Levantar a Mão e Jurar

Meditação do dia: 21/05/2022

“E eu vos levarei à terra, acerca da qual levantei minha mão, jurando que a daria a Abraão, a Isaque e a Jacó, e vo-la darei por herança, eu o Senhor.” (Ex 6.8)

Levantar a Mão e Jurar – Jurar é uma forma de expressar um sincero desejo e vontade de cumprir um compromisso. Em termos de ética, um juramento não pode ser quebrado ou alterado, custe o que custar, jurou tem que cumprir. Juras são coisas humanas e algumas delas não valem nada, ou tem consistência alguma, como as juras de amor eterno que duram até à página três. Deus não precisa jurar, ou dar garantias de que cumprirá uma palavra, uma promessa ou mesmo uma sentença de punição ou disciplina. A Bíblia lança mão de formas de linguagem humana para descrever as grandes verdades divinas e suas revelações. Outras vezes é um recurso empregado voluntariamente por Deus para facilitar melhor a compreensão do homem sobre suas intenções. Como forma de garantia, o juramento se faz em nome de outra pessoa ou de algo maior do que quem faz o juramento, é isso que dá a tal garantia, porque ninguém de sã consciência empenharia o caráter de algo que lhe é sagrado, sem a intenção de honrar. Numa clássica figura ilustrativa, Deus não tinha e não tem ninguém maior, acima dele mesmo, então jurou por si mesmo. “Porque, quando Deus fez a promessa a Abraão, como não tinha outro maior por quem jurasse, jurou por si mesmo, dizendo: Certamente, abençoando te abençoarei, e multiplicando te multiplicarei” (Hb 6.13,14). Na aliança com Abraão, o Senhor empenhou a sua palavra e para não deixar nenhuma dúvida no coração do patriarca, de que os seus descendentes de fato receberiam a terra que lhe fora prometido, acionou o mecanismo humano de jurar. “Por isso, querendo Deus mostrar mais abundantemente a imutabilidade do seu conselho aos herdeiros da promessa, se interpôs com juramento” (Hb 6.17). Lembrando que nessa entrevista com Moisés, o Senhor lhe disse que havendo se revelado aos patriarcas Abraão, Isaque e Jacó, não lhes fora plenamente conhecido. Isso reafirma a razão do juramento. Quando conhecemos bem uma pessoa e o seu caráter, sem restar nenhuma dúvida, não é preciso contrato, garantias ou juramentos, porque sabemos da sua integridade. Aquele que não falha, deu garantias para aqueles que falham, porque isso é algo que eles conhecem bem e sabem que certas situações fogem ao controle humana. Deus não tem esse tipo de dilema. Quanto mais íntima e aproximada for o relacionamento com Deus, menor será a necessidade de confirmações, garantias e até juramentos. Na Nova Aliança, temos o Espírito Santo que Deus, habitando em nós e nos guiando à toda a verdade!

Senhor, obrigado pela bênção de ter o Espírito Santo em nossos corações nos guiando em tua Palavra, que é a tua vontade revelada a nós. A cada dia queremos nos aproximar mais de ti e te conhecer melhor, sabendo que a tua suficiência nos basta. Somos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Sabereis Que Eu Sou O Senhor

Meditação do dia: 20/05/2022

“E eu vos tomarei por meu povo, e serei vosso Deus; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tiro de debaixo das cargas dos egípcios;” (Ex 6.5)

Sabereis Que Eu Sou O Senhor – A diferença entre o conhecimento teórico intelectual e a experiencia de conhecer a Deus é comparável à diferença entre o raio e o vagalume. Estou sendo modesto, supervalorizando a luz do vagalume. O profeta Isaías trouxe uma palavra comparativa, que põe uma boa distancia entre um extremo e o outro: “Porque os meus pensamentos não são os vossos pensamentos, nem os vossos caminhos os meus caminhos, diz o Senhor. Porque assim como os céus são mais altos do que a terra, assim são os meus caminhos mais altos do que os vossos caminhos, e os meus pensamentos mais altos do que os vossos pensamentos” (Is 55.8,9). O Salmo 103 também fala comparativamente sobre o agir de Deus de forma redentora: “Pois assim como o céu está elevado acima da terra, assim é grande a sua misericórdia para com os que o temem. Assim como está longe o oriente do ocidente, assim afasta de nós as nossas transgressões (Sl 103.11,12). Cada geração é responsável por seu tempo e também por preparar as estruturas para que as próximas gerações cumpram o papel delas e avancem ainda mais nos propósitos eternos. Aqui, Deus está se apresentando aos filhos de Abraão, da geração de Moisés, dizendo sobre como Ele se revelara e fora conhecido para a pessoa de Abraão, essa nova geração tinha muitas informações sobre Deus e sobre o relacionamento dele com os patriarcas, mas em si mesmos eles careciam de uma experiencia. Agora era o seu tempo, era a sua vez e a oportunidade deles escreverem a sua própria história. O Senhor Deus, o Altíssimo, o Possuidor dos Céus e da terra, como Abraão gostava de expressar, diz que se revela e eles o conhecerão como o Senhor seu Deus. Como cristãos e evangélicos, somos herdeiros de uma fé, quase na sua totalidade Anabatista, que defende o conceito de a igreja ser composta somente de crentes; isso significa, que cada pessoa que a compõe tenha sua própria experiencia com o Evangelho de Cristo, com o poder transformador de Jesus Cristo e tenha nascido de novo por obra e graça do Espírito Santo. Essa raiz não aceita herança biológica, como base para ser parte da igreja como Corpo de Cristo. Filho de crente, não é crentinho; Deus não tem netos e sim filhos. Quando estudamos a vida dos patriarcas, encontramos em Abraão um abridor de caminhos da fé e nos passa a impressão que por muitos anos, Isaque andou na sobra do pai, até que teve sua própria experiencia. Jacó foi herdeiro dessa fé e começou a ter suas experiencias até chegar naquela experiencia de Peniel. Quando a igreja prega um evangelho adocicado, em banca de liquidação, procurando agradar os pecadores e fazê-los se ajeitarem do lado de dentro da igreja, acaba por produzir adeptos, seguidores, admiradores, mas não discípulos. Ninguém vira crente, é preciso “nascer de novo.” Que bom que o Senhor fará que o conheçamos como Senhor nosso Deus. Pense em sua experiencia e nas pessoas queridas, próximas de você.

Senhor, agradeço por me amar e me aceitar como aprendiz de todas as verdades que podem me levar a te conhecer mais e melhor à cada dia. Estou agradecido por ser alcançado com a salvação em Cristo Jesus. Consagrei minha vida a ti e a mantenho nessa condição todos os dias. Oramos em fé em nome de Jesus, amém.

O Povo de Deus

Meditação do dia: 19/05/2022

“E eu vos tomarei por meu povo, e serei vosso Deus; e sabereis que eu sou o Senhor vosso Deus, que vos tiro de debaixo das cargas dos egípcios;” (Ex 6.5)

O Povo de Deus – Poucas pessoas tem um pleno conhecimento de tudo o que lhe está reservado pelo fato de ser filho de Deus. Na sua maioria os cristãos estão muito bem conscientes e firmes quanto a salvação, que ganharam pela fé em Cristo Jesus. Mesmo assim, muitos parecem entender a salvação como um bilhete ou ingresso para entrar no céu quando morrerem ou quando Jesus voltar. Pela grandiosidade dessa dádiva, suportam muitas provas e tribulações e também lhes foi ensinado que devem aguentar as pontas até esse dia chegar, com isso eles passam pela vida, sem saborear quase nada, porque entendem que o bom ou o que de fato lhes abençoam está na eternidade. Enquanto sobra religião para uns, falta piedade e conhecimento verdadeiros para se apropriarem da verdadeira vida. Quando Deus fez o anúncio à Moisés sobre a libertação dos filhos de Israel do cativeiro, eles gostaram da idéia, e entenderam que deixar de ser escravo de Faraó era uma ótima coisa e até merecia ser celebrado. Deus, o Deus de seus antepassados se revelar a Moisés e se dispor a livrá-los em cumprimento da promessa feita à Abraão, era muito bom e qualquer favor que ele cobrasse deles, seria justo e merecido. Até então eles não compreendiam a grandiosidade de ser e se tornar o povo de Deus. Uma exclusividade entre todos os povos. Tratamos isso como a grande necessidade de cada pessoa saber a sua identidade. Estar consciente de quem ela realmente é, pois é partindo desse ponto que se pode estabelecer o que a pessoa será, o que ela fará e como se realizará como pessoa. O Egito é mais velho que Israel como nação; a Grécia também; a Síria e alguns povos antigos que permanecem até os nossos dias, com sua identidade, território e sua cultura milenar. Mas nenhum desses todos, é tão solidificado, influente como Israel. Nenhum povo no mundo pode contar a sua história, incluindo o mover e o agir de Deus entre eles e sobre eles, como Israel. A promessa de Deus a Abraão e seus descendentes, chegou a nós, não biologicamente, mas pela herança legítima da fé em Cristo, que é descendente direto de Abraão e das alianças, tanto biológico quanto pela fé. É um delícia na vida entender o significa de que o justo vive da fé.

Senhor, agradecidos somos pela nossa fé em Cristo, que nos colocou como filhos de Deus, herdeiros e coherdeiros com Cristo. Somos embaixadores do Reino que jamais passará a outros povos e rei se assentará no trono para sempre. Obrigado pela nossa história. Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Gemidos no Servir

Meditação do dia: 18/05/2022

“E também tenho ouvido o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios fazem servir, e lembrei-me da minha aliança.” (Ex 6.5)

Gemidos no Servir – Gemer é sinal de dor e sofrimento! Deus diz a Moisés que tem visto o gemido dos filhos de Israel devido a dura servidão a que estão submetidos pelos egípcios. Nossa teologia nos ensina que o Senhor nosso Deus sé Onisciente, isto é, ele sabe tudo, isso é uma qualidade essencial na natureza divina, é atributo natural dele. Sendo que cremos assim, estamos diante da realidade de que o nosso sofrimento, caso exista, está patente diante dele. Os filhos de Israel eram servos de Deus, com quem tinham uma aliança de bênçãos, proteção e promessas de eternidade no servir a Deus. Eles foram levados para o Egito para crescerem e se tornarem uma nação e ganharem condições de voltarem à Canaã, sua terra prometida em condições de habitar, colonizar, desenvolver e firmar as estruturas de um reino que viria a ser inabalável entre os reinos e um dia cederá lugar a um reino eterno. As etapas precisavam se cumprir para o aprendizado e o devido preparo, para que no devido tempo tudo se encaixasse. O próprio cativeiro e escravidão estava incluso no processo de aprendizado, pode parecer estranho e até absurdo, mas é verdade; Deus antecipou isso ao próprio Abraão. “Então disse a Abrão: Saibas, de certo, que peregrina será a tua descendência em terra alheia, e será reduzida à escravidão, e será afligida por quatrocentos anos” (Gn 15.13). A história humana, desde o Éden pós-queda, revela que o homem aprende pelos caminhos dele mesmo. O desejo de Deus foi rejeitado, de onde ele e nós poderíamos aprender pela fé; isto é, simplesmente seguirmos as instruções divinas e colher os resultados disso. Mas desde as primeiras instruções o homem assumiu o papel de fazer do seu jeito. Até parece que depois disso, Deus disse: “que assim seja!” Mesmo pessoas de grande envergadura espiritual e de notáveis experiencias com Deus, aprendem pelo caminho difícil. Vejo Noé depois do desembarque, sem conhecer os efeitos do mundo pós-diluvio, não contou com o efeito da fermentação e tomou o mesmo vinho de antes e embriagou-se e acabou tendo efeitos espirituais na vida de seus filhos e descendentes. Abraão, nos episódios com Sara na corte de Faraó e depois com o rei Abimeleque. Quem não fez alguma barbeiragem? Jacó, Moisés, Davi, Salomão, Pedro, Jason … no caso dos hebreus no Egito, o sofrimento era efeito de estar servindo à Faraó e ao Egito, e não ao Senhor! Mesmo sendo servos do Senhor. Nossos sofrimentos nos vém de escolhas que fazemos ou fizemos como coletividade. É oportunidade de aprender e não de desistir, desanimar ou perder a esperança.

Senhor, graças te rendemos pela oportunidade de aprendermos com as situações e circunstancias presentes em nosso dia a dia. No Senhor, encontramos perdão e restauração em todo tempo e novas oportunidades de recomeçar para crescer. Precisamos de tua bênção e do teu favor todos os nossos dias. Cremos que as tuas promessas hão de se cumprir, porque são palavras de Deus e como tal elas não caem por terra. Te louvamos, por tudo, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Uma Terra

Meditação do dia: 17/05/2022

“E também estabeleci a minha aliança com eles, para dar-lhes a terra de Canaã, a terra de suas peregrinações, na qual foram peregrinos.” (Ex 6.4)

Uma Terra – Quando a promessa de Deus foi feita a Abraão sobre receber a Terra de Canaã por herança dele e de sua descendência, era um tempo em que nações não tinham o mesmo formato e estrutura como as conhecemos hoje. Canaã já era habitada e colonizada por muitos povos que ali se fixaram a muito tempo e foram formando pequenos reinos, cidades estados, com seus arredores de campos pastoris e agricultáveis para a subsistência da população. Certamente o mundo não era tão populoso e mesmo as grandes cidades não eram metrópolis como conhecemos atualmente. Muitas daquelas cidades antigas mencionadas na Bíblia ainda existem até hoje, rompendo com o tempo e se firmando na história de muitos povos, entre elas estão Jerusalém, Damasco, Hebrom, gaza e várias outras. Há citações bíblicas mais abrangentes que me chamam muito a atenção sobre a história antiga. Vejamos por exemplo, At 17.16 – “E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação.” Foi Deus que estendeu os limites de cada povo, o que significa que os lugares onde os povos estão estabelecidos lhes fora dado por Deus. A observação nos permite ver o quanto as pessoas gostam de sua terra natal e como isso é significativo para cada povo. Ainda que certos lugares sejam inóspitos, desérticos, difíceis de sobreviver e levantar sustento ali, ainda assim as pessoas nativas amam e lutam por aquilo e quanto ausentes sentem muita saudade. A terra é um bem precioso, independente da propriedade ou posse de alguma porção, o homem é da terra e voltará para ela e enquanto vive nesse intervalo, luta ardorosamente pela terra. Os povos e nações que por razões de conflitos e outras mais ficam alijados de seu território, sofrem muito e buscam se abrigar em algum lugar e procuram manter sua identidade e sobrevivência até conseguirem de volta seu lugar. Temos presenciados as lutas de povos como os Curdos, Bascos, Palestinos e outros mais que se sustentam como etnias, como na África e povos indígenas nas Américas. Como Deus pretende abençoar todas as famílias da terra através do Evangelho, sabemos então da importância de pregar o Evangelho a todos os povos. Um dia haverá justiça e retidão por aqui sob o governo de Cristo e então os povos todos trarão a honra e a glória a Deus. Quem viver, verá!

Senhor Deus e Pai, te louvamos por fazer todas as coisas para um propósito certo e no devido tempo, todas as coisas se tornarão claras e cumprirão suas vocações. Somos hoje a igreja do Senhor Jesus, com uma missão de levar as boas novas a todos os povos, todas as nações e estabelecer a justiça do seu reino entre os povos. Agradecemos a oportunidade e o privilégio de te servir. Oramos agradecidos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Aliança Estabelecida

Meditação do dia: 16/05/2022

“E também estabeleci a minha aliança com eles, para dar-lhes a terra de Canaã, a terra de suas peregrinações, na qual foram peregrinos.” (Ex 6.4)

Aliança Estabelecida – Sendo em sua maioria, os leitores dessa meditação, já maduros na fé e de bom conhecimento bíblico, o que muito me alegra, fico muito à vontade para abordar de forma devocional, assuntos e temas importantes, sem precisar entrar nas raízes de tais temas, porque já o são de conhecimento pleno de todos. Podendo assim nos concentrar nas motivações devocionais da Palavra de Deus. Com isso também evitamos entrar em nuances doutrinárias ou culturais que as vezes podem divergir de um grupo denominacional para outro. Como acreditamos, Deus não faz acepção de pessoas e muito menos prefere uma denominação em detrimento de outra, lá no céu não tem isso, todos seremos batistas (kkkk, é brincadeira gente). Hoje falaremos sobre as alianças estabelecidas por Deus com o seu povo, no nosso texto, Deus diz a Moisés que ele estabelecerá alianças com os patriarcas. Nossa cultura ocidental não é movida por alianças, mas sim por contratos, e são coisas bem diferentes e distantes. Alianças são celebradas para não serem quebradas, e tem um peso muito grande no seu valor para com as partes envolvidas. Os descendentes normalmente ficam vinculados a elas e as cumprem mesmo quando lhe são onerosas. Os contratos são facilmente quebrados e em si mesmos já contém cláusulas de distrato. Para nós aqui no Brasil, por exemplo, entendemos o casamento como sendo uma aliança celebrada pelo casal diante de Deus, das testemunhas e igreja presente, isso é sagrado, é solene e é sério. Do ponto de vista civil, registrado em cartório ele é um contrato celebrado entre as partes e pode ser desfeito pela vontade ambos ou até mesmo de um só deles, com a anuência judicial. Quando Deus celebrou sua aliança com Abraão, Ele o fez com propósitos eternos e abrangentes a seus descendentes. “Naquele mesmo dia fez o Senhor uma aliança com Abrão, dizendo:  tua descendência tenho dado esta terra, desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates” (Gn 15.18). Nos termos dessa aliança, contemplava bênçãos materiais, como descendentes biológicos, uma terra para a nação futura se estabelecer e tudo que acompanha isso. Também estava os termos espirituais muito profundos, como a linhagem espiritual que conduziria até o nascimento do Messias e todos os benefícios da obra da redenção eterna. A fé de Abraão e o seu comprometimento com Deus e suas alianças, deu a nós, pela fé a participação nessa herança. “Sabei, pois, que os que são da fé são filhos de Abraão. Ora, tendo a Escritura previsto que Deus havia de justificar pela fé os gentios, anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: Todas as nações serão benditas em ti. De sorte que os que são da fé são benditos com o crente Abraão” (Gl 3.7-9). Aprofunde seus estudos sobre as alianças e viva os direitos que lhe pertencem pela fé em Cristo.

Senhor, agradecemos por fazermos parte do grande projeto eterno, que iniciou no teu coração e hoje nos é acessível pela fé em Cristo Jesus. Pedimos sabedoria, entendimento e discernimento para vivermos os valores do reino e desfrutarmos daquilo que já é nosso em tuas promessas. Somos agradecidos, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus de Abraão e o Seu Nome

Meditação do dia: 15/05/2022

“E eu apareci a Abraão, a Isaque, e a Jacó, como o Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, o Senhor, não lhes fui perfeitamente conhecido.” (Ex 6.2)

