava trabalhando com genética animal; ainda que fosse um processo mui rudimentar, mas a verdade é que deu certo. Fico com a impressão, que tinha algo a ver com a sua experiência pastoril, com anos de experiência e observação; assim ele viu que podia produzir um tipo de indução no rebanho através das cores listradas feitas nas varas verdes e colocadas estrategicamente diante dos bebedouros e nos períodos férteis e assim ele aperfeiçoou seu experimento. Desejo aplicar isso nas experiências da vida de todos nós, quando somos dedicados e corretos nas atividades que estão sob nossa responsabilidade e Deus se encarrega de providenciar a devida recompensa. Ver os bons resultados do seu trabalho, produz motivação e alegria para qualquer pessoa. Além das retribuições financeiras, de onde o trabalhador ganha o seu pão, ele também se realiza com os bons resultados de seu trabalho. Jacó vinha sofrendo com as atitudes do seu patrão que deseja lucrar o máximo possível em detrimento de quão prejudicado o seu genro fosse. Jacó tinha uma aliança com Deus e andava nos termos dela e assim, Deus que é soberano, entrou em ação em favor de seu aliado. Por mais que a tradição oral na transmissão dos fatos, atribua ao processo de indução do rebanho por parte de Jacó, não se pode deixar de ver que a mão do Senhor estava agindo em seu favor. A justiça é uma qualidade que Deus valoriza nas ações humanas e isso é um dever moral de cada pessoa; não precisa ser crente, pastor ou consagrado para se ver obrigado a andar em justiça; toda e qualquer pessoa e em quaisquer situações, é esperado que se porte com justiça, porque também isso conta no que chamamos de lei da semeadura. O outro lado da história, é a necessidade da pessoa ser diligente e agir em prol de suas necessidades. Não se pode ficar passivo, indolente esperando que as coisas caiam do céu e a bênção venha automaticamente sem o trabalho, a pesquisa e a criatividade. Se plantarmos, colheremos; então melhorando a qualidade da semente, do solo, observar melhor a precisão de tempos e estações, os resultados serão sempre melhorados. Fazer a mesma coisa, da mesma forma e esperar resultados diferentes, é insanidade mental. Seja criativo, empreenda, inove, busque informação e conhecimento. Abençoado você já é, então potencialize tudo isso.

Senhor obrigado por prover nossas necessidades e dar condições de continuarmos a crescer e a progredir. Abençoe nesse dia as iniciativas de progresso, de crescimento e ações que demonstrem diligencia dos teus filhos em busca de resultados melhores e fazer valer a bênção que naturalmente já está sobre os teus filhos. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Transparencia

Meditação do dia: 12/08/2019

  Passarei hoje por todo o teu rebanho, separando dele todos os salpicados e malhados, e todos os morenos entre os cordeiros, e os malhados e salpicados entre as cabras; e isto será o meu salário. (Gn 30.32)

 Transparência – Para alguém chamado Jacó, que significa “suplantador, enganador,” o que estamos presenciando é um marco importante a se observar na vida de um homem que estava mudando a sua história. Toda mudança começa com uma convicção da necessidade, e segue uma motivação para tal e então o esforço ativo em direção a mudança. Acredito no que escrevo, porque ao acompanhar a trajetória desse amado irmão de fé e patriarca, sabemos que houve profundas mudanças em sua vida. Costumamos dizer que “ninguém é perfeito;” e estamos olhando para a humidade das pessoas, seres humanos são falhos, tem fraquezas e sofre influencias diversas que alteram suas atitudes e comportamentos. Como cristão evangélico, acredito na versão bíblica da criação, portanto toda a criação foi originalmente boa; o homem foi criado bom! Acreditamos que o pecado ao adentrar no nosso mundo, afetou não apenas Adão e Eva e ficou circunscrito aos arredores do paraíso; afetou tudo e todos e em efeito queda de dominó, vem derrubando peças até hoje e o seguirá fazendo até a plena restauração de todas as coisas, já precificadas na obra da redenção em Cristo Jesus. Sem esse conhecimento e a visão dessa ótica, qualquer um poderia dizer que desde o nascimento, Jacó já era “um cabra marcado pelo engano e para o engano.” Ele tinha isso no seu DNA; trapaceou desde bebê e “pau que nasce torto, até a cinza é torta.” Mas eis que entra uma variável nessa história – Jacó compreendeu quem ele era, para que fora criado por Deus e dado a seus pais Isaque e Rebeca. Mais tarde teve aquele encontro com Deus em Betel, justamente quando estava viajando para Harã e mais do que ir para a casa do tio, ele estava saindo de uma sucessão de coisas mal feitas, reprováveis e embora a justificativa fosse realizar o propósito de Deus em sua vida, fica claro que no andar com Deus os fins não justificam os meios. Quando Jacó, saiu de casa naquele dia, ele deixou muito mais do que aparentemente se vê; pois ali também ele deixou sua velha vida e utilizou o tempo e o caminho para Harã, para repensar, reajustar e recomeçar sua vida nova e nova vida. O Jacó que chegou na casa de Labão, não era o mesmo Jacó que saíra de Canaã. As atitudes e a vontade de fazer o certo que temos acompanhado prova mui claramente que ele tinha uma disposição de fazer o certo porque era certo e agir com honestidade e transparência e honrar sua palavra e compromissos, ainda que alguém estivesse tentando tirar proveito dele. Poderia ser acrescido aqui, que para alguém com nome de trapaceiro, atitudes até então condizentes com isso, vir morar na casa de Labão, um espertalhão, para quem as peripécias de Jacó eram coisas de amadores; na escola que Jacó estudou, Labão era professor com graduação, pós e mestrado. Jacó foi transparente na proposta de salário que lhe fora proposto e fez uma escolha baseado na fé que Deus o abençoaria por seu trabalho e atitudes; o sogro gostou tanto da proposta que aceitou de pronto e após o processo de apartamento do gado, ele separou para longe a sua parte para evitar contato e possibilidade de Jacó lograr qualquer êxito. Deus cuida da gente, mesmo quando alguém mais poderoso ou disposto a nos trapacear tem todas as cartas à seu favor. Aqui, podemos grampear aquele texto de Jó: Bem sei eu que tudo podes, e que nenhum dos teus propósitos pode ser impedido (Jó 42.2). Outro tão forte quanto este é: Não há sabedoria, nem inteligência, nem conselho contra o Senhor (Pv 21.30).

Senhor, obrigado por guiar os teus filhos por caminhos direitos e veredas planas; o Senhor ama a justiça e a verdade e abençoa aqueles que confiam em ti e não se estribam em seus próprios entendimentos, assumindo o controle das coisas como se de fato pudessem fazer alguma coisa. Oramos por sabedoria e coragem moral e espiritual para agirmos como agentes da redenção e da transformação produzida no coração pela tua Palavra. Oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason