Quando o Justo se torna Injusto

Meditação do dia 20/11/2015

2 Sm 16.23 “E era o conselho de Aitofel, que aconselhava naqueles dias, como se a palavra de Deus se consultara; tal era todo o conselho de Aitofel, assim para com Davi como para com Absalão.”

Quando o justo se torna injusto – Uma coisa maravilhosa é a retidão vivida por pessoa de bem e colocam isso a serviço de todos. Mas uma coisa importante é que a escolha de viver como pessoa de bem, precisa ser para toda a vida; pois nesse sentido, o fim conta muito. Passar uma vida toda fazendo o certo e no final jogar tudo à perder por um ato insensato ou uma estupidez momentânea, é muito triste. Esse Senhor Aitofel, ganhou uma reputação de tal forma boa, que todos o respeitava e sua palavra e conselho, tinha um peso, como se fosse uma palavra de Deus, através de um profeta. Toda a corte o considerava extremamente por sua vida e sua postura de homem justo e correto. Por viver no palácio, estar em contato direto com a administração e a alta cúpula governamental, era uma pessoa acima de qualquer suspeita. Mas se olhar o último conselho dado por ele, ao filho do rei que estava dando um golpe de estado, não dá para acreditar que eram palavras de um homem sensato, justo e de princípios construtivos. O que aconteceu com Aitofel, para ir de um extremo ao outro? Claro que isso não aconteceu de uma hora para outra; Sendo uma pessoa da confiança do rei Davi, ele não mudaria de lado em questão de horas. Há um adágio popular que diz que “a oportunidade faz o ladrão! A amargura e o ressentimento contra o rei e sua dinastia se abrigara a muito tempo no coração dele, e isso foi mantido em segredo de todos e possivelmente a tal ponto, que ninguém, nem mesmo rei e à corte jamais notou qualquer vestígio de maldade ou indiferença naquele homem sábio. Quando o rei Davi, cometeu um adultério com uma mulher muito bonita, chamada Bate-Seba, e depois o marido dela, um soldado valente e muito leal ao Davi e ao exército de Isreal foi exposto em combate intencionalmente para ser morto em combate, para liberar o caminho de Davi para casar-se com a viúva, isso produziu mais estragos do que aparentemente se vê diretamente nos registros. Davi se arrependeu, fui castigado pelo seu erro mas ficou um estigma de imoralidade e crueldade em suas gerações como consequência de sua conduta. Essa mulher bonita, com quem Davi veio a se casar e ela se tornou a mãe do herdeiro legítimo do trono, o rei Salomão, era neta de Aitofel, o Conselheiro de Davi. Aitofel se feriu ao ver sua neta ser corrompida pela rei e ter seu esposo, um homem bom e leal ser assassinado de forma cruel para limpar a barra do rei e ela ser levada para ser esposa do rei… isso azedou o coração e a vida daquele homem bom. Quando ele viu a oportunidade de vingar-se do rei, usando as mesmas armas e medidas, não perdeu a oportunidade. Ele não levou em conta o arrependimento de Davi, o perdão de Deus e o custo de tudo isso; ele concentrou-se apenas em sua mágoa, que pena! Alguém pode dizer, mas ele não estava coberto de razão? Não! Nossas causas devem ser entregues àquele que tudo vê e tem como julgar e aplicar a sentença justa no devido tempo. A Deus, pertence a vingança! Aitofel perdeu tudo que construíra em toda a sua vida e o que aparece na sua lápide é: A primeira pessoa na Bíblia a se suicidar! Isso não é a maneira adequada de uma pessoa com uma folha de serviço tão boa terminar sua jornada.

Pr Jason

Anúncios

A Síndrome de Absalão

Meditação do dia 19/11/2015

2 Sm 15.4 “Dizia mais Absalão: Ah, quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo o homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça!”

A Síndrome de Absalão – Se tem uma coisa em que todo brasileiro conhece muito bem, é o estilo de se fazer política, à brasileira, é claro! Não importa qual tipo de eleição ou a que se concorre, alguém se tornou candidato, começa o festival de promessas. Ficam prestativos, educados, presentes em todos os eventos, solidários, cumprimentam pegando na mão e olham nos olhos. As propostas são sinceras, a causa que defendem é justa e ninguém será esquecido…. faltou alguma coisa? Isso não é novo e não é invenção nacional, vem de longe e de longa data. Nos décadas de 1960 e 70 lá no meu Goiás querido, havia um locutor de rádio, de programa sertanejo, chamado “Morais César” que escrevia e declamava poemas “caipiras”, a cada dia tinha um poema; num desses, cheio de sátira, ela falava em caipirês que um dia o Diabo inventou a cachaça e bebeu tanto, ficou bêbado e inventou a política e a eleição. Sei que não é verdade, mas que parece coisa mandada, isso parece! Absalão, um príncipe, amado pelo pai, na minha cabeça, era um “filho de papai,” mimado e sem limites, vingativo e de gênio forte. Curtiu mágoa e rancor contra um irmão também descompensado e o matou de forma covarde e traiçoeira num banquete onde o irmão fora atraído como convidado especial. Agora, começou por baixo dos panos uma campanha sorrateira, ficando todos os dias de plantão em lugar estratégico e abordando cada pessoa que buscava uma audiência com o rei ou o sistema judiciário e de bom grado e paciência ouvia a pessoa e dizia o que ela queria ouvir, e afirmando com aquela cara de frustração: “Que pena, o sistema tá tão cheio, atarefado, falta de pessoal, dificilmente você será ouvido e se te ouvirem, não te farão justiça e se fizerem justiça, vai demorar tanto, que já é uma injustiça…e o rei, coitado, tá velho, cansado, não tem mais cabeça para ajudar ninguém….” Ah, quem me dera ser juiz na terra, para que viesse a mim todo o homem que tivesse demanda ou questão, para que lhe fizesse justiça!” A síndrome de Absalão persiste até hoje. Pessoas dispostas a prejudicar outras com politicagem suja, até mesmo nos meios cristãos, prontos a hipervalorizar os problemas e defeitos e apontar falhas de tudo e de todos, menos a dele, que é na verdade um “humilde servo, que só quer ajudar!” Eu, Jason, tenho uma frase que faz sentido para mim: “Tudo o que é demais, passa!” Pessoa boa demais, amiga demais, bondosa demais, fiel demais, sincera demais, prestativa demais, preocupada demais, … isso acaba passando do normal, dos limites… eu me cuido, ligo o pisca-alerta! Pois, é, esse Absalão, estava armando um golpe de estado para o próprio pai, o rei Davi e obrigou o rei a fugir, para evitar um banho de sangue; e esse é o cara que queria fazer justiça e ajudar todo mundo. Rebelião fede! Política suja fede! Por ideais dessa natureza se comete barbáries e as pessoas passam a ser “meros detalhes,” querem o poder pelo poder e depois que estiverem lá, ai de quem não se alinha e não é correligionário! Fuja disso, Pessoas são os alvos do amor de Deus e servi-las e ajuda-las é nossa missão de vida e não servirmo-nos delas!

Pr Jason

“Oscar” de Melhor Atriz Coadjuvante

Meditação do dia 18/11/2015

2 Sm 14.2 “Enviou Joabe a Tecoa, e tomou de lá uma mulher e disse-lhe: Ora, finge que estás de luto; veste roupas de luto, e não te unjas com óleo, e sê como uma mulher que há já muitos dias está de luto por algum morto.”

Oscar de melhor atriz coadjuvante – Teatro e encenação não serve apenas para entretenimento e lazer; serve também como instrumento de educação e disciplina e por várias ocasiões os profetas bíblicos lançaram mão desse recurso para fazer aplicações de suas mensagens. Deus é o senhor das artes e da inspiração, assim sendo, muitos dos seus filhos são dotados de capacidades e talentos para proclamar as grandezas de Deus e do seu reino através da arte. Não é à toa que a sétima arte tem sido alvo do controle do mal, para disseminar idéias e conceitos com valores contrários aos propósitos de Deus. Ministros experientes em termos de como completar a grande comissão, defendem que há oito áreas de domínio, que precisam ser fortemente influenciadas positivamente pelo Evangelho, para que de fato um povo ou cultura seja considerado ganhos para Cristo; e uma dessas áreas é justamente “Artes e Entretenimentos.” Muitas igrejas tem obtido  bom proveito em seus ministérios de comunicação do Evangelho, usando as artes, como o teatro, a dança, a música e assim alcançado públicos distintos até então mais reservados e resistentes ao Evangelho. Davi, após os tristes episódios familiares, ficou com o coração partido, uma vez que tanto ofendidos como ofensores, eram filhos a quem ele amava muito e Absalão tinha um espaço especial no seu coração e talvez seria a escolha natural do rei para sua sucessão. Exilado, física e geograficamente, mas muito presente nas intenções e desejos do rei; Absalão encontrou em Joabe, sobrinho e general do Exército de Davi, um aliado, que buscou alternativas para provocar uma reação no pai para repatriar o filho. Foi então que ele montou esse teatro, sendo o autor do enredo e diretor da peça, ele buscou uma atriz experiente, capaz de interpretar ao ponto de convencer o rei de que se tratava de um caso real. Lendo o contexto, percebe-se que ela desempenhou muito bem o papel e Davi foi muito rápido em pronunciar um veredito que poria questão na demanda daquela “viúva desesperada,” mas ela percebeu que “a ficha não caíra” para Davi, ele não sacou que ele era uma peça chave na trama, então ela teve que improvisar até atingir os resultados esperados pelo diretor Joabe. Deu resultado! O rei não só captou a mensagem, como percebeu a mão de quem estava por trás da trama; então mandou parar a encenação e chamou o diretor para uma conversa sem encenações. Quando Davi cometeu um deslize de gravidade moral elevada, no caso de Bate-Seba, o profeta Natã, também fez uso de uma história dramatizada para chegar ao coração do rei e fazê-lo se arrepender e admitir sua culpa. Teatro e encenação é muito bom e saudável, mas viver escondido atrás de máscaras e disfarces, fazendo da vida uma grande peça, pode ser perigoso, sendo assim, não concorra a nenhum premio de boa interpretação da vida real. Viva a vida real!

Pr Jason

Violencia e Abuso em Família

Meditação do dia 17/11/2015

2 Sm 13.15 “Depois Amnom sentiu grande aversão por ela, pois maior era o ódio que sentiu por ela do que o amor com que a amara. E disse-lhe Amnom: Levanta-te, e vai-te.”

Violencia e abuso em família – Esse é um daqueles assuntos que gostaríamos que fosse uma mera peça de ficção; mas não é uma realidade tão distante de muitas famílias dentro de nossos círculos de convivência. As lições que essa triste história tem para nos ensinar, precisa ser ensinada e precisa ser aprendida, para que não se repita e ao contrário, consigamos evitar e mais do que isso, eliminar esse tipo de mal. Estou falando isso, porque estamos vivendo uma época difícil para a formação e manutenção das famílias e ao invés de termos o estado como protetor e defensor da estrutura familiar, temos um aparelhamento governamental empenhado fortemente em sensualizar as crianças, fomentar práticas abertamente abusivas e nocivas a boa formação delas como pessoas. A educação e a cultura que são elementos fortes e determinantes para subsistência de um povo, está sendo no Brasil sendo  manipulado e usado como política de estado para destruir valores sólidos e incutir teorias malignas e destrutivas, travestidas de cultura, de direitos humanos e igualdade racial e de minorias. Os próprios materiais educativos usados nas escolas induzem as crianças à práticas precoces que servirão para serem abusadas e abusadoras. Historicamente, todas as civilizações que floresceram e decaíram até serem aniquiladas de todo, teve como pilares da derrocada, elementos como: Imoralidade extrema, desrespeito às leis e autoridades, falência da estrutura familiar, corrupção política institucionalizada, banalização dos valores morais e profanação do sagrado. Nenhuma exceção a essas regras em nenhuma civilização extinta. O que você me diz sobre os parâmetros que nos encontramos hoje como sociedade? O estado proíbe que a Bíblia e a fé em Deus seja ensinada nas escolas em nome do estado laico e do direito à liberdade de crença de todos; mas esse mesmo estado implora de joelhos, para as igrejas e ministros façam alguma coisa nos presídios, penitenciárias e casas de acolhimento infanto juvenil. Se ensinarmos bem as crianças, não precisaríamos recuperar os jovens e adultos! Temos a Lei Maria da Penha para proteger as mulheres de abusos e violência doméstica e temos os conselhos tutelares para cuidar da criança e adolescentes – mas temos um aparato estatal produzindo crianças violentas, que roubam, matam e ferem à troco de nada e estupram e geram filhos como linhas de produção e são bancados financeiramente pelo estado. Crianças abusadas serão adultos com deficiência de ajuste emocional e intelectual, que rejeitarão bons valores e procurarão caminhos mais fáceis e aceitarão os apelos políticos para defenderem seus direitos como “minorias segregadas” – meras massas de manobras de intelectuais aproveitadores e mercadores da morte e da destruição. Seguir e satisfazer os instintos como se a pessoa fosse um animal irracional, movido apenas pela paixão e desejos físicos e carnais, levou o príncipe Amnom, filho do Rei Davi, a atrair sua meia irmã para uma armadilha e abusar sexualmente dela em nome de um amor irresistível e logo em seguida odiá-la em maior intensidade do que o “amor” que sentira. Quem não conhece esse enredo? E o pior de tudo isso, é que maioria dos casos, ocorre com pessoas da intimidade da família, pessoas da confiança dos pais e até das próprias crianças. Ninguém deve estar fora das antenas e dos radares dos pais e responsáveis, incluindo os próprios pais e responsáveis. Não se cale, não se amedronte e não ceda a chantagens baratas, pois um vez feito, se faz mais outras tantas. Nossos filhos e nossas crianças são um legado precioso que Deus confiou a nós, para amar, cuidar e criar e prepara-los para a vida, para sejam bem sucedidos e vitoriosos; e para tal, não podemos aceitar e contemporizar com o erro e o pecado. Denuncie! Procure as autoridade competentes, e se forem as próprias autoridades, vá a instancias superiores, mas não pactue com o mal em detrimento do sofrimento e a vergonha de inocentes e indefesos.

Pr Jason

Dois Homens e Uma História

Meditação do dia 16/11/2015

2 Sm 12.1 “E o SENHOR enviou Natã a Davi; e, apresentando-se ele a Davi, disse-lhe: Havia numa cidade dois homens, um rico e outro pobre.”

Dois homens e uma história – A Bíblia está repleta de histórias em que o enredo desenvolve-se em torno de duas pessoas; como Adão e Eva; Abraão e Ló; Isaque e Ismael; Jacó e Esaú; Moisés e Faraó; Moisés e Josué; Josué e Calebe; Davi e Saul e por aí vai… A vida também está cheia de histórias à dois e muitas delas incluem a nós também. Todos temos uma história, ou fazemos parte de uma. Essa em particular, foi uma parábola, na verdade um teatrinho montado pelo profeta Natã, para tornar bem vivo o senso de justiça de Davi. Também não podemos deixar de dizer que foi uma espécie de “armação” em que Davi fatalmente cairia, pois ele foi forçado pelas circunstancias a pronunciar um julgamento sobre uma pessoa anônima que cometera um grande delito de impiedade e injustiça, mas quando foi revelado a identidade do transgressor, ele não tinha como negar que merecia a sentença e naquelas circunstancias não tinha como se defender e nem mesmo argumentar em defesa própria. O caráter de Cristo implantado na vida do cristão, leva-o ao aperfeiçoamento em justiça e santidade, guiado pela palavra de Deus, que é a norma ou a regra de fé e prática. Quando confrontados com a verdade de Deus, o pecador, seja ele evangélico ou não, nascido de novo ou não, está colocado numa condição em que a única saída honrosa é admitir a culpa, demonstrar arrependimento e pedir perdão e propor reparação e restituição. Qualquer outro alternativa é justiça própria. Quando somos confrontados pelo Espírito Santo sobre nossa condição interior, em situações de erro ou pecado, o correto é tomar posição ao lado de Deus, isto é, concordar que Deus, sua Palavra e seu Espírito Santo estão certos e nós estamos errados. O verdadeiro arrependimento atribui razão à Deus sem justificar ações erradas. A ordem de Cristo, para que quem quisesse segui-lo, deveria renunciar a si mesmo, e a cada dia tomar a sua cruz e o seguisse, nos leva a isso; renunciamos a direção de nossa própria vida; nos demitimos a nós mesmos por justa causa; participamos do julgamento de nosso ego e testemunhamos contra nós mesmos! Deus está certo, o pecador está errado, mesmo que esse pecador, seja eu mesmo!

Pr Jason

O Pecado Mora ao Lado

Meditação do dia 15/11/2015

2 Sm 11.2 “E aconteceu que numa tarde Davi se levantou do seu leito, e andava passeando no terraço da casa real, e viu do terraço a uma mulher que se estava lavando; e era esta mulher mui formosa à vista.”

O pecado mora ao lado – Essa é uma história triste e decepcionante da vida de uma pessoa de Deus, quer seja um homem ou uma mulher, Pastor, ministro ou um simples membro de igreja. O pecado faz estragos e produz oportunidades para o mal se infiltrar nas fileiras do povo de Deus. Mas podemos aprender lições preciosas com esta triste experiência do rei Davi e assim evitarmos que isso aconteça conosco e ou por perto de nós com pessoas que amamos ou está sob nossos cuidados. A primeira situação que podemos prevenir está no contexto, no verso primeiro; era o tempo dos reis e seus exércitos estarem mobilizados ou em combate ou em treinamento, mas só o exército de Israel e seus comandantes estavam em campo, Davi, o comandante em chefe, ficara em casa. Quando é tempo de estar trabalhando, produzindo e cuidando de obrigações, é lá que devemos estar. Todo mundo trabalhando, se esforçando e alguém de folga em casa, procurando o que fazer e o mais provável que encontre oportunidade de pecar e foi o que aconteceu com Davi. Uma segunda situação importante, era que Davi, estava ocioso, e sem nada de útil para fazer – não creio que era porque realmente não havia nada de trabalho e coisas de interesse de estado, que deveria estar ocupando sua atenção; ele se permitiu ficar ocioso e ao invés de fazer algo útil, foi tirar uma soneca preguiçosa à tarde e quando acordou, todo suado, bocejando e espreguiçando, foi para a sacada ou o terraço de sua casa e de lá do alto, teve a possibilidade de ver a vida dos vizinhos e entre eles, bisbilhotou uma mulher bonita, tomando banho. Numa situação dessa, o caráter é que faz a diferença e o desejo de manter um coração puro, leva a pessoa a se afastar da tentação e de dar os próximos passos, e foi exatamente o que o rei Davi não fez. Uma terceira coisa, e um passo rumo a uma aventura perigosa, que até aqui era puramente casual; ele mandou alguém que estava sob seu comando para investigar e procurar saber disfarçadamente, quem era aquela pessoa e com essa informação ele foi mais longe, usando o seu poder e influencia trouxe a mulher para o palácio e se envolveu fisicamente com ela. Hoje, isso seria assédio sexual, com processos que causariam danos irreparáveis à imagem real. Tiago nos diz o seguinte: “Mas cada um é tentado, quando atraído e engodado pela sua própria concupiscência. Depois, havendo a concupiscência concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, sendo consumado, gera a morte. Não erreis, meus amados irmãos.” (Tg 1.14-16). Se somos tentados por aquilo que nos atrai, então precisamos tomar cuidado, porque seremos tentados por coisas atraentes e cativantes, mas isso leva a caminhos de morte. Corte o mal pela raiz, já no começo. Como finalizou Tiago “Não erreis, meus amados irmãos.” Fique esperto!

Pr Jason

Incidente Diplomático

Meditação do dia 14/11/2015

2 Sm 10.4 “Então tomou Hanum os servos de Davi, e lhes raspou metade da barba, e lhes cortou metade das vestes, até às nádegas, e os despediu.”

Incidente diplomático – Relações internacionais as vezes é assunto muito delicado e exige habilidades de negociações, para contornar situações difíceis e embaraçosas. Tal qual as relações humanas, existem regras básicas de boa convivência e respeito mútuo que tornam a convivência salutar e construtiva. Um erro de interpretação da intenção do outro lado, pode causar males difíceis de se reparar. Como também existem pessoas com extrema habilidade de produzir intrigas entre pessoas, familiares e quando isso se estende, chega então nas relações internacionais. O rei Salomão disse que existem alguns atitudes que provocam a justiça de Deus, em Proverbios 6.16-19: “Estas seis coisas o Senhor odeia, e a sétima a sua alma abomina: (1) Olhos altivos, (2) língua mentirosa, (3) mãos que derramam sangue inocente, (4) O coração que maquina pensamentos perversos, (5) pés que se apressam a correr para o mal, (6) a testemunha falsa que profere mentiras, e (7) o que semeia contendas entre irmãos.” Pode ser que a intenção não fora calculada, mas depois de feito o comentário, expressado uma opinião ou feito uma crítica ácida, a fogueira é acesa e aí não tem jeito mais de conter os danos. Claro que precisamos ser honestos e sinceros e jamais faltar com a verdade, mas nunca se pode esquecer de pesar sobre as consequências dos nossos atos. O amor deve estar acima de tudo, inclusive de estar certo e ganhar uma discussão. Nos trabalhos com casais, até brincamos para descontrair dizendo que “o casamento é uma relação entre duas partes, onde uma está sempre certa e a outra é o marido.” Muitas situações a gente tem que escolher estar certo e ganhar a discussão, ou ser feliz; não dá para ter as duas coisas e pesando bem, manter as relações em alto e bom nível é bem melhor do que ganhar, mas não levar. No texto de hoje, O falecido rei dos moabitas, pai de Hanum, fora um aliado e grande amigo de Davi, desde os tempos em que Davi vivia fugindo de Saul. Esse rei abrigara e protegera familiares de Davi, que não podiam seguir Davi para todos os lados em fuga. Quando ele faleceu, o rei Davi, enviou uma comitiva real, em nome da nação para prestar homenagens de respeito pelo falecimento do rei. Os príncipes amigos de Hanum encheu-lhe a cabeça de inverdades e ele, imatura, cedeu e cometeu um ato hostil, contra os embaixadores israelitas, cortando-lhes metade da barba e metade das vestes até à altura das nádegas e expondo-os a vergonha de saírem do palácio e viajarem de volta naquelas condições. Antes de saberem qual seria a resposta de Davi a esse ultraje, eles mesmos tomaram a iniciativa de declarar guerra, para encobrir a necessidade de retratação. Custou milhares de vidas e envolveram outras nações que sofreram as consequências de se aliarem à insensatez de alguém imaturo e irresponsável. Isso não é motivo para a gente pensar sobre a responsabilidade de como fazemos uso de nossas liberdades em relações com outras pessoas e instituições? Cala-te boca!

Pr Jason

O Homem de Lo Debar

Meditação do dia 13/11/2015

2 Sm 9.7 “E disse-lhe Davi: Não temas, porque decerto usarei contigo de benevolência por amor de Jônatas, teu pai, e te restituirei todas as terras de Saul, teu pai, e tu sempre comerás pão à minha mesa.”

O homem de Lo Debar – A poucos dias meditamos sobre a tragédia que se abateu sobre a casa de Jônatas, filho de Saul, que morreu na guerra e seu filho de cinco anos caiu na fuga e ficou deficiente de ambos os pés. Eu escrevi que voltaríamos a falar daquele príncipe e o faremos hoje. Agora ele não é mais um garotinho, mas um homem adulto, que passou a infância, a juventude e parte da vida adulta escondido, vivendo de favores e da bondade de pessoas estranhas, ainda que fosse um príncipe. Um dia, o rei Davi, inquietou –se no seu interior, talvez lembrando do seu amigo Jônatas e aí veio a idéia: “será que não ficou algum descendente dele?” E mandou informar e descobriram alguém que sabia muito, mas talvez pela segurança do príncipe, e manteve calado. Foi contado a Davi a história toda: Há sim, um filho de Jônatas, aleijado de ambos os pés por um acidente no dia da fuga, quando da morte do pai e da família real e ele vive escondido e protegido por uma família numa pequena cidade, chamada Lo Debar. O rei sem demora mandou buscá-lo. Me permita uma licença de criar imaginativamente sobre a cena; Aquele príncipe, Mefibosete, passara toda a vida escondido, e com certeza temendo ser descoberto por opositores do regime de seu avô ou Davi, o novo rei o quisesse morto, para evitar ameaça ao trono. Mas um dia tudo mudou: Tropas da guarda real chegaram na cidadezinha procurando diretamente pela casa do senhor Maquir, filho de Amiel, porque ele abriga um refugiado chamado Mefibosete, deficiente físico. Eles tinham todas as informações e agora não tinha como esconder mais. Ao encontrar quem procuravam ele não deram nenhuma informação, só disseram que o rei Davi quer vê-lo na capital, agora! O que terá passado pela cabeça daquele homem assustado, temeroso e indefeso? Como ficaram as pessoas que o protegera durante todos esses anos? Com certeza o clima não era nada tranquilo. Vou apimentar ainda mais; Mefibosete entrou na capital pela primeira vez, vendo a cidade grande, pomposa, barulhenta e entraram direto para a fortaleza real e na porta alguém informa que o rei está no pátio se exercitando com espadas, lanças e mantendo a forma, mas que queria ver imediatamente o homem que foram buscar. Provavelmente aquele príncipe não tinha nenhuma lembrança do Rei que fora amigo do seu pai quando eram jovens; se Davi o havia visto alguma vez, ele era muito pequeno, um bebê de colo talvez; e agora estava tão indefeso, quanto naquele tempo…o coração saído pela boca, tremura, mãos geladas, como olhar no rosto rei? Mais não tem volta e alguém se aproxima e todos ao redor se curvam na frente dele… uma voz firme pergunta: Você é Mefibosete? Siii..sim Senhor, teu servo! Inclinou em respeito, mas pensando que cabeça e pescoço seriam separados num só golpe, sem misericórdia! Mas não foi o que aconteceu! O que ouviu foi: “Não temas, vou cuidar de você com muita bondade, porque você é filho do meu melhor amigo e nós tínhamos uma aliança de que quem sobrevivesse, cuidaria da família do outro. Tudo o que era de seu pai, é seu novamente, é sua herança e você à partir de hoje, vai morar aqui na capital e vai sentar e comer na minha mesa comigo, meus filhos e minha família, você é um príncipe e lugar de príncipe é no palácio. Eu vou as lágrimas toda vez que leio esse trecho das Escrituras. Fico pensando que o coração de Mefibosete, quase parou de vez, agora de emoção e lágrimas. Sua vida e sua dignidade fora restituída. A angustia daquela viagem agora era trocada pela alegria e satisfação e o nunca tinha acontecido, pela primeira vez, a começar ali pela guarda real, as pessoas se curvando diante em respeito e cumprimentando-o agora, como um nobre e não mais como um deficiente e dependente de favores. Essa é a minha história, e a sua e a de todos os pecadores, que vivemos temerosos do amanhã, da eternidade, com medo da morte e do castigo; até que o Rei dos reis, nos chamou pelo nome, restitui a nossa dignidade de filhos de Deus, escreve o nosso nome do seu livro e diz que está preparando uma lugar para nós na cidade do seu pai e agora comeremos na mesa do rei e podemos entrar na com ousadia na presença de Deus (Hb 10.19-23). Em Cristo, começamos uma nova história!

Pr Jason

Fazer Bem Feito

Meditação do dia 12/11/2015

2 Sm 8.15 “Reinou, pois, Davi sobre todo o Israel; e Davi fazia direito e justiça a todo o seu povo.”

Fazer bem feito – Não existe terceirização no reino de Deus! Tudo é feito pelos filhos, servos, súditos, adoradores, ministros, sacerdotes, irmãos…. ou seja, por nós mesmos, com a ajuda, a graça e a bênção de Deus, no poder do Espírito Santo. O governo é soberano nas mãos do Todo Poderoso. No reino de Deus, verdadeiramente existe harmonia entre os ”Três Poderes” que não são independentes e nem autônomos em si, antes, é a mais perfeita forma de comunidade que existe. Não existe distinção, separação entre atividades sagradas e seculares, santas e profanas, religiosas e laicas, tudo é sagrado, porque as vidas e tudo nelas pertencem a Deus e foram consagradas para serem totalmente úteis a serviço do rei e do reino. Tudo o que fazemos, fazemos para Deus, portanto, deve ser bem feito, com responsabilidade, santidade e reverencia. Tudo o que fazemos, é culto a Deus, nossa vida é culto, nosso corpo é templo e nossa vida é um sacerdócio real. Somos todos mordomos dos bens e dádivas divinas, que nos foram confiados para nosso sustento, prazer, serviço e investimento no reino e todos vamos comparecer diante de Deus para prestar contas disso. Então quando lemos verdades como essa sobre o governo de Davi, não devemos ficar admirados e achar que ele foi diferenciado. Ele estava fazendo o certo, o normal, o trivial do reino. Esse é o nível básico esperado de todos os servos de Deus. O rei Davi foi levantado por Deus para liderar o seu povo e conduzi-los à liberdade, progresso e prosperidade. Davi fora vítima de um governo de má administração por parte do rei Saul. Ele fora perseguido, maltratado e correu risco de vida; foi obrigado a se exilar e viver clandestinamente, até chegar a hora de ascender ao trono. Agora, no poder, ele podia escolher que tido de rei seria, que qualidade de governo ele exerceria, e ele escolher fazer o certo, fazer direito, e tratar com justiça o seu povo. Ele cometeu erros também, falhou em aspectos, mas o seu coração foi inteiro para Deus o tempo todo. Deus mesmo o considerou um homem segundo o seu coração. Isso me inspira, isso deve te inspirar! Não importa se você é funcionário público, da iniciativa privada, autônomo, empresário, missionário, pastor, líder, estudante, dona de casa aposentado ou que quer que seja. Você faz parte do reino, então tem responsabilidade, tem exemplo à dar, testemunho a zelar e um governo justo e bom para representar. Não podemos, servir a um Deus bom, justo e amoroso, e estarmos aqui comissionados como embaixadores dele e nossa vida e conduta ser discrepante daquilo que representamos. Hoje é dia de fazer bem feito, fazer direito, fazer justiça!