Deus De Abraão, e o Seu Nome – Reconhecemos que a revelação de Deus nas Escrituras Sagradas e ela própria foi progressiva e não tem como ser diferente. Desde o início, lá no Éden, Deus se revela e se manifesta como o Deus Criador, Adão e Eva e posteriormente as demais pessoas, tiveram relacionamentos muito pessoais e próximos, portanto eles simplesmente o conheciam como o Deus Criador de todas as coisas. Eles o adoravam, o reverenciavam e seguiam seus ensinamentos conforme lhes fora transmitido oralmente de pais para filho, de geração em geração. O nome pessoal revela também os traços do caráter daquela pessoa, da mesma forma com Deus. Assim, o nome tem poder, gera confiança e atraí reverencia. Agora Moisés e os hebreus, conheciam o testemunho dos pais e patriarcas, mas eles mesmos não tinham profundidade nesse conhecimento, mas isso precisava melhorar e novas revelações estavam à caminho. Foi Deus mesmo que disse a Moisés que a revelação e o conhecimento que Abraão tivera, não fora tudo e muito menos completo. Isso seria motivo de tristeza ou de alegria? Vindo de Deus tal informação, eu a tenho como boa e maravilhosa; pois ele tinha Abraão como amigo e da parte do patriarca, o Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra, era Deus, o seu Deus, o El Shaddai, aquele que é mais do que suficiente. Deus fora não apenas suficiente, mas mais do que suficiente para Abraão e ele conviveu muito bem com isso. Agora eles estavam iniciando uma nova fase da vida e do conhecimento de Deus, e como tal, teriam novas percepções e isso serviria para alicerçar todas as novas coisas que viriam de agora em diante. Eles, e nós? Eu, você? Até onde tem sido a minha caminhada e o meu conhecimento de Deus? Tenho crescido? O saber intelectual não diz muita coisa, em se tratando de relacionamento. Comunhão, amizade e intimidade, isso sim, é o que importa.

Senhor, obrigado por seu amor e bondade para comigo e para com os teus, estamos crescendo e confiando em ti a cada dia. Sustenta-nos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus De Abraão, Isaque e Jacó

Meditação do dia: 14/05/2022

“E eu apareci a Abraão, a Isaque, e a Jacó, como o Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, o Senhor, não lhes fui perfeitamente conhecido.” (Ex 6.2)

Deus De Abraão, Isaque e Jacó – Tempos atrás me ocorreu que criei uma linha de pensamento sequencial da história bíblica, uma espécie de imagem mental como se fosse um caminho ou uma rota de como os acontecimentos aconteceram desde o Éden até o final de Apocalipse. Claro, mesmo na minha imaginação, uma parte disse ainda está no futuro, mas o meu mapa existe. Mas o que de fato me surpreendeu foi ter notado que naquele lapso temporal entre a Torre de Babel e a chamada de Abraão, embora sejam não muitos anos, mas passa a impressão que o conhecimento humano a respeito de Deus, simplesmente desapareceu. Quando o Senhor se revela e fala com Abrão para deixar a cidade de Ur dos Caldeus, parece que estamos vendo surgir uma nova revelação divina, a uma humanidade insana, pagã, idólatra e já cheia de deuses sendo cultuados. É como se Abrão experimentasse alguma coisa inédita no mundo. Me perdoem divagar sobre isso, mas me ocorreu que se isso se passou comigo, poderia ter outras pessoas que também pensam ou criam imagens históricas, que no fundo não são coerentes com a verdade da revelação divina. Deus nunca se ausentou da sua criação, nunca ficou sem testemunho na terra e nem ficará. Sempre houve esforços para varreu a idéia de um Deus pessoal e presente na vida humana, mas nunca prevaleceu e nem prevalecerá. O que temos para hoje é o fato de Deus contar de viva voz para Moisés, que ele tomou a iniciativa de se revelar a Abraão, Isaque e Jacó. Isso é coerente com todo ensino bíblico: “E de um só sangue fez toda a geração dos homens, para habitar sobre toda a face da terra, determinando os tempos já dantes ordenados, e os limites da sua habitação;
Para que buscassem ao Senhor, se porventura, tateando, o pudessem achar; ainda que não está longe de cada um de nós”
(At 17.26,27). O que temos de Abraão para cá, é o refinamento da revelação redentora, tomando corpo na formação de um povo especial para gerar um homem especial para ser o redentor de todos. Isso é, Deus tomou um homem (Abraão), fez dele uma família (Jacó), fez dela uma nação (Israel); tomou uma família (Davi) e dela tomou um homem (Jesus). Para Moisés, algumas coisas estavam no passado, ele trabalhava no presente para construir o futuro e para nós, a grande parte já está no passado e esperamos um futuro glorioso, onde Cristo, que já consumou a obra da redenção, se manifestará em glória para concluir as últimas etapas do programa de Deus. Estamos trabalhando nisso e para isso. Podemos contar contigo?

Senhor, obrigado por tão grande salvação! Em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

Deus Disse: Eu Sou o Senhor

Meditação do dia: 13/05/2022

“Falou mais Deus a Moisés, e disse: Eu sou o Senhor.” (Ex 6.2)

Deus Disse a Moisés: Eu Sou o Senhor – Por mais que tenhamos experiencias com uma vida de oração e devocional, e no nosso íntimo saibamos discernir a voz do Senhor, sei que não sei – o impacto poderoso no coração de quem, como Moisés recebeu essa Palavra de Deus. Sabemos que Deus, o nosso Todo-Poderoso, Criador e sustentador de todas as coisas não tem problemas com sua autoimagem. Ele não precisa se ostentar, fazer demonstração de força e poder. Ele se basta a si mesmo e não se sente ameaçado por algo ou alguém. Já compartilhei em outras meditações, a minha apreciação por um texto em particular nos Salmos, onde Davi,  reitera que por duas vezes ouviu uma mesma Palavra de Deus para com ele. “Deus falou uma vez; duas vezes ouvi isto: que o poder pertence a Deus” (Sl 62.11). Na minha humilde pretensão de entender a razão porque o rei Davi ouviu isso de Deus por duas vezes, imagino no meu coração que por ser um homem segundo o coração do Senhor, comprometido com o reino de Israel e sendo um valente guerreiro, pode ser que em determinada altura da caminhada, ele “se achou, subiu na cabeça o poder.” Para evitar um tombo maior, no seu momento de oração e comunhão com o Senhor, ele ouviu aquela voz que seu coração conhecia e sabia discernir, avisando da aproximação do orgulho e da arrogância, então ele poderia “baixar a bola” e se recolher em sua insignificância diante de quem realmente tem poder. Agora estamos vendo Deus confirmar à Moisés e aos anciãos israelitas, que estavam se sentindo pressionados e ameaçados por Faraó, por desejarem a libertação e comparecerem diante do rei do Egito para negociar essa saída. Ao irem e voltarem muito rápido de uma condição de fé à incredulidade e dúvida sobre a veracidade das promessas e sobre o poder de Deus vir em socorro do seu povo – nessa condição Deus diz a eles: “Eu sou o Senhor.” Alguém ou algum de nós, tem alguma dúvida sobre isso ainda hoje? Falo isso, porque é fácil ter uma fé histórica, como peça de museu, que acredita e admira tudo que houve no passado, mas não alimenta hoje a esperança e certeza de que para Deus nada mudou e nada muda em seu caráter, poder e grandeza. O que já fez, pode fazer e sempre que for necessário, ele age milagrosamente e quando não, age naturalmente, porque para Deus não há impossíveis.

Senhor, te adoramos e te reconhecemos como O Todo-Poderoso, e tu és Senhor no mais estrito sentido que essa palavra possa soar em nossos ouvidos e corações. Te amamos e reverenciamos. Submetemos com alegria e permitimos descansar no poder do Senhor realizar todas as coisas no seu devido tempo e lugar. Eis-nos aqui, como filhos, servos e adoradores, no poder do Espírito Santo, em nome de Jesus, amém.