Pr Jason

A Casa, o Reino e o Trono

Meditação do dia 11/11/2015

2 Sm 7.16 “Porém a tua casa e o teu reino serão firmados para sempre diante de ti; teu trono será firme para sempre.”

A casa, o reino e o trono – Minha casa é meu castelo! Essa é uma forma alegre e positiva de se expressar sobre sua vida e como você encara os desafios de cada dia. Na origem desta expressão, está a idéia de que quem tem castelo é rei; então, na minha casa eu sou soberano, eu sou o rei do pedaço. Claro que estamos falando de uma maneira lúdica e meramente figurativa, mas quase todos nós levamos isso muito a sério, na infância dos nossos filhos. Falamos e mostramos a eles, que são nossas princesas e príncipes e que ninguém conteste isso; e eles acreditam nisso, claro, até a página cinco, depois os sonhos vão se dissipando e o castelo vai ruindo e a vida continua opaca e séria, e tanto nós quanto as crianças só veem a dura realidade, que a agora tentamos mostrar que é a verdade verdadeira da vida. Não vou sugerir que alguém viva num mundo de fantasia o tempo todo; mas seja feliz e não permita que a vida perca a graça, só porque ficou adulto e tudo que sobrou foram obrigações e fardos. Se em sua casa, reina a paz, existe harmonia e respeito entre os familiares, cada um cumpre bem o seu papel e assume suas responsabilidades, isso é um castelo bem cuidado e bem administrado, com um rei justo e bom e que se esforça pelo seu povo; ali tem uma rainha que encanta e que com doçura e sabedoria mantém os príncipes e princesas na linha e progredindo bem, para serem encantadores, queridos e amados pelos demais do reino. Mas, voltando para o texto bíblico, é interessante pensar que todo homem vive na mesma certeza que os demais, de que tem que trabalhar, construir, fazer o seu melhor e esperar que o futuro seja construído e promissor, mas está velado de nossos olhos pela cortina do tempo e só Deus sabe o que virá. Aceitamos isso numa boa; Mas de quando em vez, o Senhor nos surpreende, como fez a Davi, relembrando-o de suas origens e de como foi agraciado e favorecido, para liderar o povo de Deus e ganhar um nome como só os grande da terra tiveram. Mas Davi ainda teve o bônus de receber uma promessa, sobre a continuidade de sua casa, sua família e seu reino. Todo rei, torce para seu herdeiro seja sábio, prudente e firme para manter e sustentar o trono, que nem sempre é possível e a história mostra quantos tronos e reinos já trocaram de mãos e de dinastias; mas a Davi, o Senhor deu lhe a palavra de que sua casa duraria para sempre diante de Deus e que seu trono seria para sempre. Hoje, nós sabemos que não é só uma questão de linhagem genética, mas espiritual, pois Jesus Cristo, de Nazaré, é filho da linhagem biológica e genética de Davi e é Deus para sempre, amém! Em Cristo Davi recebeu a maior herança. Então quem está do lado de Cristo, tem promessa eterna, para sempre, e isso é bom, muito bom! Quem quer ser amigo do rei?

Pr Jason