Pr Jason

A Mão Poderosa de Deus

Meditação do dia: 12/05/2022

“Então disse o SENHOR a Moisés: Agora verás o que hei de fazer a Faraó; porque por uma mão poderosa os deixará ir, sim, por uma mão poderosa os lançará de sua terra.” (Ex 6.23)

A Mão Poderosa de Deus – Uma coisa é homens falando, outra é Deus falando sobre os seus planos e sua maneira de agir para realizar um propósito. Todos os hebreus ali no Egito queriam ser libertos, mas não tinham noção do custo daquilo que queriam. Moisés estava disposto a falar em nome do Senhor Deus e mesmo estando ciente das dificuldades que a tarefa lhes imporia, ainda não tinha uma visão do todo. As conversas iniciais serviram para sondagem dos corações. Faraó que já era maligno de caráter e intenções, ficou ainda mais predisposto ao endurecimento. Os hebreus que viram inicialmente apenas o lado deles, saindo livres e sem demora, perceberam que havia uma estrutura difícil de ser rompida e que não era tão simples como parecia no começo. Moisés que tinha a mais completa parte da visão, percebeu que não só teria que enfrentar Faraó e sua corte, como também os próprios hebreus, seus conterrâneos. A incredulidade deles, ou quem sabe, a falta de conhecimento de Deus, dificultava a prática de uma fé mais consistente. Todas essas coisas seriam trabalhadas e quando o movimento se iniciasse, teria que ser alimentado com fé e muita determinação. Quando a frustração estava tomando corpo, Deus interveio, falando com Moisés e restaurando-lhe a fé na sua missão. Você já pensou porque a obra de Deus tem esse nome? É exatamente porque é obra de Deus! O elemento humano acrescenta e coopera, mas o poder transformador vem de Deus e somente assim as coisas acontecem. O homem pode fazer um bom discurso, bem elaborado, coerente, bons argumentos, impregnado de lógica e apresentado com esmero, entusiasmo e fervor; mas ainda é uma fala humana, é capaz de tocar as emoções e com algum sucesso, apela à razão dos ouvintes. Mas outro sermão até mais curto e mais contundente, pode mudar tudo. Não é assim com o mover de Deus! O Espírito Santo transforma palavras em espada afiada de dois gumes, que penetra e opera transformações incríveis, sem nem mesmo provocar sensações na pessoa. Quando a Bíblia fala da mão poderosa de Deus, está se referindo ao manifestar do seu poder de agir, de realizar. Tanto Faraó, quanto os próprios hebreus poderiam ter aceitado a Palavra de Deus, agido em obediência e assim todos seriam abençoados e evitariam desgastes futuros. Mas ambos os lados estavam com corações duros e dispostos a fazerem as coisas de seus próprios modos, ainda que isso significasse confrontar a Deus. Faraó poderia ter sido abençoado, como fora aquele outro dos tempos de José, porque aquele ouviu a Palavra de Deus, e ainda que seus servos não concordassem, ele escolheu o caminho da fé e seguir as instruções de José. Agora seria a vez desse Faraó ouvir a Moisés, submeter-se e embora perdesse seus escravos e a mão de obra, certamente ele seria regiamente recompensado por Deus com bênçãos sem medidas. Mas a vida não é como gostaríamos que fosse ou como pensamos que ela será; a vida é como ela é! Você e eu podemos escolher o caminho da fé e obediência, que conduz ao sucesso e à bênção; como podemos escolher o caminho do confronto e das nossas próprias escolhas. A mão de Deus é poderosa, à favor ou contra, mas quem escolhe o lado somos nós.

Senhor, agradecemos o mover do teu Espírito Santo nos nossos corações e mentes, nos levando a abraçar a fé e a obediência para nossa prosperidade. Somos da fé e parceiros do Senhor na construção de uma obra que reconhecemos ser tua, somente tua. Tudo o que conseguimos fazer é por graça e favor recebidos primeiramente de ti. Obrigado por nos amar e nos fortalecer para servir, oramos em nome de Jesus, amém.

Pr Jason